quando surge a necessidade de uberizar uberização joao kzam tecnoveste

Quando surge a necessidade de Uberizar?

Publicado em Empreendedorismo

Já discutimos o que é Uberização e como ela está transformando tudo no mundo. Há, no entanto, mudanças mais profundas na nossa sociedade que precisam acontecer. Isso é o que podemos chamar de transição da propriedade para o acesso “just-in-timede bens e de serviços – um sistema de administração da produção que determina que tudo deve ser produzido, transportado ou comprado na hora exata, reduzindo a necessidade de estoques e, portanto, diminuindo custos.

Estamos vivendo num mundo ideal, onde, além do trabalho, temos nossas necessidades mais comuns satisfeitas, como: deslocamento, racionalização do tempo, o próprio tempo para fazer compras, ir ao médico, tomar um “drink” com os amigos, cuidar da saúde do corpo; essas coisas que são tão necessárias.

No entanto, queremos ter acesso a tudo, mas frenquentemente nos sentimos esgotados, sem energia, e só queremos chegar em casa e descansar. Muitas dessas coisas tão banais que precisamos fazer já começaram a escassear, dificilmente encontramos tempo pra um “relax” ou, no mínimo, cuidar da saúde. É aí que começamos a precisar “uberizar” tudo que for possível, ou tudo!

O que começa a acontecer é que:

  • Começam a ocorrer um excesso de recurso por um lado. São aqueles que tem mas não usam os seus recursos de forma otimizada e produtiva;
  • Por outro lado começa a ocorrer escassez de recursos ou de tempo;
  • Alguns tem coisas que nem usam mais ou nunca usaram, outros nunca tiveram e querem experimentar;
  • Os atores percebem que a plataforma tecnológica prove rapidez e instantaneidade nas conexões;
  • Crescente confiança desses relações por conta das redes sociais e das aplicações de compartilhamento de “opiniões” e classificação das relações;
  • O compartilhamento de recursos aliado à plataforma tecnológica otimiza uso, racionaliza tempo, melhorando a sustentabilidade do ecossistema, melhorando a qualidade das relações entre as pessoas provocando não só a aproximação mas aumentando a diversidade dessas relações e, finalmente, cria um impacto social positivo;
  • Possibilidade de rentabilizar o excesso de recursos ou a disponibilidade de tempo de uns para com os outros;
  • Formatos antigos de se fazer as coisas não são mais viáveis em função do crescimento populacional que provocou aumento da demanda sem ter crescido a oferta;
  • A crescente urbanização que trouxe suas desvantagens como a dificuldade do deslocamento e a diversidade de gostos e visões das coisas;
  • As mudanças climáticas, provocando necessidades antes nunca tidas;
  • O esgotamento dos recursos naturais;
  • A crescente procura por prestações de serviços e produtos mais confiáveis e eficientes

Esse movimento, e a sensação de que está faltando alguma coisa que depois se avoluma e começamos a atropelar todas as nossas necessidades, por falta de quem possa fazer ou fornecer soluções, sempre existiu. Essa mudança sempre aconteceu, mas em menor intensidade. Devido a todos os fatores anteriores isso começou a ficar insustentável, tudo começou a ruir, sem termos a menor ideia da solução que poderíamos dar ou ter.

Daí surgiu um dispositivo móvel que é de cada um, um só meu, outro só seu, tornou-se a nossa identidade, e que podemos levar a qualquer lugar e fazer muitas coisas antes inimagináveis através dele, desse único instrumento que conhecemos como smartphone, mas claro sem esquecermos que é preciso um “fio de prata”, algo que possa ser o conector de tudo isso e que permita a nossa conexão por extensão, isso mesmo: internet.

Através do acionamento de um botão podemos “startar” uma infinidade de operações. Podemos fazer uma pesquisa sobre um fornecedor; sabe sobre os mais diversos valores e preços dos produtos ou serviços;  e após a análise, escolher e fazer a reserva imediata do recurso ou produto; também podemos fazer a consulta do tempo estimado da execução do serviço ou aquisição do produto; acompanhar o deslocamento do produto; ter o serviço ou produto em mãos sem muitas vezes nem precisar se deslocar; fazer e ter o “feedback” da transação comercial; efetuar o pagamento; ainda podemos classificar e qualificar o serviço ou produto de forma que já seja considerado imediatamente pelo sistema.

Isso tudo podendo ser feito à distância de alguns botões em mãos. Isso é uberização!

Veja o post sobre a ineficiência crônica da América Latina é uma fossa competitiva.