cozumel2 2018. Crédito: Cozumel Mex Bistro/Divulgacao. Burrito com nachos e guacamole

Restaurante Cozumel oferece a típica comida mexicana

Publicado em

Que negócio abririam uma professora aposentada e um médico pediatra (ainda na ativa) com espírito empreendedor e loucos por gastronomia? Restaurante, é claro. Depois de visitarem a maior ilha do México, no mar do Caribe, numa viagem para Cancún, Adriana Pimentel e Olavo Medeiros Müller decidiram fundar um bistrô mexicano.
“Ao conhecer Cozumel, nós concluímos que deveríamos ter passado mais tempo na ilha do que em Cancún”, explica Adriana, uma chef autodidata, apaixonada por culinária mexicana, que já foi dona do pequeno restaurante Vila Adriana. O espaço funcionou por dois anos (2004-2006) no Jardim Botânico. A família dela é bastante envolvida com sabores. O irmão Flávio toca com a mulher o Buffet Márcia Pimentel e a sobrinha Catarina Melo é consultora gastronômica.
Há dois anos, Adriana abriu com uma sócia, no bloco B da 213 Sul, a Compartilharte Espaço Colaborativo, que, além de diversidades, oferecia risoto na sobreloja, chamado Roof Top bistrô. A cozinha do subsolo foi alugada para o El Chicano, que servia em mesinhas na parte externa do térreo cardápio típico de taqueria, mas também tinha combo. Quase ao mesmo tempo, o restô fechou e a sócia também desistiu da loja.

Combo é o máximo

2018. Crédito: Cozumel Mex Bistro/Divulgação. O combo reúne fajitas, nachos, tacos e burrito
2018. Crédito: Cozumel Mex Bistro/Divulgação. O combo reúne fajitas, nachos, tacos e burrito

Foi aí que Adriana e Olavo arregaçaram as mangas e eles próprios começaram a “construir” o Cozumel mex bistrô — dos adesivos pregados nas paredes coloridas ao menu clássico de iguarias típicas do país que visitaram. “Optamos por criar um ambiente despojado cuja característica principal é a simplicidade”, resume a chef, que faz questão de frisar que lá as pessoas podem ir de chinelos e bermuda, o que não acontece em estabelecimentos refinados ou em shoppings.
O carro-chefe é o combo (R$ 160) que vem com dois tacos de carne, dois de frango, duas quesadillas de carne e de frango e dois burritos (preparados com tortilha de trigo onde embrulha-se o guisado). Típico da culinária mexicana, com sabores fortes e diversas combinações de maneira simples, o combo ainda traz quatro molhos: guacamole, pico de galo, sour cream e salsa roja picante. “Quando vimos que havia demasiada comida para duas pessoas, por exemplo, decidimos lançar o meio combo por R$ 90”, informa Adriana.

Cerveja com limão

Por ordem de importância, depois do combo vêm as fajitas (tiras de lombo de porco, de coxa e sobrecoxa de frango e de alcatra bovina) em tortilhas de trigo, feijão, guacamole, pico de galo, pimentão e sour cream, cujo preço vai de R$ 54 a R$ 58. Os tacos feitos de milho crocante completam a oferta da gastronomia herdada dos maias e astecas em combinação com a espanhola e constituem uma das iguarias mais pedidas. De lombo de porco sai por R$ 27; de alcatra, R$ 29; e de camarão, R$ 37. Já o de frango e o vegetariano custam apenas R$ 24 cada.

08/04/2018. Credito: Liana Sabo/CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia - DF. Favas Contadas. Olavo Medeiros Muller e Adrana Pimentel, donos do Cozumel
08/04/2018. Credito: Liana Sabo/CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia – DF. Favas Contadas. Olavo Medeiros Muller e Adrana Pimentel, donos do Cozumel

O menu ainda inclui saladas, sanduíches portentosos, como o Cancún (R$ 37) de filé-mignon, muçarela, tomate grelhado, mostarda e alcaparras, além de risoto e massa a pedido. Drinques especiais são outra atração da casa, como o Michelada, de cerveja Corona, com suco de tomate, pimenta tabasco e limão com sal e pimenta-do-reino na borda do copo é preparado pelo garçom Pedro Henrique, professor de gastronomia no Iesb.
A decoração da casa, que funciona de terça a sábado, das 12h às 15h e das 18h as 24h; e domingo, das 12 às 16h, não se resume às artes dos donos, mas ostenta algumas grifes, como a do grafiteiro David Aires e do artista plástico pernambucano Beto Kelner. Telefone: 3797-1788, com delivery.