Marun diz que governo “está entristecido” com rebaixamento do Brasil

Publicado em Economia

RODOLFO COSTA

O governo está entristecido com o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P). Foi o que disse o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, sobre a decisão da instituição norte-americana. O auxiliar do presidente Michel Temer garante, no entanto, que o corte no rating é uma motivação para que o Palácio do Planalto mantenha firme o trabalho de articulação junto aos parlamentares pela aprovação da reforma da Previdência.

 

A demora na aprovação da reforma e, consequentemente, de uma aceleração no ritmo do ajuste fiscal, foi apontado pela S&P como argumento para o rebaixamento. Para Marun, a decisão apenas reforça a importância do trabalho feito pelo governo. “Esse rebaixamento nos entristece. Mas a verdade é que corrobora aquilo que nós e os setores lúcidos da sociedade já sabiam e dizemos há um bom tempo. Sem a reforma, não tem saída. Não existe futuro para o Brasil se nós não modernizarmos a nossa Previdência e transformá-la em uma Previdência mais justa e igual para todos os brasileiros”, afirmou Marun ao Blog nesta sexta-feira (12/1).

 

O auxiliar de Temer discorda, no entanto, que o rebaixamento reforce o argumento do governo pela aprovação da proposta. “Eu não vejo mais dúvidas em parlamentares quanto à necessidade da reforma. Tanto de situação, quanto de oposição, estão conscientes da necessidade. Uns são contrários porque são de oposição, e são contra o governo e o Brasil. Outros, porque têm um receio em relação a consequências negativas (que o voto pela reforma pode impactar) nas próximas eleições. O discurso está posto. Não vejo isso como um reforço”, avaliou.

 

Para as próximas semanas, Marun manterá as articulações com os líderes. Nos últimos dias, ele conversou com as lideranças aliadas por telefone, e deve manter o contato. Até agora, o balanço é otimista. “Eles nos dão o retorno daquilo que sentimos. Que, na base, ao contrário do que muitos pensávamos, já existe um clamor bem consistente pela aprovação da reforma”, disse.

 

O governo não conta, por hora, com um balanço atualizado do número de votos. A expectativa de Marun é que o Planalto tenha acesso a esses dados na última semana de janeiro. Havia uma previsão de que, em 15 de janeiro, próxima segunda-feira, a Secretaria de Governo tivesse os números. Mas foi postergado diante da previsão de uma ampla reunião do ministro com os líderes. “Ficou para a última semana para que nós possamos receber os parlamentares em Brasília em seu retorno (do recesso parlamentar), já com um quadro mais correto e atualizado dessa situação”, justificou.

 

Brasília, Brasília, 11h15min

  • Claudio Laureano

    Isso e mais umas das artimanhas dessas classe de políticos que so falam em privilégio, mais quem tem esses privilégio são eles mesmo.
    Essa história de rebaixamento e lorota, veja o Vasco ele ja foi rebaixado 3 vezes e continuar firme e forte.

  • Antonio Nunes Souto Souto

    esse MARUN é um doido

  • Paulo Henrique

    kkkkkkk Totalmente fora da curva, falando apenas para agradar o mercado. Previdência já era, ano de eleição é ano de eleição, ninguém de bom senso quer correr riscos.

  • Rosa Deols

    O povo brasileiro esta entristecido com este governo e com seus cúmplices. Este é mais um golpe desta classe politica para tentar manipular o povo.
    Eles são os únicos privilegiados e ainda querem jogar a culpa na previdência.

  • Elena
  • Elena

    MEMÓRIA CURTA
    Jan/2016: Dilma aumentou aposentadorias em 11,28%. Gritaram fora Dilma.
    Jan/2018: Temer deu 1,8%. Todos calados.