Foto6 02/12/2019. Crédito: Embaixada da Finlândia/Divulgação. Brasil. Brasília - DF. Favas Contadas. O chef Kalle Tanner e a sommelier Noora Sipilä.

Na terra do Papai Noel

Publicado em

Depois de alguns anos de discreta atuação na cidade, a Embaixada da Finlândia abriu os portões esta semana, no Lago Sul, para celebrar algumas datas, entre elas o centenário das relações oficiais do país com o Brasil. Liberta do domínio russo, a Finlândia tinha apenas dois anos quando, em 1919, estabeleceu relações com o governo brasileiro.

Outra data memorável é o 90º aniversário da colônia finlandesa em Penedo, no estado do Rio de Janeiro, onde os naturais do país e seus descendentes fundaram um clube cultural e um museu com expressiva participação na vida da cidade. “Lá, se realizam algumas festas que atraem muitos turistas”, observa Sami Wacklin, chefe adjunto da missão diplomática.

Rena e cogumelos

Com o objetivo de ampliar os laços finlandeses no Brasil, a embaixada trouxe o premiado chef Kalle Tanner, 38 anos, eleito chef do ano 2018, e a sommelière Noora Sipilä, 31, eleita na mesma ocasião a garçonete do ano. Nos bastidores do prêmio anunciado em Helsinque, os dois, que não se conheciam, iniciaram relacionamento e estão juntos com planos de voltar ao Brasil “para curtir as praias, as frutas e a Bahia”, disse Noora.

Antes de preparar pratos típicos na recepção em Brasília, a dupla esteve em Penedo divulgando novas receitas para cozinheiros de restaurantes locais. “Compareceram 12 chefs que assumiram o compromisso de oferecer no menu um prato finlandês”, informa Sami, que acompanhou domingo os finlandeses no almoço preparado por eles e pelo chef Simon Lau, no Aquavit.

rédito: Liana Sabo/CB/DA Press. Prato de rena defumada com confit de cajuzinho do mato, do chef Kalle Tanner.

Conhecida por combinar pratos tradicionais com a alta cozinha ao estilo europeu contemporâneo, a culinária da Finlândia usa muito peixe, vegetais, produtos integrais e carnes exóticas, como rena e alce. Na bagagem do chef veio peixe finlandês defumado, servido com pão preto, creme de queijo de cabra, rabanete e gema de codorna, além de carne de rena defumada degustada com cajuzinho do cerrado. Outro luxo gastronômico da mala do chef foram cogumelos selvagens colhidos nas florestas da Finlândia, que é o país que mais bebe café no mundo per capita, especialmente o brasileiro.