O que acaba fica para sempre

Publicado em Deixe um comentário

Ele adorava o pastel daquele quiosque de esquina de uma das quadras do Guará. Eu preferia o espetinho do outro lado da rua. Era só atravessar e combinar nossos gostos. Dois anos e meio, no mínimo, se passaram desde a última orgia da gastronomia popular que compartilhamos. Dia desses, voltei àquela esquina. O churrasquinho estava lá, com sabores mais incrementados […]

Amor em tempos de Anitta

Publicado em Deixe um comentário

Faz tempo que comprei o livro Amor Líquido, de Zygmunt Bauman. Ele está na minha lista de futuras leituras desde então, mas sempre seguindo para o fim da fila. Como uma criança que sabe que Papai Noel não existe — mas insiste em lhe escrever uma carta, pedindo o presente desejado só para não perder a magia do Natal —, eu […]

Para minha amiga Clarice

Publicado em Deixe um comentário

No início dos anos 1950, Clarice Lispector assumiu a identidade de uma personagem chamada Tereza Quadros. O desafio era escrever uma coluna para um periódico de vida muito breve, o Comício, e dar conselhos simples para as leitoras. Não vou aqui tentar discutir a organização da sociedade patriarcal, menos ainda lamentar o papel feminino de coadjuvante daquele tempo. Mas, se possível […]

Eu não me canso dos ipês

Publicado em Deixe um comentário

Está aberta a temporada de ipês. Eu definiria essas árvores como sendo o clichê menos enfadonho de Brasília. Sim, porque, como parte do ciclo da natureza, eles brotam e colorem a capital das mesmas cores, no mesmo período, todos os anos. É a repetição mais original trazida pelo início da seca. Ainda que presença certa, os ipês são esperados com […]

Aos 37, virei adulta

Publicado em Deixe um comentário

Cresci encarando o dia do meu aniversário como o mais importante do ano. Quem me conhece sabe que não exagero ao dizer que, no mínimo, um mês antes do dia, já tinha a comemoração programada, a lista de convidados fechada, a roupa escolhida. Não importava se a celebração ia ser em um bar ou no salão de festas do prédio; […]

Quanto custa o amor?

Publicado em Deixe um comentário

No livro Ostra feliz não faz pérola, Rubem Alves escreveu que “o amor é algo que não se possui, jamais. É evento de graça. Aparece quando quer, e só nos resta ficar à espera”. Concordo com ele, mas como ando meio indisposta e descrente – chamem de mal-amada, se preferirem – com os assuntos relacionados ao coração, preferi não aguardar […]

Sabor de remédio

Publicado em Deixe um comentário

Não é história que da internet nem foi um amigo de um amigo que me contou. Um médico me garantiu: o açúcar literalmente tem o poder de curar feridas. Falo dos grãozinhos brancos do açúcar que você usa para adoçar o café, de feridas sangrentas e de pele esfolada. A tese, defendida por alguns estudos, me explicou o doutor, é a […]

A África que não se registra

Publicado em Deixe um comentário

  Quando saí da antiga casa de Nelson Mandela, na periferia de Johannesburgo, fui surpreendida pelo abraço de um senhor negro, muito alto, que me ofertava seu sorriso xadrez pelo efeito dos dentes remendados com pedaços de ouro. Ele queria se certificar de que eu estava feliz ao cumprir meu objetivo: visitar o local onde morou o maior ícone político […]

Extrovetida, eu. Tímidos, vocês.

Publicado em Deixe um comentário

Dia desses promovi um encontro entre duas pessoas por quem nutro especial admiração e afeto. A conversa entre ambos fluiu em tom agradabilíssimo, com gestos de gentileza mútua. Fim da noite, selada uma possível amizade. Ufa! Para mim, desfecho perfeito. Mal eu desconfiava o turbilhão, e aí talvez eu apimente a definição por apreço aos exageros, que meus amigos contenham […]