As razões para o barqueiro da morte

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto: reprodução do canal da TV Senado no Youtube

 

Se ainda estivesse na ativa, cruzando os rios Estige e Aqueronte, carregando em sua nau as almas dos recém falecidos, por certo, o barqueiro Caronte de Hades, da mitologia grega, teria muito trabalho a realizar, tendo que atravessar esses cursos d’água 738 mil vezes, levando os atingidos em todo o mundo pela nova peste negra, desta vez, chamada de Covid-19. Somente para transportar os mortos do Brasil, Caronte teria que realizar o mesmo trajeto mais de 103 mil vezes, indo e voltando, numa viagem de ida e vinda sem dia para terminar.

No poema épico Eneida, de Virgílio, escrito no século I a.C., “Se não posso dobrar os céus, moverei Aqueronte”, o que em outras palavras poderia significar uma busca por um significado, uma razão ou mesmo um culpado por tamanha fatalidade global. Muitos ainda buscam uma razão para uma mudança tão brusca no modus vivendi de todos nós. Que consequência terá essa situação dramática e inusitada para os indivíduos, sobretudo para os mais moços? Por certo, haverá oportunidade para traumas, do tipo pós-guerra, maculando o subconsciente de muitos. Talvez uma questão dessa dramaticidade possa ser superada, em parte, buscando-se, ao menos, os pretensos culpados por instalar, sem aviso e sem remorsos, o mundo distópico que acreditávamos existir apenas na ficção, nos filmes noir.

Quem sabe, ao indicar os responsáveis diretos e indiretos por esse drama humano, talvez seja encontrada a razão de tudo isso. Se o mundo ainda não identificou corretamente os culpados por tantas mortes presentes e futuras, ao menos, muito já sabem os nomes e sobrenomes daqueles que, por ofício, tinham a obrigação de levar as pessoas a um bom porto. E se soubéssemos os nomes e a culpa atribuída a cada um nesses episódios macabros, de que adiantaria? Os que foram levados para o outro lado do rio, pelo barqueiro da morte, lá ficarão para sempre. O que parece não ser possível, ou ao menos concebível, é que não exista protagonistas responsáveis por essa verdadeira montanha de mortos.

Mesmo a vacina, que se anuncia no horizonte, capaz de aplacar o medo de uma morte sufocante, não terá o condão de pacificar o mundo e, sobretudo, os traumas permanentes gerados em muitos. É preciso encontrar os culpados, para ao menos entender suas razões. O mais inquietante é pensar que, por ação humana deliberada de alguns líderes políticos do nosso mundo, ousaram transformar a Terra no próprio Hades, onde as expectativas de uma vida de quietude e simplicidade foram, simplesmente, banidas para longe.

Ao destruir, com propósito, qualquer feixe de uma luz de esperança, esses que agora estão sentados em suas cadeiras, dirigindo nações inteiras, organismos, e em outros postos chaves, por certo, cometeram crimes hediondos e devem responder por eles, seja internamente ou perante os tribunais internacionais. O que não dá é fingir que nada aconteceu, que tudo foi um acidente sem maiores problemas, varrendo esses acontecimentos para debaixo do tapete da história, cobrindo-os com a poeira do tempo e do esquecimento. O que se quer, muito mais do que os culpados, que certamente aí estão impunes, é buscar suas razões. Até para que flagelos como esse não voltem a surpreender a todos novamente.

 

 

A frase que foi pronunciada:

“A palavra é meu domínio sobre o mundo.”

Clarice Lispector

A escritora Clarice Lispector. Foto: brasil.elpais.com

 

MAB

Muitos planos para o Museu de Arte de Brasília. Localizado em uma região especial, há um projeto grandioso para entregar, à cidade, o antigo museu aportado como uma área moderna, num complexo cultural que a capital merece de volta. A Concha Acústica será uma extensão desse complexo.

MAB. Foto: EBC

 

Conhecimento

Por falar em Ceará, recebemos do amigo Silvestre Gorgulho um depoimento da Dra. Rosete Ramos. Ela fala nas lições passadas pelo Dr. Fábio Rabelo, no então Hospital Distrital. O cearense, Dr. Edmar Maciel, também é destaque como o precursor no uso da pele de tilápia para reconstituir peles queimadas, que lhe rendeu o Prêmio Abril de Ciência. O conhecimento está sendo enviado para o Líbano.

 

Foto: Viktor Braga/UFC/Divulgação

 

Resultado

Novacap, Administração Regional do Lago Norte e Secretaria de Saúde, unidas para cercar e aumentar o Horto ao lado da Unidade Básica de Saúde do Lago Norte. Brasília acorda para proteger tudo o que já foi conquistado. O próximo passo é o Parque Nacional.

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Hoje é Sábado, dia de conferir o grau de desenvolvimento das tilápias do Lago. Vou para o meu pesqueiro. Lá, terei a tilápia que quero, com o caniço que escolherei.  (Publicado em 13/01/1962)

A Polêmica do compartilhamento dinâmico de espectro introduzido pela 5G

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto: Albert Gea/Reuters

 

Como repetia o filósofo de Mondubim, em certas circunstâncias, “há males que vêm para o bem”, isso se forem bem absorvidos o que eles possam produzir em ensinamentos. Vale até lembrar frase infeliz proferida pelo ex-presidente Lula, ao afirmar em entrevista recente: “Ainda bem que o monstro do coronavírus surgiu”. Deixando de lado as sandices habituais do ex-presidente, para quem vale a máxima do “quanto pior, melhor”, o fato de a pandemia do Covid-19 ter deixado suspensas muitas iniciativas de interesse da população tem servido para que, ao menos, tenha uma pausa, forçada e necessária, o caso da polêmica discussão sobre a implantação da nova tecnologia de comunicação 5G, para uma melhor reflexão de todos sobre um tema ainda tão cheio de sombras e presságios.

De fato, a questão do chamado Compartilhamento Dinâmico de Espectro (DSS, em inglês), trazido pela nova tecnologia 5G, precisa, ainda, antes de ser adotado em nosso país, ser estudado com extrema cautela, pois, por detrás dessa novidade de conexão super-rápida, escondem-se armadilhas que necessitam ser previamente esclarecidas e desarmadas.

Com a pandemia provocada pela virose do Covid-19, vinda supostamente direto da China, surgiram, em todo o mundo, muitas interrogações sobre a possibilidade de o governo ditatorial daquele país estar organizando, por meio dessa nova tecnologia desenvolvida pela gigante local Huawei, um conjunto de estratégias e táticas geopolíticas que dariam ao Partido Comunista Chinês, que controla o país com mão de ferro, acesso ilimitado a dados pessoais de praticamente todos os cidadãos do planeta.

Não é pouca coisa e, se isso for verdadeiro, trata-se de uma estratégia global de dominação que seguiria os passos deixados após a invasão dos produtos chineses em todos os mercados do globo. Mais do que uma estratégia de marketing, visando aumentar lucros, o que é normal no mundo do comércio, a estratégia montada pelo PCC estaria associada a uma estratégia muito maior de dominação do resto do mundo, conforme programado pelo estatuto do próprio partido.

Para alguns analistas do tema, trata-se de uma guerra pela soberania cibernética que está em andamento e cujos movimentos são feitos com a tradicional paciência e tenacidade dos chineses. Teoria da conspiração ou não, o fato é que países que levam a sério a questão de segurança de seus dados estratégicos e dos dados das suas populações já resolveram impedir a expansão da tecnologia 5G, montada pela multinacional Huawei em seus territórios.

Estados Unidos, Grã Bretanha, Austrália, Japão e outros países desenvolvidos, simplesmente, têm impedido a implantação do DSS pela Huawei. É preciso lembrar que, dentro da própria China, o governo determina que as empresas que operam dentro do seu território devem armazenar seus dados e torná-los acessíveis às autoridades locais, sob pena de prisão.

No caso do Brasil, onde a tecnologia 5G está sendo lançada neste momento, em algumas poucas localidades de São Paulo e Rio de Janeiro, o risco de avançarmos com essa armadilha, com os olhos vendados, por supostas vantagens econômicas imediatas, é imenso, dado o que já sabemos sobre a fraqueza de nossa classe política ao dinheiro.

Aquartelada em casa, a população precisa se posicionar, pressionando as lideranças políticas para que esse tema não avance sem um aval majoritário e consciente de todos os brasileiros.

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“Há tantas imparcialidades quantos os autores, e jamais foi possível por de acordo dois críticos imparciais sobre um mesmo assunto, quer ele seja a virtude de Lucrécia Bórgia ou o gênio de Napoleão.”

Carlos Malheiro Dias, jornalista, cronista, romancista, contista, político e historiador português.

Carlos Malheiro Dias. Foto: wikipedia.org

 

Quarentena

Para matar a saudade dos tempos dos selos, nossa leitora foi aos Correios levar uma encomenda e uma cartinha para as netas que moram em Connecticut. Voltou para a casa com a encomenda nas mãos. Nenhuma correspondência para os E.U.A. tem sido recebida pelos Correios.

Foto: L.C. Leite/Folhapress

 

Sem titubear

Uma iniciativa honesta e surpreendente. A academia Smart Fit, conhecida na cidade pelos preços atrativos, em posse das fichas dos clientes, durante a pandemia, cancelou automaticamente a matrícula dos frequentadores com mais de 60 anos.

 

Sem pudor

Por outro lado, escolas infantis, que cobram o valor de uma mensalidade do curso de medicina para crianças de 4 anos de idade brincarem, ameaçam os pais, que querem trancar a matrícula em tempos de pandemia. Invocam a Lei nº 12.796/2013, que estabelece a idade escolar para a educação infantil.

Foto: Arquivo Pessoal/Washington Luiz (correiobraziliense.com)

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Outra reivindicação do SIA: água. O uso de bombas e poços artesianos é uma emergência, e deveria ter existindo somente ao tempo da fundação da cidade. (Publicado em 12/01/1962)

Clique aqui – Quebra a perna e vende a muleta

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

Imagem: portal.fgv.br

 

Qualquer aluno de economia, no primeiro ano da faculdade, sabe muito bem que uma economia estatal, ancorada nas diretrizes burocráticas de um Estado de partido único, não guarda similitude alguma com economias liberais, onde a livre concorrência está na base da geração de riqueza desse tipo de mercado. O capitalismo do tipo comunista, é uma teoria que só poderia ter abrigo na mente erma de petistas e outros adeptos da esquerda esquizofrênica.

Nessa empreitada quixotesca entre o PT e o Partido Comunista Chinês, onde aquele país foi reconhecido como economia de mercado, o balanço, depois de dez anos de duração é, como não poderia deixar de ser, nitidamente favorável aos chineses e aos planos estratégicos de longo prazo daquele partido do outro lado do mundo. Como não seria diferente também, as normas de mercado, para que esse acordo “histórico” funcionasse minimamente bem, tiveram que sofrer um processo de reengenharia econômica para serem viabilizadas.

A aplicação das normas do comércio internacional estabelecidas pela Organização Mundial do Comércio (OMC) sofreu alguns “ajustes”, como no caso das medidas antidumping e de salvaguardas comerciais. Na prática, as regras da OMC não são e nunca foram plenamente acatadas pela China, sendo, tanto esse país quanto a Rússia, submetidos a um regime especial ou, em outras palavras, a um “jeitinho” pela OMC.

Já naquela época, não foram poucos os brasileiros, principalmente os empresários, que passaram a alardear e a implorar para que o governo tomasse sérias medidas para proteger o parque industrial nacional, claramente vulnerável às investidas brutais daquele novo parceiro arranjado pelo PT. Tomando apenas o aspecto para a formação de preços dos produtos fabricados por aquele país do Leste, o Brasil já saiu desse acordo no prejuízo. Questões simples como o valor da mão de obra, dos direitos trabalhistas entre outros componentes dessa matemática, como é o caso do respeito à propriedade intelectual, que na China são tratados como desprezíveis, o Brasil jamais poderia se situar em pé de igualdade comercial com o novo parceiro.

Naquele distante ano de 2011, as federações das indústrias de todo o País passaram a alertar, em vão, para o perigo desses acordos a um governo totalmente surdo e inebriado pelas possibilidades “estratégicas”, que vislumbrava com a nova parceria. Os empresários eram uníssonos em afirmar que esses acordos eram, notoriamente, uma decisão de cunho político e bem distante dos liames da economia nacional. Esse fato era também reconhecido publicamente pelo próprio presidente como uma vitória sua e de seu partido no poder.

Toda aquela história, de que o Brasil seria tratado pela China como país amigo e prioritário em destinos de investimentos, foi sendo modificada à medida em que aquele país avançava sobre a economia brasileira. Dentre as vantagens prometidas pela China para atrair o Brasil petista à sua área de atuação, figurava um possível apoio para que nosso país passasse a ocupar, definitivamente, um assento como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, uma obsessão do então presidente Lula, que sonhava também vir a ser o futuro secretário-geral daquela organização.

Tudo sonho de uma noite de verão. Um olhar rápido para o que se sucedeu, dez anos depois após esses acordos, dá uma noção do que ocorreu de fato com mais essa herança nefasta legada por Lula e seus asseclas. As previsões dos produtores nacionais se confirmaram com a rápida desindustrialização do parque nacional, com o fechamento de milhares de fábricas e a demissão de milhões de empregados. Em qualquer área da produção industrial que se mire, o fechamento de empresas e falências são fatos que não se discutem.

A inundação de produtos chineses de baixíssima qualidade e a preços irrisórios destruiu vários segmentos, não só na indústria como no comércio. Com o avanço das importações chinesas, a economia nacional poderá ter sofrido um recuo de décadas, tornando-se dependente de produtos que, no passado, fabricava com muita eficiência e qualidade. Empresas calçadistas, ramo no qual o Brasil era destaque mundial pela qualidade e originalidade, simplesmente desapareceram quase que por completo. O mesmo ocorreu com a indústria têxtil. Nesse sentido, vale o que dizem a respeito dessa parceria: primeiro, dizem os chineses, nós quebramos suas pernas, depois enviamos as muletas a preços módicos.

 

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“O perigo do socialismo nivelador e de todas as teorias simplistas resulta especialmente de que, sendo tais teorias deveras acessíveis à alma das multidões, estas se orientam facilmente as forças cegas e devastadoras do número.”

Gustave Le Bon, polímata francês

Gustave Le Bon (wikipedia.org)

 

Lembranças

Maria do Barro foi a secretária de Ação Social trazida pelo governador Roriz. Uma mulher que marcou a vida de muita gente pela forma com que trabalhava. Quem precisava de tijolos ajudava a fazer as telhas. Se pedisse telhas a ela, era convidado a ajudar na horta comunitária. Todos se sentiam úteis, necessários e capazes. Descobrimos um vídeo simples, feito pelos que conviveram com essa mulher extraordinária. Veja o vídeo a seguir.

 

Desespero

Luta que não para. A Atorvastatina Cálcica desapareceu das farmácias deixando pacientes com doença cardiovascular e níveis elevados de colesterol completamente desamparados. Nenhum laboratório oferece o medicamento. Morbidades são de alto risco e extremamente vulneráveis ao Covid-19. E agora?

Foto: reprodução da internet

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Quando o governo fizer pulso forte, e se decidir a meter na cadeia quem deve estar preso, proibir atos de terrorismo, punir, enfim, severamente, esses perturbadores da madrugada deixarão de existir, ou, pelo menos, acovardar-se-ão dentro de sua insignificância. (Publicado em 08/01/1962)

Clique aqui – Estratégias

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Foto de Pool / Getty Images AsiaPac

 

Na primeira quinzena de novembro de 2004, o governo Lula anunciava, com grande pompa e para a alegria das esquerdas, reconhecimento oficial do status de economia de mercado para a China. Na ocasião, o então presidente, inebriado com o que parecia ser uma grande conquista de seu governo e uma diretriz básica de seu partido para reunificar as esquerdas de todo o mundo, declarou que, com aquele gesto, o Brasil dava uma demonstração de que essa relação estratégica era para valer. Demonstrava a prioridade que seu governo, leia-se seu partido, devotava às relações entre China e Brasil. No mesmo tom, o então chefe máximo do Partido Comunista Chinês, Hu Jintao, que viera para o Brasil especialmente para se certificar, de perto, de que esse reconhecimento seria de fato selado, depois de forte pressão, respondeu, ao discurso de seu colega de ideologia, que essa postura do Brasil iria criar as condições para uma relação estratégica e muito mais rica e que iria também favorecer a cooperação econômica e comercial entre esses dois países.

Note-se que, em ambos discursos, tanto o governo Lula quanto seu colega chinês usam a expressão “estratégica” para definir a avaliação que cada um dos mandatários fazia desse acordo. Pelo lado brasileiro, a expressão “estratégica”, contida no discurso de euforia de Lula, possuía um significado que unia elementos de uma ideologia utópica e orientada a reerguer o Muro de Berlim, derrubado alguns anos antes, juntamente com uma vitória do própria partido, que, com esse gesto, fortalecia sua presença no mundo das esquerdas, abrindo, simultaneamente, espaço para a entrada massiva de um regime dessa orientação nos negócios brasileiros.

Não se sabe ainda com exatidão que benefícios diretos, do tipo utilitarista e argentário, o Partido dos Trabalhadores colheu desse acordo exótico, já que, em todos os “negócios” envolvendo o Estado brasileiro, essa sigla encontrou meios de obter altos lucros indevidos e enviesados. Pelo lado chinês, a expressão “estratégia”, contida no discurso do chefe do PCC, tinha o significado próprio dado por aquele governo a todos os outros acordos e negócios feitos com o resto do planeta, sobretudo com os países do terceiro mundo, onde o lucro máximo com riscos mínimos é sempre a fórmula acordada.

Ambos os mandatários não escondiam sua satisfação de que esse acordo, em especial, iria se expandir rapidamente, conforme foi confirmado pouco tempo depois. Pela diferença no tamanho dessas duas economias e pelo fato de se conhecerem, em outros cantos do planeta, como funciona na prática esse tipo de acordo com os chineses, o ministro do desenvolvimento naquela época, Luiz Furlan, apressou-se em garantir que essa atitude do Brasil, reconhecendo um país onde claramente os mecanismos da economia de livre mercado simplesmente inexistem, não traria prejuízos ao país, pelo contrário, seria um verdadeiro “negócio da China”.

Realmente, o balanço depois de uma década desse reconhecimento da China como uma economia de mercado, com todos os encargos que isso, na teoria, poderia representar, foi um “negócio da China”. Só que para os chineses, que fisgaram, com um único lançamento de anzol n’água, dois peixes graúdos. Um representado pelo Partido dos Trabalhadores, notoriamente uma sigla gananciosa e, ao mesmo tempo, infantilizada, crente de que os comunistas, conforme reza a cartilha dessa religião pagã, são, acima de tudo, solidários com seus companheiros em todo o mundo.

Nas comemorações que se seguiram após esse acordo, dá para imaginar o sorriso secreto de cada um dos lados. No íntimo, as autoridades chinesas devem ter festejado com a certeza de que haviam vendido, a alto preço, um pirulito chupado a uma criança faminta. Esse reconhecimento foi uma decisão pessoal e política do próprio presidente Lula, conforme afirmou o ministro Furlan naquela ocasião, ressaltando, ainda, que o Brasil era o primeiro grande país a dar tal privilégio à China. Os chineses não perderam tempo e miraram seus investimentos em áreas estratégicas, como ferrovias, portos, geração e transmissão de energia. Nesse caso, não investiram à moda dos capitalistas Ocidentais, aportando capital e tecnologia, mas simplesmente comprando esses setores e transferindo imediatamente esses lucros para a matriz, no caso o Partido Comunista Chinês, que é, de fato, o único patrão naquele país.

 

 

 

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“A condição própria dos homens soberbos e vis é mostrarem-se insolentes na prosperidade e abjetos e humildes na adversidade .”

Maquiavel, filósofo, historiador, poeta, diplomata e músico de origem florentina do Renascimento. (1469-1527)

Maquiavel (wikipedia.org)

 

Choro

Funcionários da empresa Apecê, terceirizada que atendia à creche de filhos de funcionários do Tribunal Superior do Trabalho, foram realocados ou estão de férias coletivas. O TST encerrou o contrato por não haver mais crianças no berçário. A suspensão dos trabalhos se deu durante a pandemia.

Foto: reprodução da internet

 

Etanol & gasolina

Usineiros estão mais sossegados. Com a queda de até 52% do preço da gasolina, que é vendida nas refinarias, o etanol está com o preço mais competitivo.

Charge: institutoparacleto.org

 

DataSenado

Publicado o relatório do Instituto de Pesquisa DataSenado, ligado à Secretaria de Transparência sobre o Coronavírus. Veja a íntegra no link Brasileiros acreditam que número de contaminados é maior que o noticiado.

 

Mobilidade

Alguns lojistas da W3 conseguiram transformar as calçadas em passagem uniforme e transitável. Mas continua um risco enorme para idosos andarem por ali. Desníveis constantes, buracos sem tampa, degraus.

Foto: mobilize.org.br

 

Por dentro

Veja, no link MP 966 quer livrar da cadeia os operadores do golpe de trilhões?, a explicação do Monitor Mercantil sobre a MP 966. É coisa séria.

 

Aqui não!

Bancos são implacáveis. Juros de cheque especial, juros sobre juros em cartões de crédito, juros sobre empréstimo, tudo corre, lado a lado, em tempos de pandemia. Nada de perdão. Se houver sacrifícios, que sejam dos clientes. Ao final do ano, todos se orgulham em anunciar, aos quatro ventos, os bilhões de lucros.

Charge: bancariosirece.com.br

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Foi determinada a revisão no plantio de árvores na W3. Não ficarão mais árvores junto aos postes. Foi corrigido o erro e será obedecida a modulação dos pontos de luz. (Publicado em 07/01/1962)

Clique aqui – “A conexão entre a China e a OMS”

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Atual chefe da OMS, Tedros Adhanom, e o Presidente da China, Xi Jinping, em Pequim.
Imagem: POOL

 

Foi necessária a instauração de uma crise de saúde profunda e sem paralelo na história da humanidade para que as feridas pútridas, camufladas por décadas nos organismos internacionais, e mesmo em muitos governos, começassem a serem expostas, de forma crua, à luz do sol e ao conhecimento de bilhões de pessoas mundo afora.

Há males que vêm para o bem, já diria o filósofo de Mondubim. No caso específico dessa pandemia, é preciso, no entanto, que a doença dê lugar à cura e o tempo ceda também espaço à sedimentação da verdade. Para correções de rumo, talvez até radicais, faz-se necessário que sejam feitos em alguns organismos internacionais, mormente a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Todo um novo e fundamental capítulo dessa crise deverá ser, num futuro breve, dedicado a essa organização, de forma a clarear tanto os rumos políticos e ideológicos que passaram a ditar as ações dessa entidade nos últimos anos, quanto sua eficácia e seriedade frente a um tempo de grandes mudanças que se anuncia. Por enquanto, o que se tem à mão são fatos incontestes que irão, pouco a pouco, se juntando para formar um quadro real do que é hoje a OMS e outros organismos supranacionais do gênero, para que se esclareça a responsabilidade e a efetividade de cada um desses entes na atualidade.

De um lado, temos países como os Estados Unidos, Austrália e outros exercendo forte pressão internacional para a realização de uma ampla investigação tanto sobre a origem do vírus, quanto em relação a uma possível conexão política entre a direção da OMS e o Partido Comunista Chinês (PCC), que comanda aquele país com mão de ferro. A essas investidas para esclarecer os fatos, desde a sua origem, o governo chinês tem reiterado que repudia o que chama de politização da crise de saúde. Já se sabe que a China demorou para alertar o mundo sobre a periculosidade da Covid-19, mascarando, propositalmente, dados científicos sobre a doença. Também reprimiu, duramente, médicos e pesquisadores locais que tentaram alertar para a gravidade desse vírus, segundo relatos postados nas redes sociais. Na sequência, também isso é fato, expulsou jornalistas internacionais baseados na China, quando esses começaram a investigar o caso. Da mesma forma, aquele governo impediu que cientistas internacionais fossem pesquisar, in loco, o que tinha ocorrido.

Com relação à OMS, fala-se, inclusive, em uma possível conexão entre essa entidade e o governo comunista chinês. O fato de a OMS ter, desde o princípio, chancelado a avaliação da China de que o vírus era inofensivo aos humanos, retardando, com isso, a declaração do estado de pandemia, serviu para agravar o problema. Estudo da Universidade de Southampton, no Reino Unido, avaliou que se o governo chinês houvesse adotado medidas corretas, uma semana antes do aparecimento do covid-19, teria infectado menos de 66% da população mundial até fevereiro deste ano. Caso as medidas fossem adotadas, três semanas antes, o alastramento da doença teria sido reduzido em cerca de 95%.

Internamente, naquele país, já há inclusive uma avaliação, por parte da população, de que o Estado é composto hoje por burocratas desonestos e sem preparo. Há, por enquanto, apenas suspeitas de que o vírus possa ter sido produzido em laboratório para propósitos ainda obscuros. Nada é conclusivo até o momento. Irrefutável até o momento é o estrago econômico com alcance mundial feito até agora, o que promove em alguns países a busca de fundamentação para punir o país asiático por crime contra a humanidade. Foi o que disse o secretário federal do partido político Liga e ex-ministro do Interior italiano, Matteo Salvini. Ele o chamou de “vírus do PCC” (Partido Comunista Chinês) e disse que a China “cometeu um crime contra a humanidade”, durante um discurso no Senado italiano em 26 de março.

Mais recentemente, na quinta-feira dessa semana, especialistas em direito internacional evocam o princípio da ‘responsabilidade de proteger’ do país asiático. De acordo com especialistas em Direito Internacional, como a professora emérita da Universidade Paris Nanterre e membro da Sociedade Francesa pelo Direito Internacional, Sandra Szurek, há base legal para responsabilizar o Estado Chinês por todo o prejuízo humano e material causado a partir de 2019. A Organização Mundial da Saúde também está na mira dos acadêmicos e advogados. Há questionamentos judiciais perfeitamente cabíveis a esse respeito. Pela negligência, imprudência e imperícia nas ações e omissões que retardaram a prática de uma rotina em escala global a tempo de evitar os estragos causados na economia mundial.

Membros da OMS não foram à China ver in loco o que estava ocorrendo. Isso foi um erro crucial, concordam os analistas. Em Washington, já se sabe que o atual chefe da OMS, o etíope Tedros Adhanom, que não é médico e nem cientista, é filiado a um partido marxista radical em seu país que recebe ajuda financeira diretamente da China, o que teria claros reflexos no papel dessa organização frente à crise e que supostamente explica o apoio velado desse organismo àquele governo.

De concreto, já se sabe que os EUA cortaram a ajuda financeira à OMS com o pretexto de má gerência e dissimulação sobre a disseminação do coronavírus. Para o governo americano, essa sequência de erros causou e ainda causará muitas mortes desnecessariamente.  É o que o tempo diz.

 

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“Não existe absurdo que não encontre o seu porta-voz”

Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling, filósofo alemão

Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling. Imagem: wikipedia.org

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

A área proibida para estacionamento no aeroporto cresceu muito. Isto quer dizer que há, agora, mais lugar para o estacionamento dos chapas brancas, porque os guardas não têm autoridades para aplicar a lei em todos os casos. (Publicado em 06/01/1962)

A verdade construída e destruída

Publicado em Deixe um comentárioÍNTEGRA

VISTO, LIDO E OUVIDO, criada por Ari Cunha (In memoriam)

Desde 1960, com Circe Cunha e Mamfil

jornalistacircecunha@gmail.com

Facebook.com/vistolidoeouvido

Instagram.com/vistolidoeouvido

 

Globo assina com gigante chinesa para coprodução e tecnologia 5g. Foto: reprodução twitter.com/CGTNOfficial

 

Com o advento e disseminação das mídias sociais em todo o mundo, ao menos duas verdades microscópicas, perdidas em meio a um oceano de fake news, podem ser encontradas: a primeira é que não se pode mais prescindir desses canais para a feitura de qualquer veículo de imprensa e comunicação. A segunda é que, mesmo entre as espumas e o mar agitado dessas redes mundiais, misturadas entre as ondas de fatos e ficções, há ainda verdades represadas oficialmente pelas autoridades e, naturalmente, ainda não divulgadas ao grande público. A esses fatos futuros, ainda em sua forma embrionária, são afixados rótulos dos mais diversos, com a intenção óbvia de desacreditá-los.

Muitas dessas notícias passam a ser classificadas como teorias da conspiração, ou simplesmente como fatos não verificáveis. Claro que a imprensa não pode se valer de informações não checadas para construir seus conteúdos, sob pena de vir a ser desacreditada junto ao público. Por isso mesmo tem sido cada vez mais árduo o trabalho da imprensa em informar com precisão, num mundo que parece ter encontrado na ficção, uma fórmula para aceitar a realidade diária.

Não se pode construir uma simples verdade nem com mil tijolos de mentiras, o fato é que é preciso estar atento às infinitas versões que brotam de todo lado e que parecem formar um gigantesco quebra-cabeça muito crível. Em outras palavras, o que se tem é que é possível, juntando as diversas informações, dispersas nesse oceano da Internet, sobre um tema que intriga milhões de pessoas nesse instante, compor um quadro com muita exatidão do que ocorre muito longe dos olhos do grande público.

Dentre esses fatos que, rotulados, propositadamente, por seus detratores de teorias da conspiração, e que foram sendo pacientemente montados, peça por peça, para formar um panorama, ao mesmo tempo crível e perturbador, tem-se o que parece ser a história mais significativa desse início de século.

Desde que o presidente Trump, dos Estados Unidos, resolveu acabar com o superávit comercial inexplicável da China em suas relações comerciais, deu-se início a uma guerra inédita de tarifas alfandegárias que os especialistas no assunto temiam justamente porque não sabiam no que resultaria. É sabido que a China não investe nos moldes tradicionais dos países capitalistas. Ela simplesmente compra, seja aeroportos, portos indústrias e toda a infraestrutura que lhe interessa.

Isso tem por base uma estratégia muito bem arquitetada pelo Partido Comunista Chinês, que é própria e diferenciada do resto do mundo e que foge dos manuais do capitalismo ocidental. São “investimentos” que visam reforçar sua presença estratégica e física no mundo. Já não é segredo para ninguém que por detrás das montanhas de recursos que despejam em outros países, muitos dos quais necessitados desses “financiamentos” aparentemente generosos, estão embutidos projetos que vão muito além de seus aspectos puramente econômicos.

O PCC, em nome daquele país, tem projetos para o mundo todo e isso inclui também o Brasil, onde a presença chinesa tem, desde que a esquerda chegou ao poder no início desse século, se espalhado como uma espécie de vírus. A questão aqui é saber onde começa a teoria da conspiração e onde terminam os fatos.

 

 

 

A frase que foi pronunciada:

“As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras.”

Friedrich Nietzsche, filósofo prussiano

Foto: Wikipedia

 

Amar ou deixar

Agora que todos sabem que a equipe do presidente vai continuar coesa, vale conferir logo abaixo a fala do ministro Mandetta. Explica tudo sem manobras vernaculares e pede para todos trabalharmos juntos.

 

Doação

Veja a seguir um flyer entregue pela nossa colega Rosane Garcia. A Ação Social Caminheiros de Antônio de Pádua precisa de ajuda para os desempregados informais. Quem quiser colaborar, o contato é 992898079.

 

Arte

Professor Nagib Nassar gosta de reunir os amigos para o projeto cineliteratura. Agora, em quarentena, todos assistem os filmes em casa e o professor compartilha a crítica. Livros que se transformam em cinema também são avaliados.

Professor Nagib Nassar. Foto: radios.ebc.com.br

 

Profissional

Exímia em caligrafia, a professora Fátima Montenegro descreveu a situação dramática que está passando ao presidente Bolsonaro. Em tempos normais, é uma das profissionais mais procuradas, principalmente por concurseiros.

 

Cobrar de todos

Nada de máscaras usadas pelos funcionários de padarias, supermercados, farmácias. Os próprios clientes podem cobrar a segurança do ambiente. Falta urbanidade. Interessante que os quiosques independentes de supermercados que vendem alimentação à parte não estão funcionando.

Foto: sejus.df.gov

 

HISTÓRIA DE BRASÍLIA

Na W-3 há outro desrespeito. São casas residenciais ocupadas por comércio, inclusive cartórios. O prazo dado pela Prefeitura foi até 31 de dezembro, mas ninguém obedeceu, e novas placas estão surgindo. (Publicado em 04/01/1962)