Orçamento de prevenção de incêndios florestais vai encolher em 2020, para R$ 29,6 milhões

Publicado em Catástrofe ambiental, meio ambiente, sustentabilidade

A ação orçamentária “Prevenção e Controle de Incêndios Florestais nas Áreas Federais Prioritárias”, vinculada ao programa de mudanças do clima, encolherá de R$ 45 milhões em 2019 para R$ 29,6 milhões em 2020, segundo a proposta do governo federal que tramita no Congresso Nacional. A análise do orçamento destinado a essa finalidade nos últimos três anos será divulgada na próxima quinta-feira (28/11) pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), na Câmara dos Deputados, durante o seminário Desmatamento e Queimadas na Amazônia: Tendências, Dinâmicas e Soluções.

O estudo do Inesc foi elaborado após a divulgação pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) de que o desmatamento na Amazônia aumentou 29,5% de agosto de 2018 a julho de 2019 em comparação com os 12 meses anteriores. Foi a maior taxa desde 2008 e, percentualmente, a maior alta de um ano para o outro dos últimos 22 anos. Parte desse desmatamento ocorre por incêndios florestais.

 

De acordo com assessora política do Inesc, Alessandra Cardoso, responsável pelo levantamento, este é o momento crucial para discutir o comportamento do orçamento de políticas que estão vinculadas ao enfrentamento do desmatamento, já que o Plano Plurianual (PPA) 2020-2023 está em análise no Congresso Nacional.

Para ela, o levantamento é importante, pois demonstra como o atual governo atua para que as políticas públicas relativas ao desmatamento implementadas nos últimos anos deixem de operar. “Não tem como combater o problema do desmatamento sem políticas públicas, sem que o estado atue no comando e controle. É perceptível com esse estudo que, muito além do discurso adotado pelos representantes do governo, que é muito danoso, as ações propriamente ditas estão em processo de desmonte muito acelerado. Há cortes de pessoal, orçamento, o que inviabiliza que os analistas ambientais façam seu trabalho corretamente”, afirma.

O Inesc analisou o comportamento orçamentário dos últimos três anos e considerou as ações e programas que estão vinculados ao desmatamento, tais como a fiscalização de terras indígenas, gestão e fiscalização das unidades de conservação federais e ações específicas de combate ao desmatamento e incêndios florestais.

Seminário

O seminário Desmatamento e Queimadas na Amazônia: Tendências, Dinâmicas e Soluções é realizado pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS) da Câmara dos Deputados e está previsto para começar às 9h do dia 28 de novembro.

Além do estudo do Inesc, cientistas, organizações da sociedade civil, parlamentares, setor privado e governo debaterão o tema com avaliações e recomendações baseadas em experiências bem-sucedidas de comando e controle.

Para Sérgio Guimarães, secretário executivo do Grupo de Trabalho (GT) Infraestrutura, “os dados do Inpe sobre o desmatamento são alarmantes e exigem que medidas urgentes sejam pensadas para cessar os danos à maior floresta tropical do mundo, às comunidades que nela vivem e ao mundo inteiro.”

Segundo Flávio Montiel, da International Rivers Brasil, o seminário dará a oportunidade de um debate mais aprofundado sobre o tema. “O que esperamos é um debate qualificado sobre tendências recentes do desmatamento e queimadas e suas causas, lições de experiências inovadoras na sua prevenção e controle, e desafios para viabilizar soluções práticas para os problemas identificados”, afirma.

O evento contará com a participação de pesquisadores que têm liderado esforços de monitoramento do desmatamento e queimadas na Amazônia, como Claudio Almeida, coordenador do Inpe, Paulo Barreto do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e Ane Alencar do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam).

Também estarão representantes dos povos indígenas e movimentos sociais, como a Associação Terra Indígena do Xingu (ATIX), e de entidades da sociedade civil, como a Comissão Pastoral da Terra (CPT), Terra de Direitos e Instituto Socioambiental (ISA). A lista ainda inclui representantes do Ministério Público Federal (MPF) e do setor privado, além dos deputados federais Rodrigo Agostinho, presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara, e Nilto Tatto da Frente Parlamentar Ambientalista, autor do requerimento para a realização do evento.

Serviço

O quê: Seminário Desmatamento e Queimadas na Amazônia: Tendências, Dinâmicas e Soluções
Quando: 28 de novembro de 2019 (quinta-feira)
Onde: Plenário 02 – Anexo II – Câmara dos Deputados, Brasília/ DF
Horário: 9h às 18h

Para mais informações clique aqui.

3 thoughts on “Orçamento de prevenção de incêndios florestais vai encolher em 2020, para R$ 29,6 milhões

  1. Undeniably believe that that you said. Your favorite reason seemed to be at the
    net the simplest thing to keep in mind of. I say to you, I certainly get annoyed at the
    same time as people think about issues that they just do not recognize about.
    You controlled to hit the nail upon the highest as smartly as outlined out the entire thing without having side-effects , folks could take a signal.
    Will probably be again to get more. Thank you

  2. Porque os órgãos ambientais não utilizam retardantes de incêndios para minimizar os prejuízos causados pelos incêndios florestais. Temos uma solução de baixo custo que pode minimizar muitos os prejuízos com fauna, flora e patrimoniais – Hold Fire retardante de incêndios. Estou à disposição para esclarecimentos sobre o produto. Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*