Augusto Heleno - Ed.Alves-CB-D.A Press Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) ficou incomodado com as primeiras informações sobre a definição do sucessor à Procuradoria-Geral da República. Foto: Ed.Alves/CB/D.A Press

Atribuição ao GSI da escolha de Aras para a PGR deixou Heleno visivelmente incomodado

Publicado em Economia

RODOLFO COSTA

 

Não caiu bem a informação de que o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) teria comunicado diretamente ao subprocurador-geral Augusto Aras a informação de que ele havia sido o escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para a Procuradoria-Geral da República (PGR). O titular da pasta, Augusto Heleno, não apenas desmentiu a informação no Twitter, como, também, mostrou-se bastante incomodado às pessoas mais próximas.

 

Para o ministro, foi mais um episódio do que ele vem classificando de “desonestidade intelectual” da imprensa. A informação de que o GSI teria formalmente comunicado Aras sobre a indicação foi prontamente rechaçada. O problema é que, pouco depois, Bolsonaro confirmou, pessoalmente, a escolha do subprocurador. 

 

A imagem que ficou foi de que Heleno estaria desmentindo uma decisão do próprio presidente, situação que ele não fez. Não pegou bem e ele ficou visivelmente incomodado, dizem interlocutores ao Blog. No Twitter, mandou um recado a toda a imprensa. “A quem interessar possa, principalmente aos jornalistas que cobrem o Palácio do Planalto. O ministro-chefe do GSI informa que essa instituição, em nenhum momento, anunciou qualquer nome para a PGR. A notícia é mentirosa e plantada!”, disparou.