O funk é caso de saúde pública?

Publicado em Crônicas

 

maxresdefault

Crédito: Reprodução/Youtube

 

 

Severino Francisco

Com apoio de 21.983 cidadãos, o empresário paulista Marcelo Alonso está propondo no Senado enquadrar o funk como “crime de saúde pública, à criança, aos adolescentes e à família”. Ele apresentou a sugestão de projeto pelo e-cidadania, do Senado, que permite a qualquer cidadão criar leis ou mudar as que já existem, se conseguir mais de 20 mil assinaturas de adesão em quatro meses.

 

Segundo a proposta do empresário, o funk carioca está associado a crimes como estupro, exploração sexual e consumo de drogas ilícitas. Se for aprovada, depois de passar por todas as comissões e votações em plenário, a sugestão do empresário pode ser transformada em lei. O projeto tem relator escalado: o senador Romário (PSB-RJ), frequentador de bailes funks, que já se declarou contra.

 

É saudável que se discutam esses temas no momento em que se alastram as práticas de estupros coletivos, de exploração sexual, de gravidez precoce e de outras violências contra as crianças e os adolescentes. Que cada um se responsabilize pelas mensagens que propaga. No entanto, criminalizar o funk como gênero é um equívoco e um ato de violência contra a liberdade de expressão. Nem todo funk faz apologia da violência ou degrada as mulheres. Agressões podem ocorrer em qualquer espaço.

Crédito: Passinho Brazil/Divulgação. Espetáculo Passinho Brazil.
Crédito: Passinho Brazil/Divulgação. Espetáculo Passinho Brazil: a inventividade da dança inspirada no funk

 

 

O funk é uma expressão legítima da juventude das classes populares. É muito inventivo do ponto de vista musical. Caetano Veloso já chamou a atenção para a fusão de batidas eletrônicas com pontos de umbanda de certas composições: “Eles começaram importando o Miami Bass para as festas. Depois, começaram a compor as próprias músicas. E colocaram uma batida que vem da umbanda e do maculelê. Então funk no Brasil hoje é uma coisa totalmente brasileira”, disse Caetano em entrevista a BBC.

No entanto, existe um abismo entre as músicas e as letras. Algumas apresentam uma imagem depreciadora, degradante e deletéria das mulheres. É algo de uma covardia revoltante.

 

O rock dos anos 1980 em Brasília é um exemplo do poder da música e da poesia em formar mentalidades. Despretensiosamente, a geração da Legião Urbana, do Capital Inicial e da Plebe Rude insinuou consciência crítica e inconformismo em várias gerações de adolescentes brasilienses e brasileiros.

 

Ane Sarinara, nascida na periferia, dançarina, é professora de história, em Osasco (SP). Ela usa o funk e o rap para ensinar os temas do currículo. Algumas vezes, ela utiliza só a música dos bailes funk e pede que os alunos inventem outras letras ou discutam sobre a imagem das mulheres. É uma iniciativa quixotesca e solitária, mas ela aponta para uma alternativa civilizadora: a educação e a cultura.

 

A polêmica chegou ao lugar certo: o Congresso Nacional, pois a classe política é a maior responsável pelas mazelas que envolvem o funk. A classe política se envolve com o crime organizado, pratica quase todos os artigos do código penal, desrespeita as leis, vende mandatos, negocia votações de projetos e cria leis para lavar os próprios delitos.

É ela quem rouba e desvia bilhões que deveriam ser investidos em educação, em saúde, em cultura e em direitos humanos. Que cada um assuma as suas responsabilidades.

4 thoughts on “O funk é caso de saúde pública?

  1. Sou a favor do extermínio do funk que, pelo que assistimos, faz, sim, apologia ao crime, às drogas, à exploração sexual, rebaixa as mulheres, tudo isso leva a um agravante perigoso: ao tempo em que a pobreza e o desemprego se alastram pelo país, o funk vem servindo como uma válvula escape para os nossos jovem, comprometendo o futuro do Brasil e destruindo famílias. Costumo comentar em roda de amigos: Se policial fosse pararia todo e qualquer carro ou “rodinha desses malandros e desocupados” que tivesse ouvindo esse tipo de “música”. Pois, com certeza, entre 80% a 90% dos abordados estariam envolvidos com os mais variados tipos de delinquência. Ou agimos agora ou, ao fecharmos os olhos para essa situação, estaremos comprometendo as futuras gerações e a harmonia em minhões de lares Brasil a fora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*