Para viver um grande amor: regência de paquerar, namorar, abraçar e beijar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O amor é cego, mas não é surdo. Para mergulhar em paixão, cuidado com o vocabulário amoroso. No início da relação, os verbos têm uma marca. São transitivos diretos. Paquerar, namorar, abraçar  e beijar dispensam intermediários. Todos eles mandam a preposição tentar outra freguesia: Maria paquera Luís. Luís paquera Maria. Maria namora Luís. Luís a namora. Luís abraça Maria. Maria o abraça. Maria beija Luís. […]

Agradeceu-lhe? Agradeceu-o?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Trump presenteou o Brasil com 1.000 respiradores. Bolsonaro agradeceu. Vale dar uma olhadinha na regência de verbo tão educado. Agradecer pede objeto indireto de pessoa. Agradece-se a alguém por alguma coisa: Bolsonaro agradeceu a Trump pelo envio de respiradores. O filho agradece ao pai. Agradeceu ao ministro pela nota de apoio. Agradeço à direção da escola. Sem bobeira Na substituição do alguém pelo pronome, é […]

Regência: agradar, desagradar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“As investigações do TSE desagradarão os Bolsonaros”, escreveu Elio Gaspari na coluna de hoje. Leitores estranharam a regência do verbo. Está correta? Na acepção de satisfazer, contentar, há forte preferência pelo verbo transitivo indireto (agradar a, desagradar a): As negociações agradaram a gregos e troianos. As negociações desagradaram a gregos e troianos. As investigações do TSE agradarão aos Bolsonaros. As investigações do TSE desagradarão aos […]

Bolsonaro pisa a regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O suspense acabou. O ministro Celso de Melo liberou o vídeo da reunião ministerial citada por Sérgio Moro. Entre palavrões, xingamentos e ameaças, o presidente soltou esta: “Prefiro não ter informação do que ser desinformado”. Pisou a regência do verbo preferir. A gente prefere alguma coisa ou alguém a outra coisa ou a alguém: Prefiro cinema a teatro. Prefiro Machado de Assis a José de Alencar. Prefiro morar […]

Abraçar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Hoje é Dia do Abraço. Em tempos de pandemia, que impõem o afastamento social, o gesto carinhoso tornou-se o objeto de desejo de pequeninos e grandões. Daí por que vale a pena lembrar: abraçar joga no time de amar e beijar.  Os três têm um denominador comum. Dispensam intermediários. Transitivos diretos, ligam-se ao complemento sem preposição: João abraça Maria. Maria abraça João. João a abraça. […]

A enfermeira assiste o doente? Assiste ao doente?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Olho na regência do verbo assistir. A preposição muda o sentido do recado: Assistir = prestar assistência, ajudar, socorrer: A enfermeira assiste o doente. O governo assiste os desempregados. Na pandemia, empresas assistem os vulneráveis. O médico assiste o paciente com competência e compaixão. Assistir a = comparecer ou presenciar: Poucas pessoas assistem ao vídeo da reunião no Planalto.  Os alunos assistiram ao programa sem […]

O filho 04 bobeou

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Prefiro morrer transando do que morrer tossindo”, disse Jair Renam, vulgo 04. A consequência, como repetia o conselheiro Acácio, vem depois. E veio. O filho do presidente foi expulso da rede Twitch, site que transmite videogames. O jovem não gostou. Afinal, gosto é gosto. Não se discute. Respeita-se. Tem razão. Não é, porém, o caso da língua. A língua tem normas que exigem obediência. Uma […]

Protestar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O verbo mais conjugado nestes tempos de covid-19? É protestar. Ele sobressai em razão da falta de caráter. Sem cerimônia, serve a dois senhores. Só muda a preposição: Protestar contra = opor-se: A multidão protesta contra o fechamento do comércio. Protesta por = clamar, ser a favor de: A multidão protesta pelo fechamento do comércio.