Um divã no botequim

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Convenhamos que bar não é lugar para discutir relação. Mas como hoje ninguém tem lugar para nada e a vida privada escorre pela latrina, lá estava o casal tentando acertar os ponteiros. Antes, porém, devo esclarecer que não caí na tentação de fazer fofoca; o que segue é só um caso mundano, cheio de testemunhas involuntárias. A moça parecia confundir […]

Canjebrina, a assassina

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

O rapaz tem pinta de ser um brasileiro que sua para viver. O frio da noite nesta temporada de seca pedia casaco e até um pouco mais, mas ele ainda estava em mangas de camisa quando entrou no bar e, sem economizar na altura da voz – um amigo meu, preconceituoso, diz que pobre só fala gritando – pediu: – […]

Boteco à distância

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

A noite ainda começava a cair quando nosso amigo entrou no bar reclamando que nasceu na época errada. Antes de prosseguir com o lamento, é necessário dizer que no boteco não é de bom tom – sim, há uma etiqueta – ficar inquirindo os parceiros, até porque quase sempre a amizade se limita àquele determinado local; fora dali, pessoas que […]

De volta ao bar

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Os amigos estão reaparecendo em pleno inverno. Parece que a autorização oficial para a reabertura dos botecos foi a senha da retomada das atividades sociais, embora muita gente ainda esteja cabreira e sem coragem de enfrentar o tal vírus de peito aberto. Esses preferem a segurança do telefone. Logo na primeira hora o Faixa ligou. “Vai hoje?”, perguntou antes de […]

Cidadãos exemplares

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Meu amigo já tem mais de 70 anos. Bem mais. Duplamente aposentado, tem boa renda, paga seus impostos e, mesmo sem precisar, vota em toda eleição e ainda briga pelo candidato escolhido. Até no clube. Participa do grupo da paróquia ao lado da esposa, é bem informado, inteligente e gosta de ler. É o tal cidadão exemplar. Mas já faz […]

O velho boteco no novo normal

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Faz mais ou menos 12 mil anos que os homens decidiram parar de zanzar de um lado para outro e começaram a se juntar em vilas. Nesta época algumas pessoas começaram a exercer ofícios: uns começaram a produzir roupas, outros faziam armas e ferramentas, alguns cultivaram alimentos e domesticaram animais – nascia o comércio. Nenhum paleontólogo confirma, mas é quase […]

O sommelier de pinga

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Toda vez que via um sommelier cuspindo o vinho que acabara de provar, meu amigo reclamava: “Que desperdício! Se fosse eu bebia tudo”. Era só um chiste, nunca gostou de vinho, jamais abandonou a dourada cerveja – antes a faixa azul da Antárctica, hoje dando preferência à Original ou Stella Artois. Não é apenas uma preferência; desde a adolescência derruba […]

Eu, o terrabolista

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Sentado, assistia a vida passar pela W3 Norte diante de uma garrafinha de cerveja, meio irritado porque haviam acabado os tremoços – não há bom botequim sem um estoque decente de tremoços, reclamei ao garçom. É duro ter que se contentar com cebolinhas em conserva; mas o mau humor foi interrompido. O Terraplanista havia chegado. Eu já havia me encontrado […]

O cortador de piada

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Contar piada é uma arte. Há o contador minucioso, que entra em detalhes, sai do trilho e, quando menos se espera, volta para o arremate, normalmente rindo mais do que quem ouve a história pela primeira vez; há o conciso, que usa poucas frases e normalmente é cortante, frequentemente maldoso; o histriônico, que muda a voz, se levanta, interpreta e […]

Poesia e poetas

Publicado em Deixe um comentárioCrônica

Não é raro ver um sujeito escrevendo num guardanapo, enquanto sorve uma cervejinha, um conhaque, um daiquiri… São os poetas de bar, movidos a álcool, inspirados pela musa que mora no fundo das garrafas. Ou não. Há também a poesia sóbria. Advogado de profissão, ele tem chegado para a etílica reunião meia hora mais cedo. É o tempo que tem […]