Senadores em quarentena votam calamidade ainda hoje

Publicado em coronavírus, Covid-19, Senado

A internação do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, por causa dos sintomas da Covid-19 e realização tomografia, levou todos os senadores a buscarem o teste de coronavírus e a ficarem em casa. Até aqui, 30 que tiveram contato mais próximo com o presidente da Casa, Davi Alcolumbre, já fizeram o teste e aguardam resultados. Até a semana passada, senadores se cumprimentavam bem ao estilo da política abraços, apertos de mão e tapinhas nas costas. As medidas de “social distancing” começaram apenas esta semana. Alcolumbre já voltou para casa e, de lá, continuará trabalhando, ainda que em isolamento.

Os líderes nesse momento buscam meios de votar o decreto de Calamidade ainda hoje à tarde e, assim, dar ao governo mais instrumentos para enfrentar a pandemia.

Se Bolsonaro não enquadrar 03, o cenário econômico (e político) vai piorar ainda mais

Eduardo Bolsonaro e Jair Bolsonaro
Publicado em coronavírus, Covid-19, Governo Bolsonaro

Como se não bastasse a crise do coronavírus, o deputado Eduardo Bolsonaro criou mais uma confusão ao se referir a China “uma ditadura que preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas que salvaria inúmeras vidas. A culpa é da China e a liberdade seria a solução”. O embaixador chinês no Brasil reagiu, dizendo que Eduardo Bolsonaro deve ter adquirido um “vírus mental” em Miami.

O bate-boca sino-brasileiro não tem precedentes na relação entre os dois países. Um deputado federal, filho do presidente da República, usar o seu Twitter para atacar um parceiro comercial do Brasil. Um parlamentar ficou tão chocado que achou que era tudo fake news, inclusive a resposta do embaixador chinês, Yang Wanming. Alguns procuraram diretamente na Embaixada e confirmaram a declaração do diplomata.

Já se passaram mais de duas horas do post de Eduardo e até agora o presidente Jair Bolsonaro não se pronunciou. Quem tentou conter o estrago até aqui foram os parlamentares. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pediu desculpas ao embaixador em nome da Câmara dos Deputados pelas palavras irrefletidas de Eduardo. Outros dispensaram os punhos de renda e optaram por declarações mais contundentes.

“Depois da crise diplomática criada com a China, precisamos usar a portaria do ministro Sérgio Moro e colocar no isolamento compulsório e sem Twitter os filhos do presidente, sob pena de eles seguirem espalhando o vírus da imaturidade e da irresponsabilidade e prejudicando o pais”. O presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, deputado Fausto Pinato, foi direto “Eduardo Bolsonaro, por certo orientado pelo seu “grão mestre” Olavo de Carvalho (americano de araque) certamente tentando desviar a atenção do povo brasileiro neste momento de crise, comete um grande crime contra a nação brasileira.

A China é hoje o maior parceiro comercial do Brasil. E nesse momento em que a economia desacelera e as projeções de crescimento do PIB desabam, o governo brasileiro precisará dos chineses para manter suas exportações e tentar segurar parte do emprego e renda. No mercado, há um consenso de que, se Jair Bolsonaro não despender energia logo mais para enquadrar 03 e tentar retomar suas relações com a China, os reflexos do coronavírus na economia brasileira vão se agravar.

Na politica, a situação não é diferente. Há um consenso de que não é hora para impeachment, a hora é de cuidar da saúde das pessoas e de salvar vidas (veja detalhes na coluna Brasília-DF), no jornal impresso desta quinta-feira. Mas, se os Bolsonaro continuarem nessa toada de geração de crises, vai ficar difícil. Até o embaixador Yang vai bater panela na turma das 20h.

Atualização: Até aqui, 10h07, não se tem notícia de resposta do presidente ao governo chinês

Bolsonaro embarca no governo

Publicado em coronavírus, Covid-19, Governo Bolsonaro

A coletiva que terminou há pouco no Palácio do Planalto apresentou poucas novas medidas em relação ao que já estava em curso na equipe do presidente Jair Bolsonaro e foi apresentado nos últimos dias, tanto na longa coletiva no Ministério da Economia e nas constantes informações divulgadas desde o primeiro caso no Brasil pelo Ministério da Saúde. Nesse sentido, a leitura da política é que foi um evento sob medida para inserir o presidente Jair Bolsonaro na foto daqueles que, já na primeira semana de março, trabalhavam com foco nos reflexos do coronavírus __ leia-se o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o da Economia, Paulo Guedes, e suas equipes. “Se o time está ganhando, vamos elogiar o seu técnico, e o seu técnico é Jair Bolsonaro”, disse ele, na entrevista em que procurou justificar sua participação na manifestação no último Domingo, dizendo que não convocou e nem incentivo e que pediu que repensassem, mas queria estar perto do povo. Daqui para frente, dizem aliados de Bolsonaro, é tratar da saúde das pessoas e, ao mesmo tempo, tentar recuperar os eleitores que largaram o presidente, decepcionados com a falta de seriedade com que ele tratou da pandemia quando o número de casos era pequeno.

O discurso do presidente também mudou, com Bolsonaro se desdobrando em agradecimentos ao Congresso, atacado nas manifestações. Porém, caiu numa contradição ao dizer que ninguém se surpreenda se ele “entrar num metrô lotado” _ atitude desaconselhável pelas aturdirdes de saúde, Mas, ao mesmo tempo, disse que a situação é grave e que, como líder, tem que se antecipar aos problemas, levar a verdade à população brasileira.

Bolsonaro seguiu na linha do que fizeram desde a semana passada líderes de outros países.O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump no Domingo __ enquanto Bolsonaro estava na manifestação cumprimentando as pessoas __ anunciava medidas do Federal Reserve. Na Europa, os líderes de vários países fizeram pronunciamentos alertando para a necessidade de recolhimento e reforçaram apelos já na segunda-feira, quando o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou uma parte das medidas. Bolsonaro, agora, entrou no governo. Antes tarde do que nunca.

Senado prepara votação remota

Publicado em Congresso, coronavírus, Covid-19, Política

A cúpula do Senado está consultando partidos e seus senadores para transformar as sessões numa espécie de teleconferência e fazer as votações de forma remota, por aplicativo, com uma senha para cada senador. A ideia é usar esse sistema para os todos os projetos que forem urgentes. Entram nessa classificação as medidas provisórias que estão próximas do vencimento e até a chamada PEC Emergencial, considerada crucial, porque pode dar mais folga ao governo para ultrapassar essa fase de retração provocada pela pandemia. O difícil vai ser convencer a todos, uma vez que os debates serão menos acalorados. Porém, dada a gravidade do momento, o bom senso indica que é preciso pensar na população e nas medidas que podem ajudar a economia.

Senadores fazem testes de coronavírus. O de Davi Alcolumbre deu negativo

Publicado em Congresso, coronavírus, Política

O Senado passa o fim de semana em estado de alerta. O presidente da Casa, Davi Alcolumbre, recebeu neste sábado o resultado de seu exame de coronavírus e deu negativo. O líder do governo, Eduardo Gomes (MDB-TO), ainda aguarda. Ontem, o presidente da Comissão de Relações Exteriores, senador Nelsinho Trad, recebeu o resultado positivo. Ele acompanhou o presidente Jair Bolsonaro na viagem aos Estados Unidos. Não apresenta sintomas, mas ficará de quarentena com a família pelos 14 dias de incubação. Caso outros senadores tenham resultado semelhante, a sessão de terça-feira, que deverá analisar a destinação de R$ 5 bilhões para tratamento da Covid-19, há quem diga que será difícil manter a sessão. O senador Jorginho Melo, que também fez parte da comitiva de Bolsonaro teve o resultado negativo.

Os parlamentares dos mais variados partidos estão apreensivos, porque sabem que as votações são cruciais para ajudar a acalmar os mercados. Porém, numa Casa onde há 513 deputados, 81 senadores e um batalhão de servidores praticamente confinados no ar condicionado, o risco de contaminação é considerado alto. A ideia de decidir o que fazer apenas na segunda-feira, deverá ser antecipada para amanhã. Quando o assunto é saúde, dizem alguns senadores, uma diferença de 24 horas pode ser crucial para evitar problemas.

Atualização: Em nota divulgada nesta manhã, Davi Alcolumbre manteve a sessão. Veja a íntegra da nota abaixo

A assessoria de imprensa da Presidência do Senado informa que o teste para o Covid-19 do presidente Davi Alcolumbre resultou negativo. Mesmo não apresentando sintomas da doença, Davi Alcolumbre realizou o exame após ter contato com algumas pessoas suspeitas de estarem com o vírus.

Por enquanto as atividades legislativas continuam com sessão conjunta do Congresso Nacional convocada para a próxima terça-feira (17), às 11h. Medidas de enfrentamento ao novo coronavírus estão sendo tomadas para preservar a saúde de parlamentares e servidores da Casa.

Importantes matérias constam na pauta de votação do Senado e da Câmara e precisam ser analisadas e votadas. Entretanto, o cenário está em constante acompanhamento e avaliação pela Presidência da Casa.

Assessoria de imprensa da Presidência do Senado