RUDINEI MARQUES É O NOVO PRESIDENTE DO FÓRUM

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Rudinei Marques, presidente do Unacon Sindical, foi eleito novo presidente do Fórum Nacional Permanente das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate). A eleição realizada durante a assembleia geral nesta terça-feira, 17 de novembro, definiu o Conselho Executivo e o Conselho Fiscal responsáveis pela gestão 2016-2018. Marques, que exerceu o cargo de secretário-geral na gestão anterior, foi eleito com 13 dos 23 votos. Daro Piffer, presidente do Sinal, assume a Secretaria-Geral. Nas quatro vice-presidências, estarão presentes Afipea Sindical, Auditar, Sinait e Aner. “O nosso desafio é qualificar ainda mais nossa interlocução com os agentes políticos do país e mesmo com instâncias internacionais. Temos que fortalecer nossa atuação no Congresso Nacional, aprimorar nossa relação com a mídia e, ainda, desbravar caminhos de articulação internacional”.

 

Confira a nova composição:

 

Conselho Executivo

Presidente: Rudinei Marques (Unacon Sindical)

1º Vice-Presidente (Financeiro): Fábio Schiavinatto (Afipea Sindical)

2º Vice-Presidente (Administração e Patrimônio): Paulo Martins (Auditar)

3º Vice-Presidente (Comunicação): Carlos Silva (Sinait)

4º Vice-Presidente (Relações Institucionais): Thiago Botelho (Aner)

Secretário-Geral: Daro Piffer (Sinal)

 

Conselho Fiscal

Conselheiro Titular: Vilson Romero (Anfip)

Conselheiro Titular: Manoel Isidro (Fenafisco)

Conselheiro Titular: João Aurélio de Sousa (Anesp)

Conselheiro Suplente: Nilton Paixão (Sindilegis)

Conselheiro Suplente:  Carlos Eduardo Benito (Adepol)

ENTIDADES REPUDIAM AUMENTO DE 37,55% DA GEAP

Publicado em 1 ComentárioSem categoria

Anfip, Anasps, Anpprev, Fenadados e CNTSS repudiam, de forma veemente, o reajuste de 37,55% nas mensalidades dos planos de saúde para 2016, aprovado por maioria pelo Conselho de Administração da Geap Autogestão em Saúde (Conad) nesta terça-feira (17), muito acima da inflação e do percentual aplicado pelo mercado dos planos privados.

 

As entidades ressaltam que os servidores públicos federais já sofrem com a defasagem salarial agravada pela imposição de reajustes muito aquém das perdas acumuladas, e adiados em prol do ajuste fiscal. O aumento abusivo aprovado pela Geap contribui mais ainda para a pauperização do funcionalismo.

 

As entidades reiteram sua manifestação contraria à Resolução/Geap/Conad nº 99, que estabeleceu o aumento ora repudiado, acompanhando a posição contraria dos seus representantes eleitos no Conad, vencidos pelo voto de minerva do presidente  do referido órgão, indicado pelas patrocinadoras.

 

Pela transparência no Geap Autogestão em Saúde!

 

Em defesa da saúde do Servidor Público Federal!

 

 

ANFIP – Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil

ANASPS – Associação Nacional dos Servidores da Previdência Social

Anpprev – Associação Nacional dos Procuradores e Advogados Públicos Federais

Fenadados – Federação Nacional dos Empregados em Empresas e Órgãos Públicos e Privados de Processamento de Dados, Serviços de Informática e Similares

CNTSS – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social

VARA DE EXECUÇÃO FISCAL DO DF É FINALISTA DO PRÊMIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL 2015

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

O programa Conciliar é um Atitude desenvolvido na Vara de Execução Fiscal do DF, coordenado pela juíza Soníria Campos, está entre os 10 finalistas que concorrem ao Prêmio Nacional de Educação Fiscal de 2015. O concurso é realizado pela Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), em parceria com a Escola de Administração Fazendária (Esaf), e também conta com o apoio do Correio Braziliense.

O anúncio dos 10 finalistas foi feito pelo primeiro vice-presidente da Febrafite, Lirando de Azevedo Jacundá, no dia 5 de novembro. O prêmio tem o objetivo de resgatar a função social dos impostos, o acompanhamento dos gastos públicos e disseminar a informação sobre quais são os tributos, quais as políticas públicas são financiadas por eles, como se arrecada, como e onde se aplicam e como fiscaliza sua alocação, promovendo a transparência da arrecadação e sua aplicação.

“É fundamental para desenvolvimento do país que o cidadão contribuinte saiba interpretar o que dizem os orçamentos públicos, como são geridos e como os recursos neles previstos são aplicados”, ressalta o presidente da Febrafite, Roberto Kupski, que também chama a atenção para o “exercício de cidadania por meio da educação fiscal”, como ferramenta para esclarecer os direitos e os deveres do Estado, da sociedade e do contribuinte.

Conciliar é uma atitude – Conciliação Fiscal Integrada

O projeto da Vara de Execução Fiscal do TJDFT dá celeridade e efetividade aos processos de execução fiscal; promove a cidadania tributária e a educação fiscal e fomenta a mudança de cultura da execução fiscal.

Com o programa, são realizadas audiências de conciliação fiscal individuais e coletivas, de acordo com critérios estratégicos definidos pelo juiz da Vara que classifica internamente os processos como pequenas dívidas, que são processos de execução de até R$ 100.000,00; em médias dívidas, consideradas acima de R$ 100.000,00 e até R$ 500.000,00; e grandes dívidas, compreendendo valores superiores a R$ 500.000,00.

 

A atualização do débito e demais informações são obtidas pelo Sistema Integrado de Tributação e Administração Fiscal, da Secretaria de Estado de Fazenda do DF, por meio do CPF ou CNPJ do devedor.

O projeto realiza campanhas educativas e de conscientização para a recuperação do crédito público e regularização fiscal do contribuinte e, consequentemente, o pagamento e o parcelamento do débito, reforçando a necessidade de todos estarem em dia com o fisco.

A edição 2015 do Prêmio recebeu mais de cem projetos de Pessoas Jurídicas de quase todo o País. No dia 24 de novembro serão entregues aos cinco primeiros troféus e premiações em dinheiro no valor de R$ 15 mil e R$ 10 mil para o primeiro e segundo lugares, na categoria Instituições; e R$15 mil, R$ 10 mil e R$ 5 mil na categoria Escolas, na grande noite de premiação que acontece na Embaixada de Portugal, em Brasília.

Quem apoia o Prêmio

O Prêmio Nacional de Educação Fiscal tem o patrocínio da Petrobras, do Banco de Brasília (BRB) e apoio institucional das associações filiadas, do Correio Braziliense, do Conselho Federal da Ordem dos Advogados (OAB) do Grupo Globo, do Encontro Nacional de Coordenadores e Administradores Tributários Estaduais (Encat), do Centro de Interamericano de Administração Tributária (Ciat), da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), do Fórum Nacional de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) e do Portal Congresso em Foco.

Conheça os Finalistas 2015

CATEGORIA ESCOLAS

Projeto Educação para Cidadania Fiscal

Colégio da Polícia Militar Nader Alves dos Santos

Coordenadora: Maria Bárbara de Paiva Machado Teles

Aparecida de Goiânia (GO)

Projeto Educação Fiscal: Aprendendo Cidadania

Escola Municipal Irmã Magdaline

Coordenadora: Rosemere Maria da Silva Lima

Barroso (MG)

Projeto Gentileza Gera Gentileza e Cidadania

Escola Municipal Rosália Andrade da Glória

Coordenadora: Célia Aparecida Gabriel

Congonhas (MG)

Projeto Pequeno Cidadão, Educação Fiscal na Educação Infantil: Aprendendo a Reconhecer a Função Social dos Tributos

Escola CMEI Professor Wilson Mota dos Reis

Coordenadora: Gabriela Karolina Riker Sousa

Manaus (AM)

Projeto Conscientização Fiscal

Escola EMEF Profª Aresmi Juraci Tavares Rodrigues

Coordenadora: Andreia Barcia Chaves

Santa Vitória do Palmar (RS)

Projeto Educação Fiscal: Cidadania e Diversão

Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Antônio de Sousa Pedroso – Indígena Borari

Coordenadora: Marlene Rodrigues Fonseca

Santarém (PA)

CATEGORIA INSTITUIÇÕES

Projeto Conscientizar para Preservar o Mundo- Lições de Cidadania

Prefeitura da Estância Turística de Avaré (Secretaria Municipal de Educação)

Coordenadora: Adalta Aparecida Marani

Avaré (SP)

Programa Conciliar é Uma Atitude (Conciliação Fiscal Integrada)

Vara de Execução Fiscal do Distrito Federal – TJDFT

Coordenadora: Soníria Rocha Campos D`Assunção

Brasília (DF)

Programa Municipal de Educação Fiscal Construindo a Cidadania no Oeste do Pará

Prefeitura de Santarém

Coordenadora: Regina Socorro Siqueira Sousa

Santarém (PA)

Programa Educação Fiscal – Aprendendo na Escola

Prefeitura de Planalto

Coordenador: Márcio Eliel Martins

Planalto (RS)

 

Saiba mais sobre o prêmio nos link www.premioeducacaofiscal.com.br/ e facebook.com/PremioNacionalEducacaoFiscal/

CÂMARA VETA REAJUSTE DO JUDICIÁRIO

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Faltaram 6 votos para que os deputados derrubassem medida da presidente Dilma Rousseff que bloqueou o aumento médio de 57% nos salários dos funcionários do Judiciário. Com o resultado, assunto não chegou a ser submetido ao Senado

 

Marcella Fernandes 

Julia Chaib

 

Em sessão conjunta do Congresso, deputados mantiveram o veto da presidente Dilma Rousseff ao reajuste salarial de até 78% para servidores do Judiciário. Eram necessários 257 votos para que o veto fosse derrubado, mas os opositores só conseguiram 251 votos, seis a menos do que necessários. Com a decisão, não chegou a ser necessário que senadores apreciassem o tema. O resultado foi considerado uma vitória para o governo. A derrubada causaria um impacto de R$ 36,2 bilhões entre 2015 e 2019 nas contas públicas, segundo o Ministério do Planejamento. Até o fechamento dessa edição, outros vetos polêmicos, incluindo o referente à extensão da política de valorização do salário mínimo a todos os aposentados e o veto ao financiamento público de campanha eleitoral, não haviam sido apreciados.

O reajuste era o ponto mais polêmico dos 13 vetos presidenciais incluídos na sessão de ontem. Após a votação, servidores nas galerias do plenário vaiaram o resultado e gritaram palavras de ordem, como “parlamentar, pode esperar, a sua hora vai chegar”. Houve um princípio de tumulto, mas foi controlado. Na tribuna, governistas e oposicionistas revezaram argumentos favoráveis à austeridade fiscal e ao aumento para a categoria. Em uma tentativa de atrasar a pauta, o PSDB pediu a parlamentares para não registrarem presença e o DEM apresentou uma questão de ordem a fim de postergar a votação.

Ao longo do dia, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), destacou a necessidade de fazer um esforço para não adiar as votações, porque novos vetos voltarão a trancar a pauta a partir da próxima semana. Em reunião no Senado durante a tarde, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, reforçou o desejo do governo federal pela manutenção dos vetos, aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2016 e da repatriação de recursos depositados ilegalmente no exterior. “As pessoas estão pondo o interesse do Brasil na frente”, disse. Em outubro, as sessões para analisar os itens das chamadas pautas-bomba chegaram a ser adiadas em dois dias consecutivos por falta de quórum dos deputados.

Foi convocada para a manhã de hoje nova sessão conjunta para dar continuidade às votações. O Planalto espera aprovar a nova meta fiscal de 2015, referendada na tarde de ontem pela Comissão de Orçamento do Congresso. O texto autoriza o governo a registrar deficit de até R$ 119,9 bilhões neste ano.

Impacto

Para o líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), a manutenção do veto do Judiciário é fruto do empenho da base governista em dar quórum, e também de parte da oposição que não votou pela derrubada. “Foi uma vitória história, uma virada de página, dialogamos, articulamos”, comemorou. Ele destacou que não seria justo um reajuste dessa grandeza apenas para uma categoria e que o aumento teria uma impacto insustentável para as contas públicas. O governo já esperava o resultado. Em reunião de líderes com o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, pela manhã, parlamentares apresentaram cenários com a prévia da votação das bancadas e a expectativa do governo era de uma vitória apertada.

Durante o encontro, foi pedido empenho para a rejeição das pautas-bomba. O Planalto liberou parlamentares sobre o veto da reforma política, por considerar que a restrição feita por Dilma se baseou em um critério técnico, após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir pelo fim do financiamento privado de campanha. O entendimento é que a liberação de cargos foi suficiente para unir a base e pacificar o PMDB. Também atribuíram a melhora no clima ao diálogo aberto após o redesenho da Esplanada pelos ministros Berzoini, Jaques Wagner (Casa Civil), Marcelo Castro (Saúde), André Figueiredo (Comunicações) e Celso Pansera (Ciência e Tecnologia).

 

OS PADECIMENTOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Por Paulo César Regis de Souza (*)

 

Os servidores federais públicos do Brasil, desde José Sarney, são vítimas de uma opressão sistemática que parece não ter fim.  São bodes expiatórios de governos incompetentes. Governos após governos nenhum deles olhou com respeito e dignidade como fomos considerados no Império e na Republica, até Sarney, por imperadores e presidentes.

Uma das maiores injustiças, para não se dizer excrescências, implantadas de Sarney para cá foi a instituição do vencimento básicos, que foi nivelado por baixo e continua abaixo do nivelado, o que vitimou uma geração de servidores, com profundos desajustes na remuneração. Os vencimentos não guardam a mínima relação com cargos e salários do setor privado o que rebaixa a dimensão dos servidores. Para atenuar os prejuízos, o governo chegou a implantar para várias categorias as Gratificações de Produtividade, que não medem produtividade de coisa nenhuma. Teve categorias que chegaram a contar com três gratificações simultâneas, com vencimento básico aos das rés do chão.

A perfídia e a ignominia foram utilizadas pelo Executivo para frustrar os servidores que poderiam se aposentar e não o fazem porque as gratificações deixaram de ser incorporadas.

Há ainda a assinalar a odiosa e criminosa exclusão das camadas mais pobres da população, privadas de serem funcionários públicos federais. Isto ocorreu com a terceirização dos serviços gerais tais como portaria, recepção, conservação, limpeza, segurança, transporte, etc. Os que ficaram no setor publico estão em cargos em extinção. Não houve mais concursos públicos para o acesso dessas pessoas humildes ao serviço público federal. E sabem por que? Porque esta massa de gente humilde não poderia ter aposentadoria integral do Regime Único e, como terceirizados, foram para o Regime Geral de Previdência Social (RGPS)

Os nossos reajustes de vencimentos passaram por tormentosos complicadores. Teve ano sem aumento, ano com aumento zero, ano com aumento de um por cento! As perdas salariais só nos 13 anos do PT se elevaram a mais de 60%. No Executivo, entretanto, inventou-se os servidores de 1ª. classe, que foram embarcados nas chamadas carreira de Estado, e o resto foi enviado à 2ª classe e embarcados num trem na Central do Brasil para o inferno…. Na 1ª. classe estão os que recebem por subsídios, incorporando as gratificações nas suas aposentadorias. Médicos e profissionais de nível superior e professores lutam para pegar o vagão da 1ª. classe, sem perspectivas.

No 1º quadriênio da presidente Dilma, os servidores federais tiveram uma política de remuneração que apenas ampliou as nossas perdas salariais. Nem a inflação foi reposta. As justificativas foram as mais inaceitáveis, embora nunca e em tempo algum, de 1995 a 2014, os gastos com os servidores ultrapassaram os limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal-LRF, de 50% da Receita Corrente Liquida da União, de 28,8% em 1995 a 13% em janeiro de 2013. Fechou 2014 com 17,9%. O que não aconteceu com outras despesas que fraudaram a LRF, como as “pedaladas fiscais”, e expuseram a química na manipulação do orçamento e do descumprimento da LRF.

No 2º quadriênio, há ameaças de aumento zero para os servidores e de 300% para o fundo dos partidos políticos, para proselitismo e demagogia! O Ministério do Planejamento com o seu natural desprezo e descaso com os servidores olha mal e porcamente para o futuro de 2 milhões de servidores (1 milhão de ativos, 537,1 mil aposentados e 402 instituidores de pensão).

Os servidores perderam a capacidade de   responder pronta e adequadamente às necessidades da população.  Foram e são diuturnamente maltratados pelo Executivo, de forma deliberada. O
Estado está sucateando a máquina pública que sobrevive, e não corresponde aos anseios e esperanças das populações.

A falta de respeito à cidadania e aos direitos de 200 milhões de cidadãos decorre da inexistência de políticas públicas igualmente para os servidores, que são o lado visível, a cara do Estado.

As críticas feitas cotidianamente às áreas de saúde, educação, segurança, transporte, polícia, assistência, emprego e renda se avolumam. O Estado que deveria dar proteção nessas áreas
recuou e está acuado nas mãos de uma governança incapaz.  Os servidores estão desmotivados e são os primeiros a serem ofendidos em represália. Muitos apanham inclusive. Como agentes públicos estão amarrados e indefesos.

Ameaçar os servidores com zero de aumento no 1º semestre de 2016, é uma afronta. Somos, todos, vítimas de uma política que nos empurra para uma queda de 3% do PIB. Somos realmente bodes expiatórios de um desastre anunciado. Quem deveria pagar a conta escudados numa política fiscal desastrosa, é covardia. Algo tem que ser feito para que se dissipe o horizonte de incertezas plantado na proposta orçamentária de 2014, acarretando insegurança e intranquilidade aos servidores.

Vejam o exemplo do INSS com 10 mil servidores em condições de se aposentar e não o fazem porque terão 70% de redução nos seus vencimentos. A governança administrativa do INSS está ameaçada, a Previdência está ameaçada. Isto numa instituição que tem 60 milhões de contribuintes e 32 milhões de beneficiários e 32 mil servidores, mal remunerados e insatisfeitos.

A Anasps há muito tempo chama a atenção disso destacando as mazelas e dificuldades.  Parece que surdos, mudos e iletrados nos governam e ignoram os clamores da razão e do bom senso.

(*) Paulo César Régis de Souza é vice-presidente executivo da Associação Nacional dos Servidores da Previdência e da Seguridade Social.

EXAGEROS DE CARGOS COMISSIONADOS NOS MINISTÉRIOS

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

A Unafe denuncia distorção, mau uso e elevado número de cargos comissionados na AGU.

A União dos Advogados Públicos Federais do Brasil (Unafe), entidade representativa das quatro carreiras jurídicas da AGU, defende a extinção de cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS) no Órgão.

Diversas Consultorias Jurídicas da esplanada dos ministérios, por exemplo, possuem mais cargos em DAS disponíveis do que membros da AGU efetivamente lotados nas unidades.

Nos Ministérios das Comunicações, da Defesa e da Saúde são 15 membros da AGU para 27 cargos disponíveis, 14 membros da AGU para 27 cargos disponíveis e 16 membros da AGU para 27 cargos disponíveis respectivamente.

O Diretor-Geral da Unafe, Roberto Mota destaca que os cargos não apresentam fim prático na defesa da União e, muitas vezes, servem apenas para fins políticos.

SERVIDOR GANHA MAIS

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

O rendimento médio real dos servidores públicos e dos militares teve alta de 3,3% e passou de R$ 2.858 em 2013 para R$ 2.951 no ano passado. A remuneração de quem tem o governo como patrão é 66,3% maior do que o salário médio dos trabalhadores brasileiros, que chegou a R$ 1.774 em 2014. No Centro-Oeste, o contra-cheque dos estatutários e dos militares supera a média nacional: R$ 4.183. O maior reajuste, entretanto, se deu nos salários empregados domésticos sem carteira assinada: 4,4%.

O rendimento do trabalho também continuou a subir no ano passado, embora a um ritmo bem menor que o observado em anos anteriores. A renda avançou 0,8%, de R$ 1.760 em 2013 para R$ 1.774 em 2014 em termos reais, ou seja, já descontando a inflação. Em 2013, o aumento da renda tinha sido de 3,9%. Em 2012, esse ganho foi de 5,5%, depois de alta de 8,1% em 2011. “O rendimento continua crescendo, mas não é tão forte. Aqueles ganhos de rendimento não são mais observados”, explicou Maria Lucia Vieira, gerente da Pnad.

Os empregados e trabalhadores domésticos receberam em média R$ 1.603 em 2014, 1,4% a mais do que no ano passado. Os trabalhadores de carteira assinada tiveram alta de 1,3% nos salários e os domésticos registrados 2,8%. Para todas as categorias de emprego, os menores rendimentos médios foram registrados no Nordeste, com média de R$ 1.136. Já os com carteira assinada, os maiores salários eram pagos no Sudeste: R$ 1.862. (AT)

DIA MUNDIAL DA GENTILEZA: TRÊS DICAS DE COMO SER MAIS GENTIL

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

A gentileza é algo raro na sociedade de hoje. Atitudes gentis fazem toda a diferença nas relações interpessoais

No dia 13 novembro é comemorado o Dia Mundial da Gentileza. E o que esse dia tem de especial? Não se trata de uma data muito popular, mas o momento é oportuno para questionar e entender a importância dessa virtude. “A gentileza é a base para qualquer relacionamento social, sem a polidez e a educação não existe virtude nenhuma. Inclusive, ela é o primeiro ponto de socialização da criança. A primeira coisa que os pais ensinam aos filhos é dizer ‘obrigado’. Na prática, eles estão ensinando gentileza”, afirma a psicoterapeuta Maura de Albanesi.

Sabia que as pessoas gentis são mais felizes? Maura explica que quando somos gentis, recebemos gentileza em troca, isso nos traz satisfação e nos sentimos bem. A psicoterapeuta ainda completa: “quem age de maneira agressiva, obviamente, cultiva agressividade. Não tem como ser generoso, sem ser gentil e educado. A gentileza é o terreno onde as virtudes podem pousar”. E para ser uma pessoa mais gentil, ela recomenda três dicas:

1 – Não confunda gentileza com falsidade. “Mesmo que você não goste de uma determinada pessoa, não significa que deve tratá-la com grosseria. Seja gentil com ela, isso não o torna falso, ao contrário – você demonstra ao outro que é educado”, afirma.

2 – Seja sempre respeitoso com todos. “Tenha respeito pelas pessoas, faça a sua parte e não espere ser retribuído. Não se esqueça de que gentileza sempre gera gentileza”.

3- Você pode ser gentil sem deixar de ser autêntico. Muitas pessoas confundem autenticidade com sinceridade extrema, atitude que muitas vezes fere e magoa o outro. “Você não precisa deixar de ser autêntico para ser gentil. A gentileza é a base da empatia e, normalmente, ninguém cria empatia com pessoas grosseiras. Nada justifica ser grosseiro”.

Sou gentil e não sou bobo

Ao contrário do que muitos pensam, ser gentil não significa ser bobo. “Isso não quer dizer – de forma alguma – que a pessoa seja influenciável. Ser gentil é ser respeitoso. O gentil faz aquilo que acha ser bom para a relação, ele não está sendo manipulado pelo outro. É mais inteligente ser gentil, do que não ser”.

Maura também lembra que é possível dizer ‘não’ e ao mesmo tempo demonstrar gentileza. “Depende da maneira como você vai dizer esse ‘não’. Muitas vezes, você pode falar ‘não’ de uma forma muito educada ou um ‘sim’ de maneira ríspida. Qual resposta é melhor ouvir? A fala mais gentil, claro”.

Tornar as pessoas especiais

De fato, existem pessoas que têm mais dificuldade em ser gentis, enquanto outras esbanjam gentileza com naturalidade, mas essa virtude está ao alcance de todos. Maura afirma que a essência da gentileza está, basicamente, em tornar as pessoas especiais e também sentir-se especial.

“As pessoas querem apenas ser especiais e não fazem questão de que o outro também se sinta especial. Mas saiba que você somente é especia, se consegue fazer com que a outra pessoa se sinta igualmente especial”, recomenda a psicoterapeuta.

Fonte: Maura de Albanesi é mestranda em Psicologia e Religião pela PUCSP, Pós-Graduada em Psicoterapia Corporal, Terapia de Vivências Passadas (TVP), Terapia Artística, Psicoterapia Transpessoal e Formação Biográfica Antroposófica, atua com o ser humano há mais de 30 anos. www.mauradealbanesi.com.br.

 

Brasília, 12h05min