violencia-domestica-1-990x556

DORMINDO COM O INIMIGO

Publicado em Psicologia

Há pouco menos de 15 anos, eu publicava, na coluna Em debate do Correio Braziliense, o texto DORMINDO COM O INIMIGO. Infelizmente, mais um texto meu de alerta que continua atual. De lá pra cá, foram tantas mulheres assassinadas por seus companheiros e ex-companheiros, que a gente até perde a conta.

A mídia agora fala em Janaína Romão Lúcio, morta com cinco facadas no peito e nas costas pelo ex-marido, Stefanno Jesus Souza de Amorim, na frente das duas filhas do casal, de 4 e 2 anos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, a 15ª mulher assassinada no Distrito Federal, só neste ano, em função do gênero.

Além de ter agredido e ameaçado de morte Janaína e as filhas várias vezes, o assassino já tinha sido autuado, aqui no DF, por, pelo menos, quatro crimes, incluindo violência, também a doméstica, com graves ameaças às vítimas, briga, porte e uso de drogas. Isso sem falar das 16 passagens pela polícia quando ainda era menor de idade, uma delas por homicídio.

Eu não digo que um ser humano não possa mudar, não possa melhorar. Mas uma mulher emocionalmente saudável jamais se envolveria e teria filhos com um homem desse tipo. Será que Janaína realmente conhecia o homem por quem tinha se apaixonado? ESTAMOS DE LUTO!

 

DORMINDO COM O INIMIGO

 

Em debate – Maraci Sant’Ana – Especial para o Correio – Publicado em 28/12/2003

Recentemente, o Linha Direta exibiu a história de dois jovens que se conheceram quando ele passou a trabalhar e residir na cidadezinha onde ela vivia com os pais e irmãos. Para conquistá-la, frequentava a casa da família e os encantava com a leitura da Bíblia e pequenas gentilezas. Em dois meses, já estavam morando juntos. Mas o que parecia ser um lindo caso de amor durou apenas mais dois meses, tempo suficiente para ela descobrir que o “homem da sua vida” tinha mulher e filhos na capital e, embora em liberdade, respondia a processo por assalto a mão armada. Independentemente das explicações, ela o deixou. E ele, por vingança, estrangulou a irmã dela, de apenas 12 anos.

Essas histórias são comuns. As pessoas apaixonam-se e se entregam a quem mal conhecem. Partem do princípio de que o outro é bom, levadas pelo romantismo. Cegas, tomam como verdade o que é dito pela pessoa por quem estão apaixonadas, como se esse sentimento bastasse como garantia. E o resultado de se envolver com um desconhecido pode ser passar por situações terrivelmente dolorosas.

Um banco, ao conceder um empréstimo, uma loja, ao fazer uma venda, uma empresa, ao contratar um empregado, não se baseia no que o cliente ou candidato aparenta ou diz ser, exigindo informações e referências. No entanto, pessoas recebem em suas casas, em suas camas, verdadeiros desconhecidos dos quais só sabem aquilo que a respeito deles imaginam ou o que por eles foi dito. E assim arriscam suas vidas e as de pessoas próximas.

Não estou dizendo que devemos iniciar um relacionamento preenchendo fichas cadastrais. Mas não podemos permitir que uma paixão nos cegue a ponto de não tomarmos um mínimo de cuidado. Mesmo pessoas capazes de despertar em nós belos sentimentos são apenas seres humanos, com qualidades e defeitos, não criaturas sublimes que vieram a este mundo para nos fazerem felizes.

Na história, foi a esposa traída quem telefonou alertando que o jovem tinha família e era perigoso. E ele argumentou dizendo que ela não passava de uma ex-mulher vingativa. É verdade que o mundo está cheio de gente que faria qualquer coisa para impedir a felicidade de antigos amantes. Mas será que devemos rejeitar qualquer referência vinda de um ex? Será que tantas mágoas, ao fim de um relacionamento, não merecem atenção?

Conhecer parentes, amigos, trabalho, casa, filhos e, se possível, os ex das pessoas com as quais iniciamos um relacionamento é vital. E deixemos de lado ideias sem sentido do tipo: “Se ele frequenta a igreja ou se conhece a Bíblia, é uma pessoa boa”; “Se é médico, psicólogo, assistente social, pastor ou policial, está acima de qualquer suspeita”. Cada caso é um caso.

Também precisamos ouvir nossa voz interior, aquela que nos avisa que alguma coisa está errada quando nosso parceiro ausenta-se sem deixar contato; ou reluta em nos apresentar à sua família ou amigos; ou leva uma vida que não combina com a atividade profissional que diz ter; ou tem um ou mais ex, ou mesmo parentes próximos, que o odeiam.

Precisamos conhecer com quem nos relacionamos, especialmente com quem nos relacionamos amorosamente. Sei que essa prática não combina com o amor romântico. Entretanto, um relacionamento precisa ser construído em bases sólidas, só obtidas com parceiro confiável. Vivemos num mundo onde as pessoas procuram estar bem informadas. Entretanto, quando pisam o terreno do amor, não se sentem à vontade para buscar informações sobre o parceiro, seu passado, seus hábitos. Isso é sentido como prova de desconfiança. Mas a vida nos mostra a importância desse cuidado. E se nos sentimos constrangidos em nos proteger, a ajuda de um terapeuta pode ser indispensável.

Encontrar nossa alma gêmea é o que todos queremos. Mas o sonho pode se transformar em pesadelo se nos deixarmos guiar pela fantasia ou necessidade desesperada de sermos felizes. Nem mesmo em nome do amor podemos abrir mão de uma postura responsável que pode garantir nossa integridade física e mental, que pode salvar vidas.

16 thoughts on “DORMINDO COM O INIMIGO

  1. Parabéns pelo maravilhoso texto Maraci, um forte abraço e que Deus abençoe seu trabalho cada dia mais e mais… beijo enorme 😘

  2. Infelizmente somos criadas com a crença que existe príncipes encantados e ainda somos cobradas pela sociedade que a mulher só tem valor com um parceiro ao lado, ao invés de nós ensinarem que primeiramente necessitamos nos amar para dar amor ao próximo!

  3. Parece que os homens se sentem muito à vontade para matar as companheiras, seja por ciúmes, ou porque não poderiam viver sem elas, motivos para esse absurdo eles sempre arranjam, talvez se ao receberem as ameaças, as mulheres já tomassem a atitude de acabar o relacionamento e não ficar na esperança que o companheiro vai mudar, e diante das ameaças tivessem uma proteção efetiva e não apenas um papel proibindo aproximação, o que não impede que recebam um tiro a distância….é complicado , mas esta situação precisa mudar….

    1. Oi, Rose Inah. Você está certa quando diz que seria importante que as mulheres já tomassem a atitude de acabar o relacionamento ao receberem as ameaças. Mas creio que relacionamentos como esse vivido pela Janaína nem deveriam começar. Não dá pra se esperar nada de bom de um bandido. Então, é preciso que nós, mulheres, deixemos o romantismo um pouco de lado e procuremos conhecer melhor um possível pretendente. Inclusive, caso ele tenha uma situação financeira boa, procurando conhecer a origem do dinheiro dele, pra não terminarmos envolvidas em uma operação policial, lamentavelmente cada vez mais comum e necessária em nosso país.

  4. remetido via WhatsApp por Jânio Barbosa: Poxa Maraci, gostei muito de tudo que disse no texto. Você está certa, as mulheres nem conhecem o cara e já colocam em sua casa (cama). Os que sofrem são os filhos e a família (pai e mãe). Muito triste.

    1. Oi, Jânio. Mas o mesmo acontece com os homens, que costumam se encantar com beleza e juventude, também não buscando conhecer a mulher com quem estão se envolvendo.

  5. Parabéns 👏👏👏👏 pelo seu texto , por seu maravilhoso trabalho 👏👏. Seu texto fala da realidade de mulheres de mulheres e homem também , pois hoje em dia assim como os homem estão matando suas parceiras , elas também estão matando eles , . a verdade ninguém conhece ninguém , hoje em dia eles matam e dizem ser por amor , matou por que amava demais 😢. Você pode salvar muita mulheres e homem Maraci Santana . Grata 💕💕

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*