Fakes news e Flávio são as apostas eleitorais do PT contra Bolsonaro

PT contra Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

Empenhados em deixar o presidente Jair Bolsonaro contra a parede neste ano eleitoral, os petistas vão mirar toda a sua artilharia para dois pontos que consideram hoje os de maior fragilidade do capitão: a CPI das Fake News e o escândalo das rachadinhas que tem o senador Flávio Bolsonaro como personagem.

» » »

No caso da CPI das Fakes, os petistas acreditam que têm a faca e o queijo na mão, uma vez que o presidente da comissão, senador Ângelo Coronel (PSD-BA), e a relatora, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), têm uma boa relação política com o ex-presidente Lula. Coronel, embora seja do PSD, é aliado ao governador da Bahia, Rui Costa (PT).

O que eles pensam

A aposta da maioria dos políticos é a de que, a preços de hoje, Bolsonaro só perde a reeleição se a população não sentir efeitos de recuperação da economia. Até aqui, por mais que se diga que a economia está bem, o aumento nos preços dos alimentos registrado ao longo de 2019 e o das passagens de ônibus na largada de 2020 não vão ajudar a melhorar a percepção.

O que a realidade mostra

O passeio de Bolsonaro em Praia Grande (SP) deixou aos políticos uma certeza: o atual presidente está em plena campanha desde já. Sempre que pode, está no meio da população. Até quando está curtindo o fim de semana, ele dá um jeito de testar a popularidade. Em conversas reservadas, até os petistas reconhecem que nem Lula fez melhor.

Adversário número um

Até aqui, Bolsonaro considera que tem como principal adversário o governador de São Paulo, João Dória, a quem marca de perto. Daí, inclusive, a escolha do Guarujá para o descanso desse fim de semana e algumas visitas. Hoje o presidente pretende visitar a sede da Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo), em Santos, mas não sabe até agora se estará em terreno firme ou pantanoso.

Vai ter que escolher

O atual presidente da Codesp, Casemiro Tércio de Souza, é um tucano histórico. Recentemente, bateu no peito e se afirmou como liderado pelo ex-governador Geraldo Alckmin, que desapareceu do cenário político. E muito embora a empresa portuária seja federal, não se sabe até quanto Casemiro migrou para as asas protetoras de Doria. É o que Bolsonaro pretende descobrir.

A vez delas?

Que Davi Alcolumbre, que nada. Vão entrar na disputa para a Presidência do Senado a senadora Simone Tebet, pelo MDB, e há ainda alguns interessados em convencer a senadora Kátia Abreu a entrar no páreo.

Curtidas

Campanha antecipada/ Por todo o país, políticos aparecem em outdoors desejando boas festas a seus conterrâneos. Em Alagoas, por exemplo, no caminho de Barra de São Miguel, a mais badalada do litoral Sul, havia um, do deputado JHC,
pré-candidato a prefeito de Maceió.

Qualquer um, menos ela/ O presidente Jair Bolsonaro ainda não sabe quem apoiará para prefeito de São Paulo. Sabe apenas contra quem ficará: Joice Hasselmann. Virou inimiga mesmo.

Neto na vitrine I/ O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), abre 2020 agitando a política. Além da tradicional lavagem do Bonfim, que serve de termômetro para a popularidade dos políticos, ele inaugura o novo Centro de Convenções este mês, com a presença de toda a cúpula do partido.

Neto na vitrine II/ De quebra, o prefeito vai alertar que seus antecessores e também os gestores estaduais nada fizeram desde 2012, quando o centro de convenções da cidade foi fechado. Salvador perdeu uma série de seminários e feiras internacionais pela falta de um centro com capacidade para abrigar eventos de grande porte. Há quem diga que essa inauguração é quase um esquenta da pré-campanha de ACM Neto ao governo estadual.

Bolsonaro é aconselhado a não sancionar fundo eleitoral como retaliação aos ataques contra Flávio

Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

O presidente Jair Bolsonaro já foi alertado de que, nesta largada de 2020, a oposição e até parte de antigos aliados virão “armados” para cima do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ). Flávio aparece enroscado nas denúncias de “rachadinha” do tempo em que era deputado estadual e tinha como um dos assessores Fabricio Queiroz, suspeito de operar o esquema de cobrança de parte dos salários dos servidores do gabinete. O aviso fez, inclusive, com que aliados do presidente o aconselhassem a não sancionar o fundo eleitoral, como retaliação.

Há dois dias, Bolsonaro deu a entender que vai sancionar os R$ 2 bilhões para financiar a eleição. Porém a classe política, hoje, só acredita nessa sanção depois que o Orçamento estiver publicado no Diário Oficial da União.

Flávio e o fundo

Entre os aliados do presidente Bolsonaro há quem esteja certo de que os maiores beneficiários do fundo eleitoral — PT e a direção do PSL — vão usar a verba para atacar Flávio, Carlos (o 02) e, de quebra, o deputado Eduardo. Em especial, na eleição do Rio de Janeiro. Esses dois partidos serão os mais contemplados porque elegeram as maiores bancadas.

O dono da bola

Tem uma turma torcendo para que Bolsonaro vete o fundo eleitoral, porque, assim, se o Aliança pelo Brasil conseguir seu registro provisório, poderá participar do pleito. E a nova agremiação não terá direito a fundo partidário. O veto ao fundo, por esse motivo, é arriscado: pode deixar o presidente com cara daquele garoto que, por não ser o principal jogador, pega a bola e leva para casa.

Todo mundo em pânico I

A prisão do ex-senador Luiz Otávio (MDB) por acusações de recebimento de caixa dois na campanha de 2014 deixou os políticos de cabelo em pé. É que, para alguns, foi a prova cabal de que as informações da megadelação da Odebrecht, de 2016, ainda podem causar muitos estragos.

Todo mundo em pânico II

O que mais incomoda as excelências é o fato de 2020 ser um ano eleitoral, quando a população está com a atenção voltada às atividades políticas. Já tem gente ligando para advogados a fim de refrescar a memória sobre a famosa lista da Odebrecht.

CURTIDAS

Sony versus Tesla? / Na maior feira de tecnologia do mundo, por esses dias, em Las Vegas, a Sony apresentou um carro elétrico todo high tech, jurando que não pretende entrar nesse mercado para competir com a Tesla. Queria apenas mostrar as novidades tecnológicas que podem ser usadas pelas montadoras em breve.

AWS versus Google?/ Em dezembro, a AWS (Amazon Web Services) apresentou um mecanismo de busca ultramoderno para seus clientes e usou o mesmo discurso, de que não vai competir com o Google.

Dúvida para a prévia/ Único pré-candidato a prefeito declarado que ainda não se inscreveu na prévia, o deputado Paulo Teixeira, do PT-SP, vai conversar com o ex-presidente Lula antes de decidir se embarca nessa empreitada. É quase certo que deverá ficar fora da disputa. O prazo de inscrição termina na próxima sexta-feira. Até aqui, entraram os deputados Alexandre Padilha, Carlos Zaratini, Jilmar Tatto, e os vereadores Eduardo Suplicy e Nabil Bonduki.

Falem bem, falem mal/ O atentado à produtora Porta dos Fundos e a decisão judicial de censurar o especial de Natal só fizeram aumentar as suas visualizações no Netflix. Agora, liberado pelo presidente do STF, Dias Toffoli, o filme humorístico promete quebrar recordes. O Porta dos Fundos já é considerado o Monty Python tupiniquim.

Bolsonaro volta à velha receita de polemizar com o PT

polarização PT Bolsonaro
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

A citação que o presidente Jair Bolsonaro fez do ex-presidente Lula em sua rápida fala depois do pronunciamento de Donald Trump foi lida pelos políticos como um sinal de que o governo tenta, aos poucos, deixar de lado o conflito Irã versus Estados Unidos e se voltar à velha receita de polemizar com o PT. Foi essa fórmula que funcionou para o presidente eleitoralmente e, de acordo com seus aliados, é o que funcionará daqui para a frente.

Em tempo: Bolsonaro sabe que o Brasil não tem tamanho para seguir Trump nas sanções comerciais aos iranianos. Afinal, a economia brasileira está começando a sair de uma crise, e a pressão dos agricultores é no sentido de ampliar o comércio com o Irã, ou seja, no sentido oposto ao dos Estados Unidos. Da mesma forma que Bolsonaro voltou ao normal, ao polemizar com Lula, Trump recorre ao antigo discurso das sanções econômicas.

Há vagas

Em breve, o presidente Jair Bolsonaro terá uma chance de testar sua capacidade de não se deixar levar por pressões políticas para preencher cargos em agências reguladoras. É que, em março, terminam mandatos de diretores da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), de Petróleo (ANP) e de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em todos os casos, os partidos estão de olho nas vagas.

A guerra no PSB

Os socialistas abrem 2020 recheados de crises. Quando estava tudo certo para que Danilo Cabral (PE) assumisse o cargo de líder da bancada sem disputa, Alessandro Molon, que tem menos de um ano no partido, se apresentou para concorrer ao posto.

Briga de família

Os socialistas estão ainda estarrecidos com a descompostura pública que a ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), Ana Arraes, passou no neto, o deputado João Campos, herdeiro político do pai, Eduardo, filho de Ana, falecido em 2014. Essa rusga, avaliam os integrantes do PSB, pode atrapalhar a campanha de João a prefeito de Recife e, por tabela, o partido.

Fio da meada

As rusgas na família Campos não são novas. Eduardo e o irmão, que hoje preside a Fundação Joaquim Nabuco, tinham suas diferenças, que não se dissiparam depois da morte do ex-governador. Tudo ressurgiu quando João Campos foi provocado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, por ter um tio (Antonio Campos) no governo. O deputado respondeu que não falava com o parente, “uma pessoa pior” que o ministro. Agora, numa entrevista no Recife, Ana Arraes reprimiu o neto. É aguardar os próximos capítulos.

CURTIDAS

Bia na lida/ A deputada Bia Kicis (sem partido-DF) tem pronto um projeto de lei que proíbe a cobrança de taxa de energia solar e vai apresentar o texto ao parlamento logo no primeiro dia de funcionamento do Congresso.

Davos dos adversários e de Paulo Guedes/ O ministro da Economia, Paulo Guedes, representará o governo brasileiro em Davos. É ele quem fará o contraponto com o governador de São Paulo, João Doria, um dos conferencistas do evento pelo terceiro ano consecutivo, e com Luciano Huck, estreante no Fórum Econômico Mundial.

A volta de Eduardo Alves/ Ex-presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (MDB-RN) retornou ao Twitter com força total desde julho do ano passado, quando saiu da prisão. Em Natal, há quem diga que ele sonha em retornar à política.

Bolsonaro em degradé/ Há dois dias, o presidente Jair bolsonaro disse que jornalista era uma espécie em extinção. Ontem, entretanto, ele recorreu à imprensa para assistir ao pronunciamento do presidente Donald Trump. De quebra, na GloboNews, uma emissora das organizações Globo, que ele tanto critica.

Falta combinar/ No conflito Irã versus Estados Unidos resta saber se fundamentalistas e milicianos vão seguir os líderes e evitar novos ataques. A crise desceu uma oitava, mas a tensão permanece.

A volta de Agnelo: Inaugurei com “muito orgulho” o Mané Garrincha

Agnelo Queiroz
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

Ex-governador do DF e ex-ministro do Esporte de Lula, Agnelo Queiroz abriu uma fanpage no Facebook. Montado numa moto e com a hashtag #NaEstradaComAgnelo, ele diz que inaugurou com “muito orgulho” o estádio Mané Garrincha, e que a obra gerou muitos recursos para a economia local. Se depender da maioria dos comentários, é melhor Agnelo se recolher. Tem até quem diga “gente, arruma pedra porque o ovo está caro”.

A volta de Agnelo II

Ele fez ainda um vídeo em que diz não ter pretensões eleitorais, deseja apenas recuperar um legado. Obteve até ontem, no final da tarde, 2.900 visualizações e 72 curtidas. Desse total, 35 likes, 20 gargalhadas e 17 carinhas de fúria.

Sem pressa para formar partido, Bolsonaro pode não se posicionar nas eleições municipais

Publicado em coluna Brasília-DF

Bolsonaro está no melhor dos mundos em relação à eleição de 2020. Ainda não tem um partido para chamar de seu, portanto, não tem responsabilidades sobre eleger quem quer que seja. Os filhos não podem ser candidatos — estão inelegíveis para outros cargos porque o pai é presidente. Nesse cenário, há dentro do Congresso e do futuro partido quem defenda que o presidente não corra tanto para formar logo o Aliança pelo Brasil. Vai sempre poder dizer que não pode ter candidatos por causa das regras eleitorais. E, depois, poderá levar os prefeitos eleitos para o seu lado, sem precisar se esforçar para apoiar ninguém.

Efeito cascata

O ajuste nos salários dos policiais federais vai provocar uma corrida por aumentos nas demais categorias. E a aposta de muitos políticos é a de que, por ser um ano eleitoral, todos os segmentos consigam alguma coisa no Congresso. Ninguém no parlamento quer confusão com policiais federais, nem tampouco com as forças de segurança como um todo. Vai sobrar para Bolsonaro, lá na frente, vetar o que não for jogo combinado com o Poder Executivo.

Rio, o caldeirão

Que São Paulo, que nada. A eleição que mais chama a atenção dos bolsonaristas, hoje, é a do Rio de Janeiro. O prefeito Marcelo Crivella está em baixa, o governador Wilson Witzel tem pretensões nacionais e, para completar, é ali que se darão as investigações que envolvem os filhos do presidente.

Refinarias em debate

Na agenda do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, em Brasília, inclusive com Bolsonaro, está, além do preço do petróleo, a venda de oito refinarias da empresa. Quem entende do traçado vê problemas, porque deixará o país mais exposto ao preço internacional, que tende a subir com a crise entre os Estados Unidos e o Irã.

Por falar em Estados Unidos….

No meio diplomático, há quem diga que o presidente Donald Trump aumenta o tom em relação às ameaças de retaliação do Irã porque, assim, embaça a discussão do processo de impeachment. É a velha tática: se quer escapar de uma confusão, arrume outra maior.

E o dinheiro, ó…

Presidentes de partidos começaram o ano enlouquecidos. Quem fez as contas garante que, mesmo com a sanção do fundão eleitoral por Bolsonaro, os R$ 2 bilhões serão insuficientes para financiar as campanhas país afora. E não dá nem para reclamar, porque a quantia global destinada é altíssima. Logo, podem apostar: vem aí o caixa dois, o caixa três e por aí vai.

Duas leituras/ A contar pelas conversas palacianas de advogados, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, não é o preferido de Bolsonaro para a vaga do Supremo Tribunal Federal, a ser aberta em novembro. É que, se colocar Moro no STF, o presidente perde o ministro mais popular de seu governo, e ainda um possível candidato a vice-presidente.

Praça digital I/ A Praça dos Três Poderes passará por uma reforma para a turma da tecnologia não botar defeito. Vêm aí, inclusive, hologramas de Lucio Costa para explicar os monumentos.

Praça digital II/ Quem olhar de longe não perceberá as mudanças, porque o local é tombado e não pode ser modificado. Daí, o uso de recursos tecnológicos.

Sem partido não fica/ Bom de voto e amigo de Bolsonaro, Marcos Feliciano (sem patido-SP) já recebeu convites para ingressar na nova legenda, assim que for formada. Expulso do Podemos, ele não tem pressa em arrumar uma nova agremiação. Segue o ditado: quem tem tempo não tem pressa.

Empregados públicos são plano B do governo para reforma administrativa

Publicado em coluna Brasília-DF

Se o governo não conseguir fazer a reforma administrativa, a ideia em estudo é priorizar a contratação de empregados públicos em vez de servidores públicos. Empregados públicos são contratados via CLT, não têm estabilidade e nem direito aos benefícios do Regime Jurídico Único (RJU). Assim, para evitar uma nova massa de funcionários estáveis, a contratação de celetistas deve aumentar. Essa preferência por celetistas foi levantada como uma hipótese pelo Instituto Fiscal Independente em seu último estudo especial, sobre as despesas de pessoal no serviço público federal. Num país com o desemprego ainda nas alturas, é esse o tema que dominará os debates em 2020.

A expectativa de muitos parlamentares é a de que esse assunto abra as discussões de 2020 no parlamento, dentro da medida provisória que criou o programa do emprego verde e amarelo e mexeu na CLT. No total, o texto da MP já recebeu 1.930 emendas. Esse será um dos principais temas de fevereiro e será ainda explorado pela oposição como uma tentativa do governo de cortar direitos trabalhistas.

Moro sob pressão

Ao afagar o Congresso com a manutenção do juiz de garantias, o presidente Jair Bolsonaro expôs mais uma vez o ministro da Justiça, Sergio Moro, e colocou a oposição em ataque para constranger o ex-juiz. O deputado Orlando Silva, por exemplo, agradeceu a sanção das mudanças aprovadas pelo Congresso e foi direto: “O parlamento derrotou o populismo penal de Sergio Moro, que agora só tem um caminho: pedir o boné!”

Pressão de quem?

Da mesma forma que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, foi avisado da sanção do pacote anticrime e seus vetos, o ministro da Justiça também foi. A avaliação palaciana é a de que estão todos bem. Se tem pressão, é só da oposição.

Europeus e poluição

Reportagem do New York Times cai como uma luva nas pretensões do Brasil, de mostrar que os europeus não cuidam de proteger seu meio ambiente. O jornal aponta que as áreas mais poluídas da Itália são as que mais recebem subsídios agrícolas.

Estuda aí para cobrar lá

Diplomatas brasileiros leem os artigos sobre o tema com uma lupa a fim de buscar informações que possam ajudar o governo brasileiro na busca dos créditos de carbono definidos dentro do acordo de Paris, mas que ainda não foram regulamentados.

Credito : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil – O ministro da Educação Abraham Weintraub

Escreveu, não leu…/ Pegou mal, na visão de assessores palacianos, o fato de o ministro da Educação, Abraham Weintraub, ter compartilhado um tuíte que chamava o presidente Jair Bolsonaro de traidor, por causa da sanção de partes do pacote anticrime contra o que defende o ministro Sérgio Moro. Alguns acreditam que não é caso para demissão, uma vez que o ministro se desculpou e apagou a postagem.

… gerou problema/ Porém, é bom Weintraub ficar esperto: O governo sempre orienta os seus servidores e ocupantes de cargo de confiança a tomar todo o cuidado com as postagens. É preciso ler tudo com atenção antes de postar, em especial, em se tratando de um ministro de Estado.

Santo de casa/ O fato de Sérgio Moro ter ficado entre os 50 mais influentes do mundo no ranking do Financial Times e a sanção do juiz de garantias era motivo de piada, ontem, entre os parlamentares. Moro pode até influenciar o mundo, mas, Bolsonaro, está difícil.

Feliz ano novo/ Depois da virada de 2019 trabalhando na posse do presidente Jair Bolsonaro, vou esperar 2020 de chinelos à beira-mar. Muita saúde, paz, amor e prosperidade para você e toda a família por todos os dias do novo ano.

Governador Ibaneis contra elas em 2022

Ibaneis Rocha Flávia Arruda Paula Belmonte Erika Kokay
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

O Distrito Federal não tem eleições em 2020 para balizar a disputa de 2022, mas os políticos, assim mesmo, já fazem suas previsões para o futuro. Há, por exemplo, entre os mais atentos observadores quem diga que o governador Ibaneis Rocha enfrentará um duo feminino: Flávia Arruda (PP) e Paula Belmonte (Cidadania).

Ibaneis contra elas II/ O duo pode virar um trio contra o governador. No PT, há quem defenda o lançamento da candidatura de Érika Kokay, uma vez que a tendência é ter uma disputa dominada por mulheres.

Ibaneis contra elas III/ As apostas nas grandes rodas políticas são as de que, se o partido do presidente Jair Bolsonaro se consolidar, Ibaneis terá dificuldades numa reeleição,. Isso porque o presidente estará no palanque de quem for escolhido por Luís Felipe Belmonte, advogado, terceiro na linha de comando do Aliança pelo Brasil.

Para PF, assassinato de prefeito de cidade do Ceará foi queima de arquivo

João Gregório Neto (PSD) se candidatou ao cargo de prefeito de Granjeiro
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

É essa a tese dos policiais federais para o assassinato do prefeito de Granjeiro (CE), João Gregório Neto, ontem, enquanto caminhava perto de sua casa. Ele era acusado de fraude em licitações para construção de escolas na região do Cariri, apurada pela operação Bricolagem, em novembro do ano passado. Na política, há quem diga que ele ameaçava delatar todo o esquema de desvio de dinheiro. À época, ninguém foi preso.

Lava-Jato estava certa

Policiais e integrantes do Ministério Público pretendem, agora, usar o caso do prefeito no nível nacional. A intenção é reforçar a tese de que é melhor prender e arrancar uma delação capaz de desvendar todo o esquema, especialmente seus principais mandantes, do que deixar o sujeito solto, sob risco de vida.

 

Judiciário estará em evidência em 2020

Judiciário
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

À primeira vista, o voto do ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso sobre a reintegração dos conselheiros do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente) foi visto como um recado claro ao governo sobre o que não será tolerado. Para os políticos amantes da democracia, a leitura foi a de que ainda há meios de não deixar o país completamente à mercê da vontade soberana do presidente da República.

Por isso, para 2020, os congressistas apostam que o STF será muito mais demandado. Inclusive as reformas que saem do Congresso serão objeto de uma chuva de ações. Dos três Poderes, os políticos acreditam que o Judiciário é o que estará mais em evidência.

Tríade

Dos três filhos do presidente que já deram problema ao longo desse primeiro ano de mandato, Flávio é o que acaba 2019 em pior situação. A diferença de valores que ele disse ter retirado da loja de chocolates (R$793,4 mil) e o que a empresa declarou ter pago à Receita Federal (R$ 435,6 mi), no mesmo período, é considerado o maior problema porque reforça a suspeita dos investigadores sobre lavagem de dinheiro.

Sereno para quem?

A previsão de um 2020 mais sereno feita pelo ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, ao jornalista Rodolfo Costa, do Correio, é vista como “terreno na lua”. Não há como ter tranquilidade com Flávio Bolsonaro sob investigação, Eduardo respondendo ao Conselho de Ética da Câmara e eleição municipal na roda.

Indulto & excludente

O indulto do presidente Jair Bolsonaro a policiais é visto como o cumprimento do excludente de ilicitude que o Congresso ainda não aprovou e terá dificuldades em votar.

Curtidas

Enquanto isso, em São Paulo…/ Em 2013, o então ministro da Saúde, Alexandre Padilha, era aclamado em São Paulo como possível candidato a governador em 2014. O tempo passou e hoje o deputado Padilha está embolado numa pré-candidatura a prefeito, em que há mais quatro interessados.

Filha de JK crítica Museu da Bíblia: “Estão descaracterizando Brasília”

A filha adotiva de JK Maria Estela Kubitschek
Publicado em coluna Brasília-DF
Coluna Brasília-DF

“Genérico do Oscar”/ O Museu da Bíblia está entre o céu o inferno. Informada do projeto, a arquiteta Maria Estela Kubitschek (foto), filha de JK, não poupou críticas. “Estão descaracterizando Brasília com dois detalhes fundamentais para a preservação da cidade e plantando genéricos dos projetos de Oscar Niemeyer”, criticou.

Autênticos de Oscar/ O arquiteto da cidade, que faleceu em 5 de dezembro de 2012, deixou dois projetos para completar sua obra na capital da República que já foram inclusive pagos, falta apenas executar: O sambódromo e a Praça do Povo. A praça deve ocupar a área entre o Teatro Nacional e o acesso de quem vem da L2 Norte para Eixo Monumental.

Por falar em Eixo Monumental…/ Estão adensando o Eixo Monumental de Brasília, que começa na Esplanada dos Ministérios e vai até a Rodoferroviária. Já tem centro de convenções, que não estava previsto, Museu de Athos Bulcão, vem ainda Memorial João Goulart e agora… Museu da Bíblia. Há, nos bastidores da política, quem compare Oscar Niemeyer a uma árvore natalina, à qual, invariavelmente, integrantes da família recorrem para buscar um presente.

… preservar é preciso/ A monumentalidade de Brasília está em seus espaços vazios e áreas verdes. Aí está um dos desafios para o novo secretário de Cultura, Bartolomeu Rodrigues.