Ganhar, perder e empatar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A Seleção brasileira foi a Los Angeles para enfrentar o Peru. Perdeu. O técnico culpou o gramado. Jogadores lamentaram a derrota. Comentaristas disseram que o importante é competir. Talvez tenham razão. Na prática esportiva, há três resultados possíveis. Um: ganhar. Outro: empatar. O indesejado: perder. Ganhe, perca ou empate, impõe-se ser elegante. A ordem: usar a preposição correta. O time ganha de outro por ou […]

Eduardo vai para os EUA? Nãooooooooo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O site do CB escreveu: “Eduardo vai para os Estados Unidos encontrar Trump, diz Bolsonaro”. Certo? Nãooooooo! O jornal pisou a regência do verbo ir. Quer ver? Ir a indica deslocamento breve. Quem vai a algum lugar está passeando ou trabalhando. Volta em pouco tempo: Vou ao clube. Paulo vai ao cinema. Nós vamos à praia. Vou ao shopping fazer compras. Eduardo vai aos EUA […]

Bolsonaro agradeceu-lhe? Agradeceu-o?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Bolsonaro chamou Moro de patrimônio Nacional, citou o nome dele cinco vezes e o agradeceu por ter aceitado fazer parte da gestão”, escreveu o site da Folha. O gradeceu? Nãooooo! O verbo pede objeto direto de coisa e indireto de pessoa. Assim: Agradeceu o presente. Agradeceu ao ministro. Agradeceu o presente ao ministro. Na substituição do alguém pelo pronome, é a vez do lhe: Agradeço-lhe […]

Aderir: conjugação e regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Aderir é um dos verbos mais usados em dias de negociação de reformas que mexem com a vida das pessoas. Sobram, por isso, tropeços na conjugação e na regência. Pra evitar balbúrdia na comunicação, manda o bom senso aprender as manhas do verbo:  Regência Pede a preposição a: O partido aderiu ao programa proposto pelo líder. Não se pode aderir a todos os modismos. Conjugação […]

Manuela D´Ávila (2): tropeços na crase

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Crase é como aliança no anular esquerdo. Avisa que estamos diante de ilustre senhora casada. A preposição a se encontra com outro a. Pode ser artigo ou pronome demonstrativo. Os dois trocam olhares. Sorriem. O coração estremece. Não dá outra. Juntam os trapinhos e viram um único ser — à. Clube da Luluzinha O pequenino a só tem vez antes de nome feminino. O machinho […]

Extorquir pessoas LGBT? Nãooooooooo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O jornal noticiou: “Um dos foragidos da quadrilha especializada em extorquir pessoas LGBT foi preso no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, nesta segunda-feira”. Bobeou. Extorquir significa arrancar. O verbo faz uma exigência. O objeto direto tem de ser coisa. Nunca pessoa. Extorque-se alguma coisa. Não alguém: Fiscais extorquiram dinheiro do empresário. A polícia extorquiu o segredo. Extorquiram a fórmula ao farmacêutico. Um dos foragidos […]

Moro depôs no Senado? Ao Senado?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Sérgio Moro se antecipou. Antes que os senadores o convocassem, ele se ofereceu para prestar esclarecimentos sobre mensagens que teriam sido trocadas entre ele e o procurador Deltan Dallagnol. A sessão durou oito horas. Enquanto perguntas e respostas se sucediam, pintou a questão: Moro depôs ao Senado ou no Senado? O verbo exige a preposição em: Moro depôs no Senado. O acusado vai depor na […]

Namorar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Nos tempos em que Adão e Eva usavam fraldas, namorava-se com um vigia. Era a vela. Os tempos mudaram. Hoje a moçada dispensa companhia. Ele e ela fazem a festa. Oba! Vamos combinar? Namorar sem intermediários é pra lá de bom. Por isso, prefira a regência direta: João namora Maria. Maria namora João. João a namora. Maria o namora.

Amar, abraçar e beijar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

No Dia dos Namorados, ganham destaque três verbos do vocabulário amoroso. Tratá-los com flores e perfumes alonga o caminho das duas pontas lembradas por Vinicius: “Que seja infinito enquanto dure”. Amar, abraçar e beijar andam juntos. Até a língua conspira a favor da união. O trio é pele na pele. Transitivos diretos, os verbos dispensam a preposição: Paulo ama Maria, Maria ama Paulo. Paulo abraça […]