CBPFOT151220192642 Crédito: Liana Sabo/CB/D.A Press. Felipe Simões Riand, Eliane Simões e Fabricia Ramiro do restaurante NaVila

Petiscos da Vila

Publicado em

Formada em quase quatro faculdades — na última, o curso de gastronomia do Iesb acabou interrompido —, a cearense Eliane Simões, residente em Brasília há 40 anos, fez de tudo um pouco. Cursou direito, mas não advogou, preferiu exercer a profissão de fisioterapeuta. Também se formou em educação física. O que mais a encantou, porém, foi conhecer vinhos. Por isso, conquistou diploma de sommelière concedido pela Fisar (Federação Internacional Italiana de Sommelier), em Flores da Cunha (RS), depois de ter morado um ano em Milão. Mais recentemente, a curiosidade por sabores levou-a a se interessar pelos óleos feitos de oliva, tendo se tornado sommelière também de azeite.

Com tantas credenciais, impossível não enveredar no caminho da enogastronomia. Foi o que Eliane fez, primeiro abrindo o Café Empório, na Vila Planalto, que durou pouco tempo. Com base nessa experiência, ela se articulou melhor, convidando o ex-marido José Batista para sócio investidor e, no último dia 9, abriu no mesmo lugar o NaVila. A operação está a cargo do jovem casal Felipe Simões Riand e Fabricia Ramiro — (filho e nora de Eliane).

Nomes históricos

De pequeno porte, ocupa uma única loja e abriga cerca de 33 pessoas. Tem estilo de bistrô moderno e só funciona à noite. “Vamos devagar, quando ficar tudo ajustado, poderemos pensar em servir almoço”, comenta Eliane, que contratou consultoria para elaboração do menu, à base de pratinhos que ficam entre a entrada e o principal. Todos os nomes fazem referência à Vila Planalto. Assim, o camarão GG levemente empanado com maionese e wassabi se chama Concha Acústica. Sai por R$ 23.

A pancetta com redução de hibisco e crispy de couve é denominada Israel, em homenagem a Israel Pinheiro, primeiro prefeito da cidade e responsável pela construção da capital. A construtora Rabelo que teve lá o acampamento foi lembrada com um prato de shimeji na manteiga com abacaxi e shoyo (R$ 22). Fazendinha, outra referência histórica, dá nome ao sanduíche no pão bum (de origem chinesa cozido no vapor) com pernil desfiado, picles artesanal e molho barbecue (R$ 18).

Crédito: Liana Sabo/CB/D.A Press. Sanduíche fazendinha com pão bum, pernil desfiado e molho barbecue do restaurante NaVila

Chef colombiano

Delicioso pernil assado é servido com molho de alecrim, limão e vinho com torradinhas por R$ 20 e se chama Alvorada. Todos os petiscos são muito bem executados pelo chef colombiano David Castaño, que trabalhou no Nakombi por quase três anos e passou pelo renomado restaurante Glouton, comandado pelo chef Léo Paixão, de Belo Horizonte.

A contribuição do chef se deu numa receita de frango em homenagem ao presidente Juscelino, daí ter o nome JK, que é o meio da asa frito e bem temperado com redução de chá de hibisco acompanhado de bolinhas de arroz Gohan (usado no sushi). Sai por R$ 20.

15/12/2019. Crédito: Liana Sabo/CB/D.A Press. Prato JK com meio da asa frito e bolinhas de arroz Gohan do restaurante NaVila

“Quando cheguei aqui, o cardápio já estava pronto, mas não abrangia sobremesas”, revelou Castaño, que desenvolveu duas versões de petit gâteau, uma com chocolate escuro e a outra, chocolate branco com sorvete de creme.

Brasileiros e clássicos

Escolta de uma maneira surpreendente o menu a carta de bebidas. “Como eu tive a chance de me aprofundar no conhecimento do vinho brasileiro, optei pelos nossos bons rótulos produzidos em pequenas vinícolas”, justifica Eliane Simões, que lamenta haver ainda algum preconceito ao vinho nacional. Ela se orgulha de ter garimpado espumantes e tintos para que “as pessoas aqui possam comprovar o nível a que chegaram os vinhos”. Destaque para o Sirah Reserva da Alma Única; blend Merlot/Tannat, da Capoani e Grand Merlot da Boscato, além do Nature da Cave Geisse — todas vinícolas gaúchas.

Outra atração são os drinques desenvolvidos pelo mixologista Vítor Moretti, de 32 anos, que há 10 trabalha na área e elaborou a carta do Mercadito. Caipirinhas incrementadas, Aperol, Negroni e Clericot estão entre os clássicos, enquanto os especiais contemplam, entre outras criações, a linha Mule com vodca Absolut. Provei o que tem o nome da casa e leva xarope de mel, maracujá, angostura, espuma de gengibre e clara de ovo, além de semente de puxuri ralada (nativa da Amazônia) por R$ 26. Ótimo! NaVila funciona das 18h às 24h, de segunda a sábado, na Rua 8, Lote 9, loja 5, Acampamento DFL. Telefones: 2192-9588 e 99847-2753.