Patricio Pron, literatura e passado: uma mescla latino-americana

patricio-pron©UnaiPascual
Publicado em Deixe um comentáriohistória, leitura, literatura, livro, política, real, romance, Sem categoria, violência, vítimas

Convidado para falar na 4ª Bienal Brasil do Livro de da Leitura, Pron sobe ao palco do auditório Cora Coralina nesta sexta (24/08), às 19h, para a mesa O passado literário, ao lado do colombiano Juan Gabriel Vasquez. O impacto da história na literatura latino-americana é tema que aparece na obra dos dois autores e rende discussão com reflexos na produção contemporânea.

Natália Borges Polesso fala sobre conflitos, diálogos e literatura

Crédito: Laine Bacarol
Publicado em Deixe um comentárioamor, contos, feminismo, história, literatura, livro, poesia, política

Depois de ganhar o Jabuti em 2016 na categoria contos com o livro Amora, a autora gaúcha Natália Borges Polesso, que participa hoje do Livre! Festival Internacional de Literatura e Direitos Humanos, acaba de concluir um romance de formação. Ela ainda não pode falar muito sobre o livro, mas adianta que é a história de uma menina da adolescência à idade adulta que precisa lidar com uma condição. A personagem tem epilepsia e os conflitos gerados a partir dessa condição são essenciais em sua vida. Para a autora, a construção dos personagens é algo fundamental.

Mudanças no Prêmio Jabuti: menos categorias e participação de independentes

Fernanda Gomes Garcia, diretora da CBL, Luis Antonio Torelli,  presidente da CBL, e Luiz Armando Bagolin, curador do Prêmio Jabuti
Publicado em Deixe um comentáriohistória, literatura, livro, poesia, quadrinhos

O 60º Prêmio Jabuti 2018 teve o número de categorias reduzido, mudanças na escolha dos vencedores e na seleção do júri e acréscimo de duas novas modalidades. Em coletiva realizada nesta terça (15/05), o presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), Luís Antonio Torelli, e o curador do prêmio, Luiz Armando Bagolin, anunciaram uma reforma que definem como “racionalização” do prêmio. “Uma das novidades, que vem ao encontro do que a CBL prega, que é essa coisa de conquistar mais leitores, é que a gente também inclui no Jabuti 2018 o prêmio para a formação de leitores”, avisa Torelli.

Da escravidão à Lava Jato: sociólogo pensa o país de forma particular

Crédito: André Violatti/Esp.CB
Publicado em 6 Comentáriosensaio, filosofia, história, política, Sem categoria, sociologia

O problema do Brasil não estaria na corrupção herdada dos portugueses, mas na escravidão. Não estaria na maneira como fomos colonizados e sim na estrutura do sistema escravocrata implantado por aqui. E estaria, sobretudo, na desigualdade gerada por um projeto de país que, para funcionar, precisa manter grandes distâncias entre as classes pobres e as abastadas. Jessé de Souza não é unanimidade, mas é voz que tem sugerido uma nova maneira de olhar para os problemas brasileiros.

Cinco autoras contemporâneas para você conhecer no Dia da Mulher

montagem livros mulheres
Publicado em Deixe um comentáriohistória, humor, literatura, livro, machismo, mitos, reportagem, romance, Sem categoria, vítimas

No Brasil, as mulheres representam 51,48% da população. São maioria, segundo dados do IBGE de 2015. Mas esse número cai drasticamente quando se trata de livros publicados e da quantidade de escritoras no país. De acordo com pesquisa da Universidade de Brasília (UnB) que analisou as publicações de grandes editoras brasileiras nos últimos 49 anos, mais de 70% dos livros publicados são assinados por homens. No entanto, as mulheres escrevem. E muito. Os números do mercado editorial têm várias explicações, entre elas o preconceito de que mulheres escrevem sobre assuntos femininos e o fato de muitas terem menos tempo para a escrita porque são responsáveis por duplas jornadas de trabalho.

Que tipo de leitor é você? Viajante, isolado ou devorador?

Credito: Ana Obiols/Divulgacao
Publicado em 1 Comentárioensaio, filosofia, história, ilustração, literatura, livro, mitos, Sem categoria

O leitor do século 21 é uma espécie de sobrevivente. E também um salvador. Cabe a ele salvar o ato de ler. O escritor argentino Alberto Manguel não é exatamente um otimista nesse campo, embora seja um Dom Quixote da leitura, com sua biblioteca de 30 mil livros no interior da França. Leitores e escritores como Manguel estão em extinção, por isso vale a pena prestar atenção nas comparações e alegorias que costumam usar. Em O leitor como metáfora, Manguel investiga os significados simbólicos da leitura para concluir que há três tipos de leitores.

Três livros sobre política para um ano de eleição

Crédito: Minervino Junior/CB/D.A Press
Publicado em 4 Comentáriosensaio, filosofia, história, política, Sem categoria

Em ano de crise política e econômica, uma das frases mais proferidas por aí foi sobre a pobreza do debate político no Brasil. As polarizações, os extremismos e a falta de diálogo viraram um problema, apartaram amigos e fincaram bandeiras. Em 2018, com eleições à vista e crise em curso, a confusão continua. Informação é ouro em tempos de fake news. Que tal mergulhar em algumas boas leituras para enriquecer o debate? Saber como pensam intelectuais e compreender um pouco a natureza do debate ajuda a pensar. O Leio de tudo selecionou quatro livros lançados recentemente que podem acrescentar informação e reflexão para quem vai ajudar a determinar os rumos do país em outubro próximo. Você, que é eleitor, pode encontrar aqui uma boa dúzia de argumentos.

Já fez sua lista de leitura para 2018? Veja aqui o que as editoras lançam este ano

mosaico blog
Publicado em Deixe um comentárioensaio, fantasia, feminismo, filosofia, graphic novel, história, ironia, literatura, livro, machismo, quadrinhos, romance, Sem categoria

Quer preparar a lista de leitura para 2018? Tá na hora. O ano mal começou e ainda dá tempo de planejar o que ler. O Leio de tudo preparou uma seleção pinçada entre as previsões de lançamentos das editoras. Veja o que vem por aí.

Paris: uma invenção genial

Crédito: Louis Daguerre
Publicado em Deixe um comentáriohistória, literatura, livro, paris, reportagem, Sem categoria

Eric Hazan nem sabe direito como teve a ideia de escrever A invenção de Paris, mas lembra de achar curioso que os amigos se interessassem pelas histórias contadas durante passeios pela cidade. O fato é que Hazan é um historiador compulsivo e Paris, um assunto irresistível. A combinação foi perfeita para esse livro que chega agora ao Brasil em uma edição caprichada da Estação Liberdade.