Impossível não notar ovos de Páscoa em ameaçadores displays nos mercados da cidade
pascoa_mariza Impossível não notar ovos de Páscoa em ameaçadores displays nos mercados da cidade Impossível não notar ovos de Páscoa em ameaçadores displays nos mercados da cidade

Ovos, coelhos, peru, vinhos e o temível efeito retardatário: Silhueta agredida

Publicado em Comportamento

É quase missão impossível passar incólume pela Páscoa sem medo do depois — A visão da silhueta agredida

Das celebrações obrigatórias, a Páscoa, apesar de deliciosa e aguardadíssima, é a mais perigosa para os já crescidinhos, é claro. Com raras e honrosas exceções, é a desculpa para rega-bofes infindáveis com almoços e jantares de mesas fartas com cardápios pouco leves se a tradição for mantida.

Vejamos: quando o calendário colabora, o feriado é prolongado e o dolce far niente começa logo na quinta-feira. Como neste ano da graça de 2018. Então, com hóspedes ou não, há que se abastecer despensa e adega para bem desfrutar os dias de folga.

A começar por uma ida ao supermercado e daí já começa um “massacre psicológico” do qual ninguém escapa. Sobre a cabeça do consumidor pairam ameaçadores ovos pendurados numa espécie de pérgula, estrategicamente erguida no meio de um corredor que, por sua vez, é caminho obrigatório para quem vai às compras, independentemente do bem a ser adquirido. A bem da verdade, para qualquer lugar que se olhe, ameaçadores, lá estão os chocolates-símbolo da Páscoa.

Nada a fazer além de entrar na onda – deixar de lado o mau humor e se organizar para comemorar a data como manda a tradição, com a família e amigos ao redor da mesa, prontos para encarar o peru-assado-recheado-com-farofa, acompanhado por arroz de passas, uma boa salada de folhas, para quem gosta e sabe fazer, maionese (de vidrinho, jamais…), refrigerantes e vinhos que se forem de boa cepa, melhor.

Coelhos de chocolate, ovos de Páscoa e outras guloseimas típicas podem substituir a sobremesa
Coelhos de chocolate, ovos de Páscoa e outras guloseimas típicas podem substituir a sobremesa

Se é para fazer graça, ficará simpático presentear os convivas com chocolate – ovinho ou ovões, coelhos e por aí vai. Com isso, fica dispensada a sobremesa. Porém, se for do agrado do anfitrião, servir frutas será apropriado. Musse de chocolate, pelamordedeus, não!!!

Deixo uma sugestão para as mais prendadas que vão receber adultos-que-trazem-crianças: preparar pequenos ninhos com ovinhos, esconder no jardim ou onde quiser e ocupar os miúdos com a procura do presente que o coelho deixou.

Uma coisa é certa – tais festas são a desculpa perfeita para comer e beber sem preocupação com a dupla peso&medida. Melhor aproveitar o momento porque não é novidade para ninguém que os sólidos e os líquidos consumidos desbragadamente em datas como Páscoa, Natal, Ano Novo e aniversários são praticamente bombas de efeito retardatário com poder de agredir a silhueta. Mas dão prazer e isso não tem preço.

De mais a mais, existem por aí doutores em dietas que garantem ser milagrosas, comidinhas light and diet além do Parque da Cidade que, garantem os entendidos, é perfeito para as caminhadas diárias de centenas e centenas de metros, tiro e queda na queima de calorias.  Feliz Páscoa!!!!!!!!!!!!!!!

86 thoughts on “Ovos, coelhos, peru, vinhos e o temível efeito retardatário: Silhueta agredida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*