Disque-denúncia de maus tratos aos animais no DF

imagem mostra cavalo puxando uma carroça super carregada, para ilustrar matéria que anuncia a criação de um serviço Disque-denúncia no DF
Publicado em Deixe um comentáriomaus tratos

Disque-denúncia: O Distrito Federal contará, a partir de 2017, com um serviço de proteção contra maus tratos aos animais. O canal de atendimento será gratuito e, a exemplo de outros números responsáveis pelo recebimento de queixas, garantirá o anonimato absoluto do delator.

 

Garantiu-se a instauração do serviço de assistência com a derrubada do veto do governador Rodrigo Rollemberg (PSB), em 5 de dezembro. O projeto, entretanto, ainda não foi promulgado. Após a publicação no Diário Oficial do DF, o Palácio do Buriti terá 90 dias para a regulamentar a lei e oferecer à população o número de acolhimento de reclamações referentes à violência ou crueldade praticada contra os animais.
A proposta visa “centralizar, formalizar e registrar as denúncias em um mesmo setor, o que facilitará a apuração e punição eficaz dos responsáveis pelas autoridades competentes”, descreve a justificativa. Em nota, Bispo Renato Andrade (PR), idealizador do projeto, explicou que “o número exclusivo, gerido pelo Estado, poderá ajudar na diminuição dos casos”.
      (do Correio Braziliense)

Ceia de Natal:Resista ao olhar pidão

imagem mostra cão da raça shitzu para ilustrar matéria sobre cuidados com os pets na Ceia de Natal
Publicado em Deixe um comentárioAlimentação Pet

Ceia de Natal: Se quiser incluir seu bichinho na festa, invista em alimentos apropriados para pets. Assim, a Noite Feliz não terminará no veterinário

 

Os festejos de fim de ano culminam na grande ceia natalina. Todos sentados ao redor da mesa decorada e o pet só de olho, esperando a oportunidade perfeita de conseguir um pedacinho de peru ou de chester. É nessa hora que o coração amolece e o dono acaba cedendo. Não deveria: saiba que, nesta época do ano, a procura por atendimento veterinário aumenta cerca de 30%, sendo que uma das principais causas é a ingestão de alimentos “impróprios”.

A publicitária Ana Carolina Dias, 21 anos, sabe muito bem como é difícil negar pedidos da mascote, Nina. “Ela é uma gata, mas tem alma de cachorro. Nessas comemorações, fica sempre deitada em volta da mesa, encarando todo mundo como quem diz: ‘Você não vai me dar um pedacinho?’”, brinca a tutora. Muitas vezes, a gatinha reclama, mia e chora. Quando é assim, Ana prefere servir um pouco mais de ração para evitar qualquer deslize com comidas gordurosas. “É de cortar o coração vê-la pedindo um petisco, mas sei que é melhor não dar.” Alguns Natais atrás, o avô de Ana Carolina não resistiu aos encantos da gata e a serviu com um pedaço de tender. Na hora, foi só alegria. Mas, um tempo depois, Nina começou a passar mal e teve diarreia. “Desde então, eu proibi. Ninguém pode dar mais nada a ela.”

O médico veterinário Marcello Machado explica que os alimentos “festivos”, como peru e proteínas em geral, são muito gordurosos, temperados e repletos de sódio. Quando as pessoas os oferecem aos pets, eles ficam com a flora intestinal desregulada, o que pode ocasionar vômitos ou disenteria. “Os bichos têm uma alimentação muito regrada e se, de repente, isso muda, não é bom para eles.” O especialista confirma que as ocorrências do gênero se multiplicam no fim do ano.

Mas, afinal, quais são as comidas que os pets não podem comer de modo algum? Os panetones, tão característicos da época, devem ser evitados a todo custo. “As frutas cristalizadas e a massa da sobremesa têm muito açúcar, o que causa fermentação intestinal”, explica Marcello Machado. Chocotone está vetado, pois chocolate é altamente tóxico para os animais. A rabanada, além de doce, é frita e deve ficar longe das tigelas de cães e gatos. “É feita de pão, gordura, açúcar… Tem tudo que eles não podem comer”, ensina o veterinário.

Teoricamente, peru e tender podem ser servidos, mas em pequenas quantidades e sem condimentos gordurosos (molhos e temperos). É importante também atenção com os ossos, pois são quebradiços e podem perfurar o estômago ou o intestino do animal. Peixes são nutritivos, mas o bacalhau não serve para os animais, pois é muito salgado. Já a farofa tem amido em excesso, o que também oferece perigo. Castanhas e nozes são pequenas e parecem inofensivas, mas, na verdade, contêm excesso de óleo, o que pode desencadear a diarreia. E, atenção, macadâmia é altamente tóxica.

Da mesma forma, estão proibidos alho, uva passa, uva, cebola e cereja. “Quando falamos de alimentos tóxicos, o mais grave é a questão da diarreia severa. Ela leva à desidratação e o animal precisa ser internado para tomar soro. O verão e o calor contribuem para isso”, comenta Marcello Machado. Doces em geral também não são indicados aos bichinhos. Eles têm açúcar e podem causar fermentação intestinal, o que leva à dilatação do abdômen e a dor severa. Além disso, a sacarose afeta a dentição.

Ana Peixoto, 30 anos, é publicitária e dona do shih-tzu Chico. Adepto da alimentação natural, o cãozinho segue uma dieta rígida sugerida por sua nutróloga. Alguns petiscos, como frutas e ovo de codorna, são permitidos. Chico tem algumas restrições alimentares, como quiabo, cenoura e trigo, mas o apetite é inabalável. “Ele adora comer de tudo. O que der, ele aceita.” Assim, em épocas festivas, como Natal e ano-novo, Ana fica sempre de olho para Chico não extrapolar.

“As pessoas não entendem que, mesmo pedindo, há coisas que ele não pode comer.” Seu prato natalino favorito? Peru! Chico provou uma vez e, depois disso, pede sempre. Ana dá, mas nunca em excesso. Para ela, uma ótima opção nesses momentos são os alimentos especiais que o mercado pet oferece. “É interessante optar pelos produtos voltados para eles”, diz.

O médico veterinário Marcello Machado concorda: “São alimentos com aparência e aroma especiais, mas que são balanceados e oferecem benefícios.” Para evitar que os bichinhos ataquem a mesa da ceia, o ideal é nunca deixar a comida desprotegida, pois, a qualquer descuido, eles podem atacar.

 

 

Eis uma receita que tanto tutores quanto bichos podem comer (moderadamente):

Ingredientes
100 g de frutas secas (exceto uva-passa) sem açúcar
100 g de nozes, amêndoas ou castanha-do-pará
100 g de coco seco ralado sem açúcar
2 colheres (sopa) de melado de cana
2 ovos
125 g de farinha de trigo integral
2 colheres (sopa) de farinha de rosca
Um pouco de água morna

Modo de preparo
Coloque as frutas secas de molho por 30 minutos em água. Pode ser figo, banana, maçã, damasco, mamão etc. A uva-passa está proibida. Em seguida, escorra a água e corte em pedaços. Misture-as com os outros ingredientes, coloque um pouco de água morna e mexa até dar liga na massa. Deixe a massa descansar por 30 minutos. Pré-aqueça o forno a 180°C.

Coloque a massa em forminhas de minipanetones e asse por 40 minutos ou até o palito sair seco do bolinho.

 

(da Revista do Correio)

Comunicação animal

Programa bom pra cachorro:imagem mostra dona de um cãozinho que gosta de assistir televisão.
Publicado em Deixe um comentáriobichos, Sem categoria

Bom pra cachorro: Estudiosos estão certos de que os pets podem compreender bem mais do que simples comandos humanos. Eles entendem os significados da fala do dono e até programas de tevê, feitos para eles

 

Chegar em casa e ver sapatos, sofás e paredes destruídas é uma cena muito comum para muitos tutores. Grande parte desses incidentes é resultado da ansiedade causada pela separação e a solidão durante o dia. Pensando em como acabar com episódios como esse, a Ease TV foi concebida para ser um entretenimento para os pets. A primeira televisão do Brasil feita para animais tem uma programação especial, desenvolvida para entreter os bichinhos o dia inteiro. O conteúdo é pensado para acalmá-los durante a ausência do dono. Na tela, aparecem as referências do mundo animal, como sons de uma savana africana e imagens de cachoeiras ou de humanos brincando com pets, por exemplo. A tese seria a de que os sons de filmes e atrações para humanos são barulhentas demais — com muitos gritos, tiros, por exemplo —, o que deixaria os animais ainda mais agitados.

Programa bom pra cachorro:imagem mostra dona de um cãozinho que gosta de assistir televisão.
Foto: André Violatti/@cbfotografia. Manuela Lima contratou o serviço da Ease TV, tv por assinatura para cachorros, em sua residência no Lago Sul.

Manuela Lima, 33 anos, descobriu o serviço pelo Instagram da Estopinha, figura famosa nas redes que tem como tutor Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal. “Queria que meus cachorros (Paolo Guerrero, Tuca, Jaspion e Graveto) tivessem entretenimento e ficassem menos ansiosos. Dizem que a programação, baseada em estudos, é agradável e interessante para eles. Achei a proposta interessante”, afirma a economista, que é assinante há três meses.

A grade de programação apresenta opções variadas: pet relax, para o animal relaxar e descansar; pet food, que estimula uma alimentação saudável; pet activity, que incentiva exercícios; pet nature, para instigar instintos e as lembranças da ancestralidade selvagem; pet with pet, com vídeos que encorajam um relacionamento amigável com outros animais; e o my pet, em que os tutores enviam vídeos de seus filhotes para serem transmitidos pelo canal.

O serviço existe há mais de um ano e tem mais de 5 mil assinantes. “A Ease TV, inspirada da Dog TV, um canal americano com mais de 1 milhão de assinantes e tem presença mundial”, afirma Tiago Albino, diretor executivo da Marq System, empresa de tecnologia responsável pela inovação.

Para quem acha que os cães e gatos não entendem nadinha das atrações, engana-se. “Os animais são capazes de interagir, sim, com a tevê. Utilizar o audiovisual para diminuir a ansiedade que o bicho sente por estar sozinho em casa é uma proposta muito válida. A grande questão é que não pode ser qualquer imagem”, explica  Edilberto Martinez, veterinário comportamental.

“Os cães, por exemplo, enxergam 70 a 80 quadros por segundo, mas a televisão comum passa só 60 no mesmo período de tempo. Assim, eles assistem a nossos programas como se fossem uma apresentação de slides. A programação para bichos aumenta esse número, às vezes, ultrapassando 100 quadros por segundo”, acrescenta.

 

Eles compreendem

Produtos com conteúdo pensado para animais estão ganhando força. Pesquisadores da Eötvös Loránd University, na Hungria, desvendaram um pouco mais sobre como cães entendem o mundo e afirmam: eles não são muito diferentes do ser humano.

Esse é o primeiro estudo a investigar a forma como a fala é processada no cérebro dos caninos e mostra que os melhores amigos do homem se preocupam muito com o que e como dizemos.

“Durante o processamento da fala, há uma distribuição bem conhecida de trabalho no cérebro humano. O hemisfério esquerdo processa o significado das palavras, e o direito, a entonação. O homem analisa não apenas separadamente o que dizemos e como dizemos, mas também integra os dois tipos de informação para se chegar a um sentido unificado. Nossos resultados sugerem que os cães também podem fazer tudo isso e que eles usam mecanismos cerebrais muito semelhantes”, afirma o pesquisador Attila Andics, do Departamento de entologia da Universidade Loránd Eötvös, Budapeste.  Isso mostra que, se um ambiente é rico em discurso, como é o caso dos locais em que vivem os cães de família, palavras podem ganhar sentido na cabeça dos bicho.

Os pesquisadores treinaram 13 cachorros para que eles ficassem completamente imóveis em um aparelho de ressonância magnética, um método não invasivo. Os especialistas mediram a atividade cerebral dos cães enquanto escutavam palavras do treinador. “Eles ouviam as palavras de aprovação, com entonação vibrante; palavras de aprovação em entonação neutra, e também palavras de conjunção neutra, sem sentido para eles. Nós olhamos para as regiões do cérebro que diferenciavam o significado das palavras com e sem sentido”, explica Anna Gábor, umas autoras do estudo.

Foi observado que o elogio ativa o centro de recompensa dos cães — região do cérebro que responde a todos os tipos de estímulos de prazer, como comida, sexo, carícias, música. É importante ressaltar que isso acontece apenas quando cães ouvem as palavras de agradecimento com entonação vibrante. “Isso mostra que um elogio pode muito bem funcionar como uma recompensa, mas funciona melhor se as palavras vêm com uma entonação que demonstre isso. Os cães não só distinguem o que dizemos e como dizemos, mas também podem combinar o dois, para uma interpretação correta do que essas palavras realmente significam”, explica Andics.

 

 

Os resultados do estudo também podem ajudar a tornar a comunicação e a cooperação entre cães e tutores ainda mais eficientes. “Nossa pesquisa lança nova luz sobre o surgimento de palavras durante a evolução da linguagem. O que torna palavras exclusivamente humanas não é uma capacidade neural especial, mas nossa invenção de usá-las”, Andics explica.

 

(da Revista do Correio)

 

Protetores evitam leilão de cavalos da PM

Maus tratos: imagem mostra Cavalos da Polícia Militar do Distrito Federal que iam ser leiloados.
Publicado em 5 Comentáriosmaus tratos

Maus tratos: Em idade avançada, os equinos que serviram à corporação por até 17 anos seriam vendidos por valores entre R$ 200 e R$ 500. Agora, a ideia é que sejam adotados. Governo estuda o destino deles

 

(por ISA STACCIARINI, da editoria de Cidades do Correio Braziliense)

Em meio a 105.234 itens, como armários, mesas, divisórias, computadores, carros, ventiladores e outros bens, 23 cavalos mestiços e crioulos da Polícia Militar foram incluídos no patrimônio considerado sem serventia para o governo do Distrito Federal. Por pouco, não foram leiloados na última segunda-feira. Depois de servir à corporação por até 17 anos, os animais seriam vendidos por lances iniciais que variavam de R$ 200 a R$ 500. Três dias antes da venda, atendendo a um apelo dos protetores dos animais, a Secretaria do Meio Ambiente enviou um ofício à Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), que retirou os equinos do processo de venda. O medo era de que os animais fossem destinados a carroceiros e corressem o risco de maus tratos.

Os cavalos são do Regimento de Polícia Montada (RPMon) e têm entre 16 e 29 anos. Normalmente, um equino chega a 26 anos, mas o animal mais velho da Polícia Militar morreu com 32. Entre 2013 e 2014, a corporação declarou a indisponibilidade de parte deles por motivos de idade e problemas no aparelho locomotor. O comandante do batalhão, tenente coronel Fábio Augusto Vieira, está no quartel desde 1996. Ele contou que eram 30 animais declarados indisponíveis, mas sete morreram há cerca de quatro meses.

Segundo o oficial, durante os 20 anos em que trabalha no RPMon, essa é a primeira vez que os equinos seriam levados a leilão. “Geralmente acontece uma doação às instituições públicas. São cavalos usados para manifestação, policiamento ordinário de ruas e de grande ostensividade. Quando abrimos uma licitação para a aquisição pegamos em média de idade de 4 a 6 anos”, explicou. Ao todo, existem 264 cavalos no RPMon para um total de 270 militares.

A chefe da unidade estratégica de direitos animais da Secretaria do Meio Ambiente, Mara Moscoso, explicou que a chamada do leilão oferecia bens “inservíveis”. Ela contou que a oferta dos cavalos surpreendeu a pasta, porque, depois de aposentados, geralmente os animais são doados. “Consideramos animais seres sencientes, porque eles têm muito sentimento como os seres humanos. Sentem dor, frio, alguns sentem saudade e não devem ser tratados como coisa ou algo que se usou durante anos e agora pode descartar”, observou.

A sugestão da Secretaria é que os cavalos sejam adotados. Ela explicou que, em razão da idade, alguns estão lesionados e outros não podem ser montados. “Gostaríamos que eles fossem tratados com muito respeito e fossem encaminhados à adoção responsável por pessoas que não vão explorá-los. Esses cavalos têm temperamento forte e jamais serviriam para puxar charrete em uma chácara ou um hotel fazenda, por exemplo, alertou.

Para a diretora-geral da Proanima — associação protetora dos animais do DF —, Valeria Sokael, a atitude de anunciar os equinos a leilão representou tratar os animais como objetos que a Polícia Militar não usava mais. Na visão dela, os cavalos precisam ser encaminhados para um local adequado. “O leilão vende mercadorias e o comprador dá o destino que quiser. Para nós é importante que esses cavalos não fiquem nas mãos de qualquer pessoa. São animais já velhos e de um temperamento específico e que receberam treinamento”, destacou.

Valeria ressaltou que é necessário encaminhá-los a um local adequado para pessoas que possam cuidar dos animais e tratá-los adequadamente. “É importante que eles saiam para o devido encaminhamento. São animais muito velhos que não podem ser montados, por exemplo. A nossa preocupação é que eles fossem comparados por carroceiros e parassem nas ruas”, alertou.

Segundo ela, esse tipo de animal não tem perfil de ser usado para puxar carroça. “Não ia dar certo, porque eles não fazem esse serviço de jeito nenhum. Os carroceiros iam tentar fazê-los puxarem carroça e iriam bater nos animais. Eles acabariam sendo maltratados e até mortos”, alertou.

Por meio de nota, a Seplag explicou que recebeu da PM o pedido para “desincorporar 23 equinos que não estavam mais em condições de prestar serviços à corporação”. Após receber o aviso, eles foram incluídos na lista do leilão. “Contudo, os animais foram retirados prontamente — antes da realização do evento — após questionamento da Secretaria do Meio Ambiente do DF e recomendação da Assessoria Jurídico-Legislativa da Seplag para a exclusão dos lotes de equinos do leilão”, informou.

Por enquanto, os animais continuam no batalhão da PM e, segundo a Seplag, a pasta “aguarda manifestação da Procuradoria-Geral do DF sobre o destino deles, que deverá se aplicar para outros os demais animais como os cavalos da PM.” A Procuradoria Geral do DF informou que o caso está em análise para a elaboração do parecer.

 

Como adotar

Os interessados em adotar os cavalos devem encaminhar um e-mail para pangare@proanima.org.br. Receberão de volta um questionário com diversas questões, como o tipo de propriedade onde o cavalo ficará, a localização e o declive do terreno, além da disponibilidade de água, comida e tratamento veterinário. A partir daí, é feita uma seleção e uma equipe da Proanima visita a propriedade. Ao atestar as condições do lugar, os animais são entregues por meio de transporte específico. A ProAnima fiscaliza as condições, inclusive depois da adoção.

Pelos, peludos e pelados

Peludos: foto mostra Renata Bernabé tosa pelos do seu cachorro Mel para diminuir o calor.
Publicado em Deixe um comentáriosaúde pet

Peludos: Certas raças de cães sofrem com o calor por causa do excesso de pelos. Aprenda a protegê-los das consequências do excesso de exposição solar.

 

 

Com a chegada do verão, os cuidados com os animais de estimação devem aumentar. A atenção ao sol e à hidratação do pet são essenciais, mas a pele e os pelos também exigem certa dedicação. Assim como as pessoas, eles precisam se adaptar ao calor. Pequenas alterações na rotina garantem a saúde dos mesmos. Nessa época do ano, os animais predispostos a reações dérmicas podem desenvolvê-las com mais facilidade, pois o calor intenso diminui a imunidade.Com a chegada do verão, os cuidados com os animais de estimação devem aumentar. A atenção ao sol e à hidratação do pet são essenciais, mas a pele e os pelos também exigem certa dedicação. Assim como as pessoas, eles precisam se adaptar ao calor. Pequenas alterações na rotina garantem a saúde dos mesmos. Nessa época do ano, os animais predispostos a reações dérmicas podem desenvolvê-las com mais facilidade, pois o calor intenso diminui a imunidade dos peludos.

Formado em medicina veterinária, Luis Carlos Pires, 28, é dono da golden retriever, Clara, que, além de sofrer de hipotireoidismo e hiperadrenocorticismo — problemas hormonais que têm manifestação também na pele —, foi diagnosticada com dermatite atópica.

foto de uma moça com seu cão que ilustra matéris sobre peludos.ludo
Foto: Minervino Junior/CB/@cbfotografia. Renata Bernabé tosa pelos do seu cachorro Mel para diminuir o calor.

Mais frequente em cães peludos, os sintomas da alergia se iniciam, normalmente, durante os três primeiros anos de vida do animal, sendo as lesões na pele as principais manifestações. Clara, por exemplo, é tratada da dermatite com alimentação natural e acupuntura e, apesar de a resposta aos medicamentos ser boa, durante o verão a coceira é intensificada. “A vermelhidão na pele também piora nos dias mais quentes, por isso, procuro fazer a tosa coincidir com as épocas de altas temperaturas”, comenta o tutor.

Entre os cuidados no verão, Luis Carlos opta por usar sabonete especial de germe de trigo, que não causa irritação à pele. Após o banho, um hidratante de uso veterinário ou sabonete a base de neem (planta asiática que possui atividade curativa) também auxiliam nos cuidados. “Costumo dar pedaços de maçã, banana e pepino nos dias mais quentes, pois eles aliviam o calor e ainda ajudam na limpeza dos dentes.” Apesar de a prática não ser padrão para a raça de Clara, os pelos são sempre tosados para facilitar os cuidados e a visualização da pele.

A dermatóloga veterinária, Bruna Rezende, reforça que o calor pode desencadear novas alergias ou piorar as já existentes. “Se o bichinho estiver se coçando muito, é bom ficar atento e levá-lo ao veterinário.” Por ser uma época de fácil transmissão de doenças como fungos e sarnas, o ideal é que cada pet tenha seu próprio kit para banho, com toalha e escova de pelo.

Cães albinos ou de pele branca merecem ainda mais atenção durante a estação. Devido ao calor intenso e a pele mais sensível, doenças como queimaduras são um grande perigo. Dessa forma, os tutores devem sempre manter os pets longe da exposição ao sol, mesmo que, devido à falta de calor no corpo, eles insistam em ficar.

A border collie, Mel, sofre no verão. A grande quantidade de pelos levou a tutora e estudante Renata Bernabé, 23, a optar pela tosa. “Eu gosto de tosá-la porque ela fica muito ofegante quando faz exercícios. Como a pelagem é muito longa, dá para perceber que ela se sente mais confortável.”  O pelo mais curto facilita a troca de calor, que acontece por meio do contato do corpo com o chão e principalmente pela respiração do animal. Tosar é, sim, uma ótima opção para os cães que ficam do lado de fora de casa. Porém, animais que possuem pelagem dupla — pelo  e subpelo —, não devem ser tosados muito curto, pois há o risco de os pelos não crescerem normalmente outra vez.

Recentemente Mel apresentou algumas lesões no focinho, e Renata, desconfiando do calor em excesso ser a causa, levou a cadela ao veterinário. Após a consulta, a recomendação foi para que Mel não ficasse exposta ao sol entre 10h e 16h. “Sempre evitamos brincar com ela por volta das 12h, porque os cães têm mais dificuldade de controlar a temperatura corporal, o que pode levar à hipertermia (elevação da temperatura do corpo).” Mesmo com toda a preocupação, Renata não evita cuidados extras — quando a brincadeira é no sol, a tutora costuma molhar um pouco o corpo de Mel para ajudar na termorregulação (regulagem da temperatura do corpo). Além disso, Renata se mantém sempre atenta a solos muito quentes, para evitar que machuque as patinhas da pet.

A dermatóloga veterinária Carolina Ferraz afirma que queimaduras nos coxins — parte fofinha da pata do animal — são muito comuns em dias de sol forte. “É muito importante escolher horários mais frescos para os passeios, assim, a hipertermia e esse tipo de lesão são evitados.” Caso o dono desconfie de alguma reação devido ao calor, vale verificar os espaços interdigitais (entre os dedos), a fim de procurar por áreas de vermelhidão. “Sempre procure um médico veterinário de confiança logo nos primeiros sintomas”, ressalta Carolina. Para os que gostam de vestir os pets, a indicação é que o animal use as roupinhas somente para dormir. Se ele passar muito tempo com a roupa no calor, o corpo pode superaquecer e, na pior das hipóteses, levar o animal a óbito.

Temperatura subiu?

Evite longas caminhadas, principalmente no período entre 10h e 16h, quando o sol está mais quente.
Fique atento às pulgas e carrapatos que, durante o verão, são de fácil proliferação.
Sempre deixar o pet em um espaço que tenha bastante sombra e água fresca.
Evite viagens longas ou mantê-los dentro de um carro parado.
Sempre disponibilize água fresca para o pet.
A tosa é uma ótima opção para aliviar o calor e evitar a contaminação por parasitas.
Evite o uso de perfumes para não desencadear alergias.
A frequência ideal de banho é a cada 15 dias.
Cuidado com brincadeiras na piscina! Caso o animal beba muita água com cloro, problemas gastrointestinais podem ser desencadeados.

(da Revista do Correio)

Bazar Solidário: Adoção com dose extra de amor

imagem mostra gatinha que espera por adoção.Bazar Solidário
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Bazar solidário: Com a morte da protetora Suzane Faria, há dois anos, quatro gatinhos dividem o dia a dia num hotel à espera de uma nova família. Dificuldade de encontrar adotantes angustia o grupo Salvando Vidas, que vai promover bazar especial para custear despesas com os animais

 

(por Kátia Marsicano, especial para o Blog Mais Bichos)

 

Dizem que os olhos são a janela da alma. Mas, quando os olhos são felinos, certamente, a janela conduz a um universo muito mais profundo e transparente. Esta é a certeza que se tem quando nos deixamos hipnotizar pelo olhar de Tati, Lia, Daniel e Manoel. Há dois anos, pode-se dizer que eles só têm uns aos outros. Amanhecem e anoitecem juntos, procurando entre si o conforto que supra a ausência de quem mais os amava.

A psicóloga e protetora Suzane Faria os tirou da rua, cuidou, alimentou e fez tudo o que podia por eles – e por tantos outros – até ser vencida por um AVC que deixou, entre tantas consequências, a presença insubstituível na vida dos animais que dependiam dela.

Os quatro gatinhos que esperam há tanto tempo pela adoção passam longe do padrão utilitarista da grande maioria das pessoas que querem adotar. Não são filhotes fofinhos e brincalhões, não têm raça, não dão status e muito menos requerem cuidados especiais em pets de classe média. Pelo contrário. Precisam de doses extras de amor. São lindos e serenos adultos, que carregam em suas histórias as marcas do sofrimento que enfrentaram nas ruas e agora a dor de não ter uma família.

Imagem mostra animais para adoção no Bazar solidário

Desde que Suzane morreu, em março de 2014, estão hospedados em um  hotelzinho, na região do Jardim Botânico. Hoje, a proprietária Beta Jabor é a pessoa que mais conhece a personalidade de cada um. “São comportamentos bem diferentes”, conta ela. “A Tati é muito carente, ao contrário do Manoel, do Daniel e da Lia, que são mais reservados e preferem observar a gente à distância”. O resultado é a convivência solitária que, apesar de todos os esforços, tem se prolongado muito. O que deveria ser temporário aos poucos parece se consolidar, determinando o destino dos quatro a uma vida sem lar.

Tati, por exemplo, uma escaminha totalmente sociável e meiga, tem cistite idiopática, uma doença normalmente causada por situações de estresse e que levam o bichinho a sentir dor na hora de urinar. Lia, a frajolinha recatada, não é menos sensível. Chegou a ser adotada por uma família mas a adoção não se consolidou e ela foi devolvida ao hotelzinho. O resultado foi perda de peso e uma severa falta de apetite que se estenderam por vários meses até ela se recuperar.

Manoel (pretinho) e Daniel (tigrado) são tranquilos, mas precisam de tempo. Do tempo felino. Porque, como diria Arthur da Távola, em sua Ode ao gato, eles não se relacionam com a aparência – vêem além, por dentro e pelo avesso. Relacionam-se com a essência.  Os dois requerem dedicação e muito afeto sincero até serem conquistados e adquirirem a confiança em um novo ambiente e com pessoas diferentes.

 

imagem mostra gatinha para adoção no bazar solidário
Cris

Doçura – Além dos quatro gatinhos que vivem no hotel, outra que também está à espera de uma oportunidade de ser adotada é a Cris. Diagnosticada com Felv, o vírus da leucemia felina, encontrou acolhimento em um lar temporário especial. Dócil e meiga, não desenvolveu a doença e está totalmente saudável e pronta para viver em uma família definitiva.

Angústia – Para Maria José Veloso -, ou Zezé, como é mais conhecida -, e Claudia Helena Guimarães, as companheiras de Suzane na proteção animal, fundadoras do grupo Salvando Vidas Protetores Independentes, o sofrimento e a angústia são constantes, principalmente pela impotência na luta pela busca de adotantes para os gatinhos. Encontrar pessoas dispostas a assumir a responsabilidade e abrir um espaço no coração e na vida para os bichinhos é como um sonho que se renova diariamente, apesar dos momentos de desânimo.

“Às vezes, me sinto devendo à minha amiga”, diz Zezé, que tem dedicado toda a renda da sua atividade de pet sitter e parte do salário para pagar a hospedagem e as despesas com ração, areia, medicamentos, vacinas, exames e consultas veterinárias. São mais de R$ 1.800,00 mil por mês, que, infelizmente, são dispendidos sem a colaboração das doações que durante muito tempo eram feitas para ajudar os animais. Regularmente, o grupo recebe apenas R$135,00. “O Salvando Vidas, por conta de toda essa situação está com suas atividades bastante limitadas, mas estamos sempre orientando as pessoas que nos procuram, encaminhando animais para castração, enfim, é o que podemos fazer neste momento”, afirma Cláudia. “Os bazares continuam sendo realizados para arrecadação de recursos, por isso todo apoio é muito bem-vindo”. Para quem não puder se candidatar a adotar um dos gatinhos, qualquer forma de ajudar está valendo: desde contribuições financeiras a doações de ração e areia. Além das despesas com os gatinhos, ainda está pendente o pagamento de dívidas em clínicas parceiras que atendiam os animais.

Para o ano novo que se aproxima, momento em que todos desejam o que há de melhor e renovam as esperanças, Cláudia e Zezé esperam apenas uma coisa: uma vida feliz para Tati, Lia, Manoel,  Daniel e Cris. Se Deus quiser…

 

Serviço:

Bazar e Tarde de Tortas – Dia 3 de dezembro, das 9h às 17h, no salão de festas do Bloco H, da 215 Norte

Para conhecer Tati, Lia, Manoel, Daniel e Cris, contribuir financeiramente ou doar ração e areia.

SVPI  –  svpibsb@gmail.com

Cláudia –   cadi.hmg@hotmail.com

Zezé–  veloso43@hotmail.com

Kátia –  katiamarsicano@gmail.com

Cara de um, focinho do outro

imagem mostar dona com sua cadelinha.
Publicado em Deixe um comentárioanimais
Não raramente, o pet acaba reproduzindo algo da personalidade do tutor. Mais surpreende é quando, de tão ligados um ao outro, acabam adoecendo juntos
 O laço entre os donos e seus bichos de estimação é forte. Vejamos o caso do aposentado Carlos Alberto dos Santos, 79 anos, dono do pinscher Ricky. “Quando viajo, ele fica na sala, esperando a minha volta. Alguém tem que colocar a caminha dele perto da porta, senão ele não dorme direito”. Em uma dessas separações temporárias, Ricky ficou tão nostálgico que se recusou a comer. Carlos teve que conversar ao telefone com o cachorro para que ele voltasse a se alimentar normalmente.
Os dois estão sempre juntos e Ricky não disfarça o ciúme que sente: “Quando ele está comigo, não deixa ninguém encostar em mim.” Quando quer sossego, Carlos se aproveita da proteção do animal. “Na hora de ver tevê, eu falo: ‘Ricky, não deixa ninguém incomodar o papai’. E é isso que ele faz.” Se alguém tenta uma aproximação, o cãozinho fica feroz. Até a mulher de Carlos já se convenceu: um é a cara do outro. “Nós dois somos muito teimosos, não dá para negar. Sempre impomos o que queremos e, quando ele quer dormir, por exemplo, fica atrás de mim até eu me deitar também, senão ele não dorme. Quando ele quer comida, também fica pulando sem parar até conseguir”, diverte-se.“É comum ver bichos que são parecidos com seus tutores porque o convívio e a personalidade do tutor tem essa influência sobre o animal. Depende muito da criação, mas também do comportamento do pet”, confirma a médica veterinária Ana Carolina Amorim. Mas a ligação entre Carlos e Ricky vai além. “As pessoas falam que até o nosso jeito de andar é igual”, brinca. E arremata: “Acho supernormal desenvolver características parecidas tanto na feição quanto no jeito”. Como prova de amor, o aposentado, que tem medo de agulhas, superou a fobia e tatuou um retrato do melhor amigo no braço.Por vezes, essa sintonia parece influenciar na saúde. Não é raro que os pets adoeçam com os tutores. A médica veterinária Ana Catarina Valle, especialista em acupuntura e homeopatia, acredita que as mascotes são sensíveis à “vibração” dos humanos. “Certa vez, atendi um animal que estava com uma cistite de repetição que não melhorava com nada. A dona acreditava que a homeopatia poderia ajudá-lo e me procurou. De fato, em um primeiro momento, ajudou bastante. Porém, meses depois, a tutora ligou e disse que os sintomas haviam voltado”, relata. Desconfiada, a profissional voltou a investigar o caso e descobriu que a cliente também tinha cistite — tutora e mascote entravam em crise ao mesmo tempo, com sintomas muito parecidos. Estranho, né?A professora Pauline Maximiliano acredita ter vivido uma experiência que comprova essa ideia. Bonnie, sua mascote, estava com um problema de pele de difícil identificação. Depois de várias visitas ao consultório veterinário, a profissional que as atendia passou a questionar a ansiedade da professora. Resultado: Bonnie recebeu uma receita homeopática e Pauline foi aconselhada a cuidar do aspecto psicológico. “Fiquei mais tranquila e percebi que a Bonnie também ficou mais calma”, recorda. E assim, sem uma explicação perfeitamente racional, a dermatite da cadelinha foi superada.Já a veterinária Ana Carolina Amori sugere prudência para não superestimar esses laços. “As pessoas acham que os animais estão apresentando o comportamento igual ao nosso porque a tendência é humanizá-los. É importante enxergar que animal é animal, que ele tem suas próprias necessidades”, argumenta. Para ela, quando os bichinhos apresentam os mesmos sintomas que os donos, é essencial investigar as causas. “Temos que ficar de olho para ter certeza que não é nenhuma zoonose (doenças transmitidas para o homem pelos animais e vice-versa), por exemplo.”Fenômeno energético?
Para a médica veterinária Daniela Lopes, os bichos “conversam” energeticamente com os humanos. Daniela é adepta da teoria do “campo mórfico”, idealizada pelo biólogo e parapsicólogo inglês Rupert Sheldrake. Segundo essa hipótese, os seres têm campos vibracionais permeáveis e que podem ser compartilhados. “Isso (de mascotes e donos desenvolverem traços em comum, inclusive doenças) ocorre quando há grande convivência. É algo normal”, explica a veterinária.

Dieta de alta qualidade

Foto: Minervino Junior/@cbfotografia. June Medeiros, passou a usar alimentação natural para sua cadela Bebel.
Publicado em 1 ComentárioAlimentação Pet

Ração: A decisão de trocar por alimentos in natura conquista os donos de pets. A ideia é melhorar o aspecto nutricional da refeição, garantindo mais saúde aos bichinhos

 

O bem-estar dos bichinhos de estimação é prioridade. Pensando nisso, muitos tutores proporcionam ao pet uma dieta natural. São refeições à base de alimentos não processados, livres dos conservantes da ração industrializada. Quem obteve muitos benefícios com a mudança de hábito alimentar foi o gatinho Godot, 15 anos. A dona do felino, a professora Simone Lima, 52, conta que adiou diversas vezes a mudança de cardápio, mas tomou a decisão quando o bichano começou a sofrer de problemas renais. “A demanda nutricional do gato é grande e eu me preocupava muito porque a ração industrializada seca quase não oferece umidade, o que é primordial para os gatos, uma vez que eles não sentem muita sede”, explica.

Após dois anos com a nova dieta, Godot, que é idoso, continua muito ativo e saudável, e até seu pelo está mais bonito. O problema renal foi totalmente revertido. “Os parâmetros fisiológicos dele melhoraram muito. E isso foi conquistado pela comida — mais úmida e com ingredientes saudáveis”, comemora Simone. A transição foi feita aos poucos: a tutora misturava a ração industrializada na comida fresca, sempre acrescentando levedura nutricional. Depois de uma semana, Godot já adorava a nova alimentação.

Não é que a ração pronta seja ruim para os pets, como explica o casal de veterinários Bruna e Kaue Morales, especializados em nutrição. “O melhor tipo de ração depende muito do que cada dono quer, mas a natural, de fato, apresenta maior quantidade de água e não sobrecarrega tanto os rins”, comenta Bruna. “As melhorias são muitas, e para ter uma ideia do conceito da alimentação natural, é só pensar em uma pessoa que só consome produtos industrializados e compará-la a outra que tem uma dieta livre de conservantes”, complementa Kaue.

De acordo com Bruna, entre os benefícios, é possível notar que as fezes dos animais ficam menores, mais sequinhas e quase sem odor, pois a absorção de nutrientes é maior. Além disso, a pelagem fica mais bonita e brilhante. “A alimentação natural supre todas as necessidades nutricionais do animal e é totalmente possível de ser preparada em casa. Para isso, basta ter orientação veterinária quanto à quantidade e tipos de alimentos permitidos para cada pet, e quais são as suplementações necessárias”, ensina a veterinária.

foto do gatinho Apolo, seus donos trocaram a ração por alimentação natural.
Foto: Arquivo Pessoal. Gatinho Apolo come alimentação natural.

O gatinho Apolo, 8 meses, sofre de prolapso no ânus (hemorroida) e tinha muita dificuldade na hora de defecar. Pensando na melhora do bichano, a bancária Luciana Schlottfeldt, 37 anos, decidiu investir em alimentação natural e úmida. “Fiquei um pouco receosa no início, mas ele nunca recusou a nova dieta — as carnes variam e ele não enjoa”, conta. A qualidade de vida de Apolo melhorou da água para o vinho.

Foi por indicação de um veterinário de abordagem mais alternativa que Luciana decidiu adaptar a dieta de Apolo. Como não tem tempo de preparar a refeição, ela recorre a um fornecedor. “Eu compro porções e congelo. Não gosto de cozinhar, mas sei que seria o ideal. Para isso, teria que saber bem sobre a alimentação, porque tenho consciência que não pode ser qualquer comida, como as que a gente come.” A ideia agora é manter a dieta natural. “Acredito que a alimentação orgânica e sem conservantes é ideal para todo mundo, não só para os pets”, reconhece.

Desde o ano passado, a cadela Bebel enfrenta um câncer na pata. Com o objetivo de fortalecer o sistema imunológico da mascote, sua tutora, a advogada June Medeiros, 50, buscou diversas opiniões. “Eu sempre quis mudar a dieta dela, mas ainda não tinha encontrado aqui, em Brasília, alguém que fizesse esse tipo de acompanhamento. Eu sei que a alimentação natural depende de uma orientação veterinária para que não haja deficiências nutricionais para o cachorro.” June conta que a decisão foi acertada. “Desde a mudança na dieta, ela tem mais disposição. O intestino da Bebel também tem funcionado bem e, apesar de ter tido uma doença grave, ela tem adoecido menos do que quando comia ração industrializada.”

 

 

O médico veterinário Luciano Pasin trabalha com nutrologia há 2 anos e está se especializando em oncologia. Ele ressalta que a alimentação natural é a melhor opção desde que os tutores sigam corretamente as orientações prescritas por um veterinário nutrólogo capacitado, em vez de fazerem por conta própria. Luciano trabalha somente com cães e afirma que, quando o cardápio é balanceado, não somente em proteínas, fibras, gorduras e carboidratos, mas também em vitaminas e minerais, a melhora é visível. “A imunidade reage, principalmente entre pacientes geriátricos ou com câncer. Os problemas de pele se resolvem; o emagrecimento acontece com muito mais rapidez; o metabolismo e os hormônios se equilibram; e os sinais de envelhecimento são retardados”, enumera.

Luciano adverte quanto ao preparo dos alimentos. “Métodos como fritar e grelhar excessivamente liberam substâncias potencialmente cancerígenas. Cozinhar no micro-ondas também diminui significativamente a quantidade e qualidade de vitaminas e fitonutrientes.” Alguns alimentos estão sempre presentes nos cardápios que Luciano elabora, como ovos, carnes magras, brócolis, abobrinha, cenoura, vagem, óleo de coco e azeite de oliva extravirgem. “Eu sei que é um pouco mais trabalhoso preparar a comida em casa, mas vale muito a pena. Não tem conservantes e eu sei o que a Bebel está comendo”, exalta June. “O fato de ter aliado o tratamento convencional do câncer com a alimentação natural e os nutracêuticos foi fundamental para a melhora dela. Ainda mais durante o processo de químio, que não é fácil.”

Serviço

Assessoria nutricional para pets

-Gourpet

(61) 98551-1557 e 99626-7200

-Comida Pet

(61) 99291-7076

-Cãolinária

Apesar de estar localizado em São Paulo,

o site http://caolinaria.com.br/

oferece diferentes cardápios de alimentação natural para quem quer cozinhar para o pet.

-Clínica Pet & Etc

Localizado no interior de São Paulo, o dr. Luciano Pasin oferece assessoria nutricional para todo o país.

(19) 3801-6563

-Animal Natural

Empresa de consultoria nutricional e venda de produto para animais localizada em São Paulo.

http://www.animalnatural.com.br/

(11) 4116-3132

Pet friendly, cães podem entrar

Pet friendly,foto mostra dona de uma cachorrinha passeando com ela em um shopping
Publicado em 1 Comentáriobichos

Pet friendly, cada vez mais shoppings e restaurantes aderem ao conceito, isso significa que os donos podem frequentar esses locais em companhia dos animais.

 

Os cachorros são, de fato, grandes companheiros do homem. Carinho imensurável que surge daí o desejo de carregá-lo para todos os lugares. É o caso da empresária Danielle Wolff, que faz questão de levar a lhasa apso Brisa em todos os passeios, como restaurantes, bares e salão de beleza. “Mas o lugar preferido dela é o shopping”, comenta. A cadelinha tem até seu próprio carrinho de passeio e, quando percebe Danielle preparando o transporte, já fica toda animada. Apesar de ser um sucesso entre todas as faixas etárias, são as crianças que ficam enlouquecidas com o charme do pet. “O pessoal que passa por ela a mima muito, faz carinho e pede foto. Parece celebridade!” Brisa mostra que merece o privilégio, pois, além de muito comportada, não late para ninguém. Fica tão feliz nas lojas que não sente nem necessidade de fazer xixi.

Às vezes, a dupla ganha a companhia de outros pets, que também adoram esse tipo de passeio. A rotina de ambas no shopping se resume a uma volta para espiar as lojas, com direito a compras de roupinhas e acessórios para a cadela. Para finalizar, um lanchinho para repor as energias. “Sempre compro salada de frutas porque ela adora! É muito companheira.” A tutora, no entanto, tem o cuidado de não exceder o limite de permanência de duas horas, como é permitido no local, inclusive para prezar pelo bem-estar da cadelinha. “Ela acaba se cansando e, apesar de nunca ter feito as necessidades dela em lugares fechados, fico preocupada com isso.”

O mesmo acontece com Malu, a mestiça de lhasa com yorkshire que não recusa um convite para ir ao shopping. A jornalista Mariana Torres, dona da cadela, conta que sua pet também tem um carrinho específico para esse tipo de programação e que a agenda de Malu é mais cheia do que a sua. “Quando não é shopping ou restaurante, vamos para a pracinha, aniversário de cachorro ou eventos especiais para os pets.” Tão acostumada aos momentos de lazer que, apesar de o carrinho ter um local exclusivo para prender a coleira, Mariana não vê necessidade de fazê-lo, pois confia que a pequena nunca pularia. “Ela é uma lady. Sempre falo que ela não acha nem que é gente, ela tem certeza”, brinca.

Mas não é para menos. Em alguns eventos, Mariana faz questão de vestir Malu com as mesmas roupas que ela e a cadelinha adora ser produzida. Para a jornalista, os estabelecimentos da cidade deveriam estar mais abertos ao conceito “pet friendly”, que, na prática, significa que o local é receptivo à presença de animais. A filosofia é muito importante para pessoas que, como ela, consideram os pets como parte da família. “Ela é muito calma e comportada, não vejo problema algum em levá-la para os lugares.”

Eventos sociais, específicos para cachorro, são comuns para Malu. Entre desfiles e festas juninas, a cadela sempre tem seus compromissos. Em julho, o shopping Conjunto Nacional abriu as portas para os cachorros e realizou um grande evento de inauguração no mês passado. “Não deu para a gente ir dessa vez, mas acho bacana demais o shopping fazer esse tipo de evento para cachorrinhos. Eles se divertem e a gente também.”

Segundo a gerente de marketing do estabelecimento, Cláudia Durães, o grande incentivo que levou o local a permitir a presença de cães foi o aumento do número de pets.  Além disso, os animais de estimação passaram a ser membros da família, e essa relação, extremamente saudável, não poderia ficar de fora. “Queremos proporcionar um ambiente agradável, tranquilo e seguro para que nosso cliente possa viver uma experiência legal, com o melhor amigo ao seu lado”, defende. O Conjunto Nacional é o único shopping de Brasília que, além de cães de pequeno e médio porte, aceita também os cães de grande porte, como labradores. Só não se esqueça de garantir a segurança do seu pet, fazendo o uso correto da guia.

O ParkShopping também faz questão de realçar a importância em aceitar os pets em seu estabelecimento. Lá, desde 2010, os cães de pequeno porte são bem-vindos. “Sabemos que muitos clientes gostam da companhia de seus pets não somente em casa, mas também em seus momentos de lazer, quando saem para passear. Se passear no shopping já é bom, imagine com seu bichinho de estimação?”, comenta a gerente de marketing Natália Vaz. Segundo a mesma, os cães de grande porte infelizmente não são permitidos. Ela argumenta que ali, por ser um ambiente muito movimentado, os bichinhos podem ficar estressados.

Assim como Brisa e Malu, o pequeno dachshund Biscoito não dispensa um passeio. A sua tutora, a estudante Giulia Dickel, não desgruda do cãozinho: “Desde que ele chegou aqui em casa, evito ao máximo deixá-lo sozinho. Levo até mesmo para casa dos meus amigos ou família, e todos amam.” Nos shoppings, Biscoito chama a atenção de todos com o comportamento sossegado e cheirinho de banho. Desde crianças até idosos param para brincar com o cão. “Sempre que quero ir ao shopping, escolho um bem ‘pet family’ e todas as pessoas se divertem com ele.”

Onde eles podem entrar

Shoppings
Iguatemi Shopping: cães de pequeno porte na coleira. Nos fins de semana e feriados, os pets devem permanecer no colo dos donos ou em transporte apropriado, como carrinho ou bolsa.
ParkShopping: cães de pequeno porte em bolsas especiais ou carrinhos.
Conjunto Nacional: cães de pequeno, médio e grande porte, sempre na guia.
Boulevard: cães de pequeno porte no colo dos donos ou em transporte apropriado, como carrinho ou bolsa.
Leroy Merlin: cães de pequeno porte no colo ou em carrinhos.

Restaurantes
Fratello Uno: 103 Sul e 109 Norte.
Fran’s Café: 209 Norte.

Parques
Parcão: no estacionamento 6 do Parque da Cidade. A área é cercada, e os cães podem brincar soltos.
Parcão do Cruzeiro: o parque elaborado para os cães permite que os mesmos brinquem livremente, sem preocupações (EPIA  – 3663).

Atenção
Vale lembrar que cães guia (que conduzem os cegos) são permitidos em qualquer espaço, tanto estabelecimentos públicos quanto privados, desde junho de 2005, segundo a lei 11.126/05.

(da Revista do Correio)

 

 

Sonhos intranquilos

foto da cadelinha Lolla.sono dos bichos
Publicado em Deixe um comentáriosaúde pet

Sono: Cães podem sofrer de apneia, ronco, narcolepsia e até de insônia. Distúrbios do sono não têm causa definida e devem ser avaliados caso a caso

 

Uma boa noite de sono repercute em diversos aspectos da saúde e do bem-estar. A hora do repouso é algo esperado e valorizado inclusive pelos bichinhos. Assim como os humanos, eles sonham e podem ter distúrbios do sono. Quem entende bem disso é a estudante Carla Teixeira, 20 anos, dona da cachorrinha Frida. Desde a tenra idade, a chin (spaniel japonês) de 4 anos apresenta falta de ar enquanto dorme. O diagnóstico? Apneia noturna.

A tutora conta que a cachorrinha, de focinho pequeno e achatado (braquicéfalo), nunca havia dado sinais de dificuldade respiratória enquanto acordada. “Quando ela começou a apresentar esse quadro, levamos um susto. Para nós, era tudo novo e não sabíamos como lidar. Acreditávamos que era uma espécie de espirro reverso e fazíamos massagem no pescoço dela. Depois, notamos que poderia ser algo mais”, lembra. Como as crises eram angustiantes, Carla resolveu procurar ajuda. “Acredito que ela já tenha se acostumado. Ficamos atentos à respiração e a barulhos que ela faz durante a noite”, diz. A família dá todo o suporte e, segundo a estudante, as visitas ao veterinário são constantes.

Além da apneia, que geralmente é acompanhada de ronco e cansaço durante o dia, os pets são muito suscetíveis a narcolepsia  — estado de sono súbito e profundo, com paralisação total ou parcial dos músculos. Já a insônia é um tanto quanto rara e, na maioria das vezes, reflexo de outros problemas, tais como artrite, insuficiência renal, alergia ou tireoidismo. A médica veterinária

Francielle Kushminski explica que os donos precisam estar atentos à quantidade de cochilos do animal durante o dia. “Os distúrbios do sono podem estar atrelados a problemas de saúde, como vermes e até mesmo problemas neurológicos. Normalmente, as sonecas são um alerta”, explica. O quadro pode ser passageiro e inofensivo, mas apenas exames clínicos e laboratoriais fecharão o diagnóstico.

Quando a estudante Gabriela Abreu, 18 anos, levou a buldoque francês Kira, 4, ao veterinário, confirmou suas suspeitas: a raça é muito suscetível a problemas de sono por conta do focinho achatado, que dificulta a respiração. Os roncos de Kira são tão altos que a caminha dela fica em local afastado, para que o barulho não incomode os demais moradores da casa. “Recebemos orientação de que é melhor poupá-la de exercício físico, sobretudo em dias secos e ensolarados. Além disso, a Kira tem muita alergia — creio que isso colabore ainda mais para os roncos dela”, aponta a jovem. Fora os roncos, a cachorrinha é tranquila e, no quesito sono, acompanha os horários da família.

A veterinária Ana Catarina Valle alerta para os casos de sono irregular. A inconstância é um indício forte de distúrbio, mas a confirmação é feita com exames como tomografia e ressonância magnética. O tratamento varia de animal para animal, mas, para a especialista, a homeopatia e a acupuntura são excelentes aliados. “A medicina chinesa tem base em horários biológicos. Por exemplo, se o cãozinho apresenta insônia entre a 1h e as 3h, investigamos uma alteração hepática”, esclarece.

foto de um casal com sua cadelinha.sono.
Foto: Jhonatan Vieira/@cbfotografia Cadela Lola, de Rogerio Duarte e Ariella Oumori.

A beagle Lolla, de 3 anos, vive assustando os donos, Ariella Oumori, 25, e Rogério Duarte, 27. A cadelinha tem um sono agitado, com sonhos que a fazem chorar, mexer as patinhas e até latir. “Às vezes, ficamos com vontade de acordá-la, mas sempre deixamos pra lá”, comenta Ariella. A veterinária Francielle Kushminski ressalta que o sono dos pets é dividido em duas fases: não REM (Rapid Eye Movement) e REM. “Na segunda, o sono é profundo. Os cães sonham, podem fazer sons e até mesmo movimentos”, ensina.

Especialistas acreditam que o cão deve ter um sono calmo e um horário biológico que acompanhe o do dono. Para a veterinária Ana Catarina Valle, uma casa com harmonia colabora diretamente para um sono tranquilo. Hábitos saudáveis também colaboram para o bem-estar dos fiéis companheiros — inclusive nas horas de descanso.

 

Você sabia?

Humanos costumam seguir um padrão binário de sono: dormem cerca de 8 horas durante a noite e ficam acordados de dia. Cachorros, não.

         Normalmente, eles ficam:
20% do dia acordados e ativos
30% do dia acordados, mas inativos
50% do dia dormindo

         Hora de sonhar
Entre os humanos, o estágio REM corresponde a 25% do sono.
Entre os cães, não passa de 10%

 

(da Revista do Correio)