Nossa morte de cada dia

Publicado em Deixe um comentário

“A morte é um dia que vale a pena viver”. Esse é o brilhante título do livro da médica Ana Cláudia Quintana. Ela lida com pacientes diagnosticados com doenças terminais. Gente que tem, pela medicina, dias contados para viver. Mas quem não teria? Só não sabemos quantos… Essa é a reflexão proposta pela profissional que encara a sentença de morte […]

A maturidade da infância

Publicado em Deixe um comentário

Quando comentei com um amigo que comecei a fazer aula de patinação e, finalmente, estava realizando um sonho de criança, ele, sem qualquer entusiasmo, respondeu: “Alguns sonhos a gente deixa na infância!” Não me aborreci com a insossa recomendação, pois, assim como ele, muitos realmente acreditam que crescer é se despedir, definitivamente, do menino ou da menina que fomos um dia. […]

Quando o corpo berra

Publicado em Deixe um comentário

  Sempre fui muito pudica em relação às necessidades fisiológicas do meu corpo. Sempre me envergonhei do funcionamento hidráulico e dos meus escapamentos internos. Mais vergonha ainda sempre me provocou aquilo que ele arremessa para o exterior. Talvez porque, desde criança, somos ensinados que todas as reações mais humanas, comum a todos nós, são também as mais instintivas, aquelas que […]

Um tributo aos chatos

Publicado em Deixe um comentário

Chato é predicado democrático, conjugado em todas as pessoas e em todos os gêneros. Eu sou chata, tu és chato, eles são chatos. Aliás, nós somos igualmente muito chatos. O que varia é a intensidade e a frequência da inconveniência. Eu mesma reconheço vários dos meus atos desagradáveis, mas, para algumas pessoas, chatice é substantivo superlativo. Ando cada vez mais […]

O homem que eu queria ser

Publicado em Deixe um comentário

O homem que eu gostaria de ser me encanta pela estética, pelos trejeitos e pelos gestos. Não conheço os dramas nem os segredos dele, caso contrário, deixariam de ser confidências. Desconheço também quais os pesos leva dentro de si, só estou certa de que, se eles existem, não roubam sua leveza. Sei de sua personalidade o que ele decide deixar […]

Lição trazida pelo vento

Publicado em Deixe um comentário

Quando me disseram que o cavalo espelha os mais ocultos sentimentos do bicho homem, desconfiei por puro desconhecimento da causa. Convenceram-me de que era como reflexo na água. Ele absorve seu estado de espírito e reage com equivalência. Curiosa, aceitei o desafio de passar um fim de semana fazendo o coaching que usa esses belos animais como ferramenta de autoconhecimento. […]

Companheiros de viagem

Publicado em Deixe um comentário

Não conheci Mr.Paul. Talvez também tivesse me afeiçoado a esse típico americano, professor de física avançada, que acolheu a pretensiosa estudante brasileira. A menina, que mal falava inglês, queria aprender os difíceis cálculos, já bem complicados na sua língua materna. O encontro entre mestre e aprendiz aconteceu duas décadas antes do dia da despedida. Mr. Paul repassava com a minha […]

O menino que tinha asas

Publicado em Deixe um comentário

O rapaz que realinha o sorriso com aparelho ortodôntico, nunca tinha usado uma escova de dentes até os 10 anos de vida. Aliás, tantas coisas ele não fez até chegar à adolescência, quando saiu da gaiola, aos 16 anos. Ele nasceu em uma vila com nome de pássaro, mas nunca tinha voado. Chama-se Anhuma aquela terra, que, de tão esquecida, […]

Fui abduzida

Publicado em Deixe um comentário

Minha viagem rumo a outro planeta começou em uma manhã de sábado. A proposta era conhecer Alto Paraíso de Goiás, na Chapada dos Veadeiros. Fui menina de apartamento, daquelas que nunca acampou na infância, menos ainda na adolescência. Virei uma adulta avessa a insetos, temerosa às pedras escorregadias das cachoeiras e completamente intolerante à água gelada. Por que diabos eu […]

Por medo de ser mulher 

Publicado em Deixe um comentário

O fato de ter nascido mulher me roubou o direito de fechar os olhos e sentir o vento; de abrir os olhos e admirar os pássaros ou de buscar as raras flores que, bravamente, nasceram na paisagem na qual predomina a grama seca. Decidi caminhar no Parque da Cidade, em um dia de semana. De repente, me vi sozinha. Só […]