Mila Petrillo

Publicado em 5 ComentáriosCrônicas

Se você já foi fotografado por Mila Petrillo, pode anotar: os deuses têm alguma simpatia por você. Ela escolhe sempre o ângulo mais favorável, o aspecto mais relevante, a luz mais reveladora.

O mundo fica mais alegre, agitado e delicado quando Mila chega. Ela é animada por uma afetuosidade barroca, excessiva, indiscreta, que beira o escândalo.

Gentileza em Brasília 1

Publicado em Deixe um comentárioEntrevistas, Vídeos

O Profeta Gentileza passou por Brasília nas décadas de 1970 e 1980. Em plena ditadura militar, ele trazia uma mensagem subversiva: gentileza gera amor e paz! Era possível ver e conversar com ele no Restaurante Coisas da Terra, nos semáforos ou no entorno da Rodoviária. Não era por acaso que ele veio a Brasília. Tinha plena consciência da importância da repercussão que teriam suas mensagens na capital do país. A passagem de Gentileza por Brasília está registrada no documentário A mensagem do profeta, dirigido por Marcos Orsini, com fotografia de Marcelo Coutinho.

Gentileza em Brasília 2

Publicado em 1 ComentárioCrônicas

Sempre que alguém freia o carro e pede para que eu atravesse alguma via, imagino que está inspirado pela frase do profeta: “Gentileza gera amor e paz”. O profeta Gentileza morou em Brasília na década de 1980; eu o vi diversas vezes no Restaurante Coisas da Terra, com a estampa de Cristo, os olhos alucinados e a tabuleta com o lema sagrado. Ele era uma artista conceitual, a sua frase mobilizou um movimento pela delicadeza nas relações cotidianas.

Perfume imprevisto

Publicado em Deixe um comentárioCrônicas

Clarice Lispector era armada de radares poderosos de intuição. Em 11 de dezembro de 1970, ela conheceu a escritora Olga Borelli, de quem se tornaria amiga para sempre. O encontro está registrado na biografia Clarice – Uma vida que se conta (Edusp), de Nádia Battella Gotlib. Mas, um detalhe chama a atenção: na terceira vez em que elas se viram, Clarice convidou Olga para uma visita a seu apartamento. Lá, Olga se surpreendeu: Clarice havia escrito uma carta para propor a amizade.

Lava-jato no inferno

Publicado em 1 ComentárioCrônicas, Sem categoria

Estava ao lado de minha cama

atormentado pelas imagens

do planalto ardendo em chamas

quando tive uma alucinação

senti os pés perderem o chão

e vi os deputados federais

que venderam a alma a satanaz

para anistiar o crime do Caixa dois

se dirigindo à sala de um juiz

presos por algemas no inferno

com listras zebradas de presidiários

nos tailleurs importados e nos ternos.