Gastos com Previdência e servidores reduzem recursos para investimentos, saúde e educação, alerta CNI

Publicado em Servidor

Primeira edição do Fato Econômico analisa as escolhas da política fiscal e destaca que reforma da Previdência e atenção à pressão por aumento do funcionalismo são decisivas para a retomada do crescimento. A indústria destaca que a reforma da Previdência e a contenção dos reajustes salariais aos servidores públicos são imprescindíveis para o futuro do país

Pressionado pelo crescimento dos gastos com a Previdência e o pagamento dos salários do funcionalismo público federal, o governo cortou as despesas com saúde, educação e investimentos. “O investimento desempenha papel de protagonismo na definição do potencial de crescimento da economia. Enquanto saúde e educação despontam sempre entre os serviços mais importantes na visão da população. Ou seja, comprometer esses gastos certamente traz prejuízos ao país”, avalia a Confederação Nacional da Indústria (CNI), no Fato Econômico.

Na primeira edição da publicação, a CNI analisa as escolhas da política fiscal a partir da evolução das despesas do governo federal de janeiro a maio deste ano. Os números mostram que os gastos com investimentos tiveram uma queda real de 46% de janeiro a maio deste ano em relação ao mesmo período de 2016. “Essa queda distancia ainda mais o país da taxa de investimento necessária para alavancar o crescimento”, analisa a CNI. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de investimento do Brasil no primeiro trimestre foi equivalente a 15,6% do Produto Interno Bruto (PIB), muito abaixo da média de 20% do PIB registrada em outros países em desenvolvimento.

Além disso, no acumulado de janeiro a maio os gastos não obrigatórios do Ministério da Educação tiveram uma redução real de 22,3% em relação ao mesmo período de 2016. Os do Ministério da Saúde diminuíram 2,5%. “É importante ressaltar que a queda não compromete o gasto mínimo do limite constitucional, mas pode limitar, na ausência de ganhos de eficiência, a entrega e/ou a qualidade de serviços prestados à população”, diz a CNI.

Os resultados do Tesouro mostram que os gastos com pessoal tiveram um incremento real de 7,6% de janeiro a maio deste ano frente ao mesmo período de 2016, excluídos os pagamentos de precatórios. “Esse comportamento é explicado, principalmente pelos reajustes salariais concedidos a servidores públicos federais no segundo semestre de 2016”, diz o Fato Econômico.

Os gastos com Previdência subiram 5,1% de janeiro a maio frente ao mesmo período do ano passado, excluídos os pagamentos de precatórios. As despesas previdenciárias já representam 41% dos gastos do governo federal. “Dada à contínua expansão das despesas e o envelhecimento populacional, sem uma reforma da Previdência, esses gastos comprometerão cada vez mais os recursos disponíveis para outras áreas e dificultarão a saída da crise fiscal”, afirma a CNI.

Diante desses dados, a indústria destaca que a reforma da Previdência e a contenção dos reajustes salariais aos servidores públicos são imprescindíveis para o futuro do país. “Caso contrário, teremos dificuldades para resolver a crise fiscal e ampliar a capacidade de crescimento econômico e sofreremos com a redução da oferta e da qualidade dos serviços públicos essenciais”, alerta a CNI.

ACOMPANHE O FATO ECONÔMICO – A nova publicação da CNI analisa e mostra os impactos de dados importantes para a economia brasileira. Dividido em três seções – A questão, Os fatos e As implicações – o Fato Econômico é mais uma contribuição da CNI para o debate dos grandes temas nacionais e a busca de soluções que promovam o crescimento econômico e social do Brasil.

 

  • alexandre assis

    Querem aumentar os recursos para Educação, Sáude e Segurança? Infraestrutura?
    Fácil. Basta os políticos pararem de perdoar dívidas bilionárias dos empresários que utilizam os recursos do BNDES e Banco do Brasil como se fossem contas particulares.
    O governo federal, ao longo dos últimos anos, renunciou a bilhões de reais em impostos e perdão de dívidas do empresariado. Isso obviamente secou o caixa da União. E o desemprego aumentou. Ou seja, embolsaram tudo e aumentaram seus lucros.
    Muitos deles, nem todos, é claro, inclusive estão presos ou indiciados em inquéritos policiais por pagarem propina aos deputados e senadores para aprovarem projetos de Lei que possibilitavam o perdão de suas dívidas. O que o funcionalismo tem a ver com isso?
    Outra coisa: Como teremos serviços públicos de qualidade com os profissionais servidores mal pagos, sem direito a reajuste?
    É a CNI que vai dar desconto para os servidores na hora que eles vão fazer compra no supermercado?
    A maioria do funcionalismo já não têm reajuste para repor suas perdas inflacionárias há décadas. O governo já economizou bilhões oferecendo apenas migalhas que surgem após a necessidade de meses de intensas greves.
    Os servidores estão com bilhões de reais retidos mensalmente na folha de pagamento via empréstimos consignados. Tiveram que se endividar nos bancos porque o salário sem ser reajustado não acompanha a inflação e a alta de gastos como aluguel etc. Tudo isso cobrado a juros criminosos. Essa dívida ninguém perdoa.

    Não precisa de reajuste além do índice inflacionário mas perdoem os empréstimos dos servidores que automaticamente retornam bilhões para economia. Ao invés disso os bancos abocanham tudo.Parem de mentir à população!!

  • xandixsp

    Apagaram minha postagem, né?
    Isso é que é debate democrático kkkkkk
    Uma parte fala e a outra escuta sem direito a comentar. kkkkkk

  • xandixsp

    Esse é o “blog do servidor” ????!!! kkkkkk
    Pensei que os servidores públicos pudessem se manifestar perante às notícias, principalmente as noticias mentirosas e tendenciosas que insistem em esconder a verdade e tentam jogar a população contra os trabalhadores do setor público, imputando-lhes a culpa pela situação político/econômica atual.
    Apagaram meu comentário.
    Podem ficar sossegados que eu não vou mais perder meu tempo com esse blog.
    Não existe debate no Brasil. Apenas o lado que fala o que quer (governo, empresários, grande mídia etc) e outro que escuta sem direito a resposta ou um simples comentário (servidores públicos, trabalhadores, aposentados etc).
    kkkkkkk Lamentável!!
    “Blog do servidor” kkkkkk

  • DETONADOR DA VILA

    Onde estavam os “NOTÁVEIS” do CNi? Que NÃO QUESTIONARAM, E NEM ENXERGARAM OS MAUS FEITOS de 32 anos da nova república, em que o DESEMPREGO E EMPREGUISMO DESENFREADO MAIS CRIMINOSO DO PAÍS? E o CNi, o que tem a dizer dos seus filiados, que com suas práticas Criminosas, danosas,improdutivas,no salão azul/verde do Eixo Monumental, assolaparam de gentalhas corruptas,que desviaram TRILHÕES DE REAIS em “investimentos surreais”SÓ nos últimos 23 anos,retroagindo 50 anos de sacrifícios a esmo?

  • Maxuell Smartt Gomes

    – O Servidor público é então o responsável por tudo de ruim que tem no Brasil. – Já conheço essa historinha, vão meter a mão no bolso do servidor e nada farão em benefício da população. Quem vai se dar bem serão os bancos privados vendendo previdência. Anota aí.