Bolsonaro2

Aliança pelo Brasil, o partido das trevas

Publicado em Economia

As pessoas de bom-senso que se deram ao trabalho de ler o panfleto da legenda lançada pelo presidente Jair Bolsonaro na quinta-feira (21/11) não tem dúvidas: o Aliança pelo Brasil é o partido das trevas.

 

Fundamentada na religião, como nos tempos da Inquisição, e na licença para matar — o símbolo do partido é formado por cápsulas de balas e o número escolhido, o 38, uma referência ao “três oitão”, tipo de arma muito conhecido no país —, a legenda não se envergonha de representar o atraso.

 

Prega a intolerância, em vez da união. Esquece a diversidade, como se a sociedade não estivesse passando por uma grande transformação. Em vez do diálogo, estimula que todos os problemas sejam resolvidos à base do tiro. Não tem nada a ver com o século XXI. Muito pelo contrário. Está mais para um partido da Idade Média.

 

Aplausos

 

O mais assustador é ver, logo após lançamento do Aliança pelo Brasil, as manifestações a favor do futuro partido, que ainda depende de registro oficial. É uma parte do Brasil que resolveu mostrar a cara e expor que há de pior em favor do conservadorismo.

 

Tomara que haja uma reação da maioria da população, que, felizmente, não compartilha das barbaridades defendidas pelo novo partido de Bolsonaro. A democracia permite que todos expressem suas posições políticas, que lutem por elas, mas o desejo da minoria que prega o atraso precisa ser vencido nas urnas.

 

O Brasil já deu muitos passos atrás desde que Bolsonaro chegou ao poder. Na área ambiental, na educação, no combate às desigualdades sociais, no respeito à diversidade, nos direitos trabalhistas.

 

Aplaudir o discurso da intolerância é perigoso demais. Minar o contraditório facilita o surgimento de líderes fascistas. A Aliança pelo Brasil é uma ameaça aos que pensam diferente dos dogmas pregados pela legenda. Toda atenção será pouca ante ao que está por vir.

 

Brasília, 07h26min