Bolsonaro vai mexer também com o mercado de gás dominado pelos milicianos?

Publicado em Economia

O presidente Jair Bolsonaro defendeu, em uma rede social, o enchimento de gás de cozinha em pequenas distribuidoras. E desceu a borduna no setor ao dizer que, “no Brasil, existem poucas engarrafadoras”. Por isso, os preços são tão altos. A medida agrada os milicianos, que controlam um naco da venda em comunidades das grandes cidades. O pobre paga a conta.

 

Nos morros do Borel (Zona Norte) e da Rocinha (Zona Sul), no Rio de Janeiro, estado no qual Bolsonaro construiu sua carreira política, por exemplo, os milicianos vendem o botijão de gás por R$ 100 contra a média de R$ 70 do mercado.

 

A regra anunciada pelo presidente tem que valer para todos. Ou esse riquíssimo mercado paralelo, dominado, em parte, por ex-policiais, continuará surfando na onda da impunidade?

 

Brasilia, 17h16min