Chef Ramon Souza comanda as caçarolas no Gaia

Publicado em

Quase um ano depois de abrir as portas da própria casa para receber comensais em torno de uma saborosa mesa, onde cabem confortavelmente 10 pessoas, o chef Ramon Souza está cheio de planos para criar novos cardápios, servidos sempre, sob reserva, no recinto que ele batizou de Gaia. A ideia vem se multiplicando, embora ainda poucos cozinheiros na cidade façam comida em casa.

Bem conhecido é o casal Esdras Nogueira e Mariana Escosteguy, que montaram o Coma Lá em Casa, projeto gastronômico que tem um blog com o mesmo nome e promove jantares em casa. Até já deu filhote, pois surgiu o Coma no Jardim. No mesmo estilo, mas muito mais amplo, pois recomenda tipos de culinária no mundo inteiro é o site Eatfeastly.com, que apregoa ser “a vida compartilhada mais gostosa”. Lá você pode escolher a cozinha entre africana, andina, dos Bálcas, filipina, francesa, alemã, persa, americana, pizza e até gastro pubs, entre outras.

Fusão com o Oriente

gaia 1

 

Com passagem pela escola de culinária Le Cordon Bleu, de Paris, a mais tradicional do mundo, o Ramon é obcecado pelo oriente. O namoro com sabores exóticos começou quando o chef visitou a Tailândia, em 2014. De lá, esteve na Índia. Além da memória gustativa, ele conserva a do olfato. Prova disso são os inúmeros potinhos de temperos que ocupam armário na cozinha. Com as ervas vieram louças, utensílios, receitas e facas especialíssimas como as fabricadas no Japão.

Inspiração italiana

O menu servido no Gaia é fechado, apresentado em quatro etapas (entrada, dois principais e sobremesa). O primeiro prato pode ser uma moquequinha de filhote feita no tucupi com caldo de frutas.

O segundo, um ragu de ossobuco com nhoque — “uma inspiração da Trattoria Da Rosario, onde trabalhei antes de viajar pelo mundo”, diz o chef. Acompanha purê de mandioca feito na manteiga de garrafa.

gaia 2

“Meu curry é muito fiel ao que eu experimentei na Índia, só que com menos pimenta”, diz o chef, que usa o mix de ervas e temperos — na mesa indiana, cada família tem a própria receita —, com cabrito cozido durante oito horas e servido com arroz de jasmim, água de rosas e baru. “Na Índia, o curry chega a ser tão picante que provoca espirros nas pessoas por isso, eles costumam oferecer à mesa junto ao prato uma pilha de toalhinhas para secar o nariz”. Telefone: 98383-2060.