Coronavirus Foto: JEFF PACHOUD/ AFP

Prefeitos de cidades do Entorno defendem lockdown no Distrito Federal

Publicado em Economia

Diante da situação dramática vivida pelas cidades do Entorno do Distrito Federal, prefeitos da região cobram que o governo da capital do país decrete um novo lockdown o mais rapidamente possível para conter a disseminação do novo coronavírus.

 

No entender desses prefeitos, que pediram uma reunião entre os secretários de Saúde do DF e de Goiás — os dois conversam nesta terça-feira (23/02) —, não há como eles optarem por medidas mais restritivas se o Distrito Federal não fizer o mesmo.

 

A razão, dizem os gestores municipais, é o grande fluxo de pessoas que, diariamente, transitam entre as cidades do Entorno e a capital do país. São mais de 200 mil cidadãos por dia. Sem medidas conjuntas, portanto, o vírus continuará circulando livremente.

 

O Governo do Distrito Federal resiste à qualquer medida mais dura, que tenha impacto na economia. A interpretação é de que o desgaste político de um novo lockdown seria enorme. O DF não aceita sequer adotar restrições nas cidades que fazem divisa direta com os municípios goianos, onde o quadro epidemiológico é mais complicado.

 

Ocupação de quase 100% dos leitos

 

Em várias cidades do Entorno, a ocupação dos leitos de UTIs, que são poucos, está próxima de 100%. Não por acaso, a lotação dos hospitais do Distrito Federal disparou nos últimos dias. Pelos cálculos da Secretaria de Saúde do DF, de cada dois leitos de UTIs ocupados, dois são por moradores do Entorno.

 

A secretaria acredita, porém, que essa relação é muito maior, pois muitos moradores do Entorno têm endereços no Distrito Federal e os apresentam na hora de serem atendidos. Para especialistas, esse trânsito livre e intenso de moradores é o responsável pela disseminação de novas cepas do coronavírus.

 

Estudiosos da Universidade de Brasília (UnB) garantem que já sequenciaram várias cepas no Distrito Federal, entregaram os dados ao governo, mas nada foi divulgado oficialmente para se evitar a decretação de medidas mais restritivas. A questão de saúde continua dominada pela política, afirmam os especialistas.

 

Brasília, 09h26min