Ser gentil é…

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

Valha-nos, Deus! Cadê o dinheiro? A inflação comeu. O mês ficou compriiiiiiiiiiiido e o salário, curtinho. Sem juízo, o estômago mantém o hábito. Quer as três refeições. O jeito? É dar um jeito. Um deles: trocar produtos mais caros por outros mais baratos. É o caso da carne. “A vermelhinha está pela hora da morte”, reclamou a freguesa do supermercado. Atento, o vendedor lhe apresentou […]

Adeus, mistério

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

  Eu fiz. Eu quis. Ops! O som é o mesmo. Mas a grafia não. Por quê? A resposta está no nome do verbo. No infinito aparece z? Então, não duvide. Sempre que o fonema z soar, dê a vez à lanterninha do alfabeto. Sem o z, o s pede passagem. Compare: Fazer — faz, fazemos, fazem, fiz, fez, fizemos, fizeram, fizer, fizermos, fizerem, fizesse, […]

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

Mal x mau “O Corpo de Bombeiros atendeu 27 ocorrências de mau súbito”, escrevemos na pág. 3 do Correio. A leitora Sílvia Tarantino reclamou. Com razão. Pisamos a grafia. O contrário de mau é bom; de mal, bem. Melhor: O Corpo de Bombeiros atendeu 27 ocorrências de mal súbito.  

Os porquês

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

Leitores pediram. Querem dicas para o emprego dos porquês. Ora o porquê aparece junto. Ora, separado. Ora com acento. Ora sem o chapeuzinho. Não há quem não hesite na hora de escrever uma forma ou outra. Muitos chutam. Mas, como a língua não é loteria, a Lei de Murphy entra em vigor. O que pode dar errado dá. Melhor não correr riscos. O caminho é […]

Eu e você 3

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

Nós e a língua Quer exemplo de tolerância? Inspire-se na língua. Ela dá um boi pra não entrar na briga e uma boiada pra ficar fora. Por isso conjuga o verbo negociar. Vale o exemplo da secretária a quem o chefe pediu que preenchesse um cheque de R$ 600. “Como se escreve seiscentos?”, pergunta ela. “Faça dois cheques de R$ 300”, responde o patrão. “Seiscentos […]