Mãos de defunto

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Eu nunca havia entendido porque o cemitério de Brasília se chama Campo da Esperança. O dicionário ensina que esperança é a crença em que alguma coisa muito desejada vai acontecer e acho que posso falar pela maioria: embora seja inevitável, ninguém espera morar ali. Pelo menos não tão cedo. O Zé Natal, que trouxe o primeiro ovo de seriema para […]

O preço da lágrima

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Evito cemitérios. Não chega a ser uma coimetrofobia como a de Jorge Amado, que nem depois de morto entrou em um deles, já que pediu para ser cremado. Mas há uma certa repulsa pelos chamados campos santos e compromissos fúnebres. No campo da esperança é ainda pior, porque é preciso se desviar das covas que são marcadas apenas por uma […]