Planos de saúde terão reajustes de 13,55% a partir de maio

Publicado em Economia

HAMILTON FERRARI

Os consumidores devem preparar o bolso. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) autorizou nesta sexta-feira, 19, reajuste de até 13,55% para os planos de saúde individuais ou familiares no período compreendido entre maio de 2017 e abril de 2018. O aumento é válido para os convênios contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98. O aumento atinge 8,2 milhões de beneficiários (17% dos consumidores de planos no Brasil).

 

O aumento é três vezes maior do que a inflação de 4,08% acumulada nos 12 meses terminados em abril. Para os especialistas, a decisão da ANS é um choque no orçamento das famílias. Não por acaso, muitas pessoas estão abrindo mão do convênio médico. Não podem pagar mais. A saída de planos de saúde se dá também por causa do desemprego: 14,2 milhões de pessoas estão sem trabalho.

 

Os especialistas ressaltam, ainda, que, mesmo com os constantes reajustes das mensalidades acima da inflação, as operadoras têm, constantemente, recusado cobertura para tratamentos. Por isso, mais e mais consumidores têm recorrido à Justiça, um processo desgastante para todos.

 

Segundo o advogado Rafael Robba, especialista em direito à saúde, as reclamações na Justiça contra os planos aumentam cada vez mais, pois os consumidores estão insatisfeitos com descredenciamentos abusivos de hospitais e médicos, negativas de atendimentos e a demora na autorização de tratamentos emergenciais.

 

“O valor é muito alto para o pouco retorno em qualidade de atendimento que o paciente precisa. Hoje, o que mais vemos é a judicialização crescente da saúde por causa desses problemas. Além do mais, o percentual sempre será alto por considerar a média dos reajustes aplicados em planos coletivos, que não têm esse índice regulamentado”, afirma o especialista.

 

O que se vê é que a ANS está muito mais preocupada em atender os pleitos das empresas do que em proteger os consumidores. A tendência, com o reajuste de 13,55%, é de que mais pessoas enfrentem dificuldades para honrar as mensalidades.

 

Brasília, 12h45min

  • fjs

    A classe média pagando o pato da Fiesp.

    • Vicente Nunes

      A classe média está pagando todos os patos.

  • Josino Aguiar

    Nossa, os planos por adesão ou coletivo, deverá ter uma aumento estratosférico, pois nessas modalidades, foi criado uma legislação onde as operadoras tem autonomia para fazer o aumento que lhe convier.

    • Vicente Nunes

      Com certeza. O consumidor está desprotegido demais. A ANS só quer saber de proteger as empresas.

  • J.L. VALIM

    E A CORRUPÇÃO NESSAS DESGRAÇADAS AGÊNCIAS REGULADORAS DOS INTERESSES DOS PODEROSOS E INIMIGAS DO POVO HONESTO ….???.

  • Anilton Moccio

    A PF tem que investigar essa Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), todo ano esse aumento?

  • Elena Osawa

    Daqui a pouco os planos de saúde vão falir, pois ficarão sem pagantes.A cada ano são cerca de 200 mil que saem dos planos de saúde e recorrem ao SUS que vai mal das pernas com esse governo Temer. Os que desistem dos planos de saúde dizem que não compensa pagar fortunas de mensalidades, sendo que o retorno está deixando a desejar.