Moro depôs no Senado? Ao Senado?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Sérgio Moro se antecipou. Antes que os senadores o convocassem, ele se ofereceu para prestar esclarecimentos sobre mensagens que teriam sido trocadas entre ele e o procurador Deltan Dallagnol. A sessão durou oito horas. Enquanto perguntas e respostas se sucediam, pintou a questão: Moro depôs ao Senado ou no Senado? O verbo exige a preposição em: Moro depôs no Senado. O acusado vai depor na […]

Namorar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Nos tempos em que Adão e Eva usavam fraldas, namorava-se com um vigia. Era a vela. Os tempos mudaram. Hoje a moçada dispensa companhia. Ele e ela fazem a festa. Oba! Vamos combinar? Namorar sem intermediários é pra lá de bom. Por isso, prefira a regência direta: João namora Maria. Maria namora João. João a namora. Maria o namora.

Amar, abraçar e beijar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

No Dia dos Namorados, ganham destaque três verbos do vocabulário amoroso. Tratá-los com flores e perfumes alonga o caminho das duas pontas lembradas por Vinicius: “Que seja infinito enquanto dure”. Amar, abraçar e beijar andam juntos. Até a língua conspira a favor da união. O trio é pele na pele. Transitivos diretos, os verbos dispensam a preposição: Paulo ama Maria, Maria ama Paulo. Paulo abraça […]

Tropeço do pai de Neymar: preferir

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Prefiro um crime de internet do que de estupro”, disse o pai do Neymar ao defender o filhão enrolado. Tropeçou na regência malandra: A gente prefere alguma coisa ou alguém a outra coisa ou alguém: Prefiro cinema a teatro. Prefiro Machado de Assis a José de Alencar. Prefiro morar em Brasília a morar em Goiânia. Prefiro um crime de internet a de estupro. Atenção Não use, em hipótese […]

Depilar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Saiu no jornal. Um belo jovem de torso nu ocupava boa parte da página. Abaixo da imagem, a legenda: “Alguns homens depilam por causa do calor que os pelos provocam”. Ops! Moçoilas animadas começaram a procurar. Buscam aqui, espiam ali, espicham o olho pracolá. Nada. Decepcionadas, telefonam pra redação. “Cadê o complemento?”, perguntam. “O que o gatão depila?” Sem resposta, deram asas à imaginação. Quem […]

Nova Previdência: responder

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O governo lançou a campanha anunciada como mágica, capaz de convencer os brasileiros da necessidade de aprovar a reforma da Previdência. Em filmes curtinhos, protagonizados por gente como a gente, pessoas apresentam as dúvidas. Alguém esclarece a questão com palavras simples e frases curtas. A empreitada recebeu o nome de “Nova Previdência. Pode perguntar”.  A questão Quando o slogan veio a público, uma interrogação invadiu […]

Suceder: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Maurício Lima sucede a André Petry na Direção de Redação de Veja”, escreveu o Jornalistas & cia. A frase deu nó nos miolos dos leitores. O pomo da discórdia foi a regência do verbo suceder. A gente sucede alguém ou sucede a alguém? No sentido de substituir, o verbo é transitivo indireto. Exige a preposição a: Bolsonaro sucedeu a Temer na Presidência da República. É […]

Tropeço do ministro da Educação: chegar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O ministro da Educação está na Câmara dos Deputados. Convocado pelos parlamentares, fala sobre sucessos e fracassos dos estudantes. É dele a frase: “O aluno chega no sexto ano e começa a segunda onda de fracasso”. Ops! Tropeçou na regência do verbo chegar. A gente chega a algum lugar. Bobear na preposição tem preço — não chegar a lugar algum. Melhor corrigir: O aluno chega […]