Herói tem acento. Heroico não tem. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O secretário da Cultura plagiou a turma do Hitler. Disse que a arte brasileira seria “heroica”. Rapidinho virou ex. Mas deixou uma questão no ar: por que herói tem acento e heroico não tem? A resposta tem tudo a ver com a reforma ortográfica. Antes da mudança, o ditongo aberto oi se escrevia com grampinho sempre. A reforma alterou a regra só das paroxítonas. Oxítonas, […]

Eu doo? Eu dôo?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

  Na época do Natal, o coração fica molinho, molinho. Creches, asilos, instituições de caridade fazem a festa. Ao usá-lo, lembre-se da mudança. O hiato o/o exibia vistoso chapeuzinho. A reforma ortográfica o cassou. A duplinha ficou assim, sem lenço e sem documento: voo, perdoo, abençoo, coroo.    

Verde e amarelo, verde-amarelo ou verde amarelo?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O governo anunciou medidas para estimular a criação de empregos com carteira assinada. Os grandes beneficiados são os jovens. Viva! Quase um quarto dos brasileiros nessa faixa etária joga no time nem-nem — nem trabalha, nem estuda. Foi um auê. Jornais, rádios, tevês, sites anunciaram a inciativa. Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! Tropeçaram no castigo de Deus. O responsável pelo tombo foi o nome da novidade. Apareceram três grafias. […]

Hífen: onomatopeia

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Muitos reclamam da reforma ortográfica. Mas ela deu ajudinhas a nós, falantes da língua portuguesa. Uma delas é simplificar o emprego do hífen. As onomatopeias servem de exemplo. Ora se escreviam com o tracinho. Ora sem. Agora todas se grafam separadinhas, sem possibilidade de contato. É o caso de nhem-nhem-nhem, tró-ló-ló, blá-blá-blá, tique-taque, toque-toque, quem-quem, lenga-lenga, tim-tim por tim-tim.      

Hífen: não ingerência ou não-ingerência?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Antes, só o dicionário sabia quando usar o tracinho e quando dispensá-lo. A reforma ortográfica deu um ponto final no quebra-cabeça. Mandou o hífen plantar batata beeeeeeeeem longe. Oba! As três letrinhas ficaram livres e soltas — sem lenço e sem documento: não agressão, não alinhamento, não conformismo, não fumante, não intervenção, não participação, não alinhado, não beligerante, não combatente, não conformista, não intervencionista, não […]

Hífen: co-

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Muitos reclamam da reforma ortográfica. Mas ela deu ajudinhas a nós, falantes da língua portuguesa. Uma delas é simplificar o emprego do hífen. O prefixo co-, por exemplo, era baita confusão. Ora pedia o tracinho, ora dispensava-o. Com o acordo, a novela mudou o enredo. O pequenino nunca aceita hífen. Com ele é tudo colado: coautor, coerdeiro, corréu, correpresentante, comorador, coinquilino, correpresentante, coprodução, cossecante. Etc. […]

Reforma ortográfica: doo, veem & cia.

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O Future-se autoriza a doação de ex-alunos para as universidades. Nada mais justo. Eles se formaram nas melhores instituições de ensino do país sem desembolsar um centavo. A prática é comum nos Estados Unidos. Pegará aqui? Talvez. Enquanto esperamos, vale lembrar a reforma ortográfica. A mudança cassou o chapéu dos hiatos o/o e e/em. Doo, do verbo doar, tinha acento. Deixou de ter. O mesmo […]

João-de-barro com hífen. Pé de moleque sem. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O que não pode faltar na festa junina? Muitas coisas. A mais importante: pé de moleque. Olho vivo! A reforma ortográfica cassou o hífen do docinho gostoso. Ele nem ligou. Livre e solto, continua reinando Brasil afora.   Companhia A reforma ortográfica eliminou o tracinho dos compostos por justaposição com um termo de ligação. São em geral três palavras que, soltas, nada têm a ver […]

Hífen: à toa ou à-toa, tão só ou tão-só?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Tão só, tão somente e à toa se grafavam coladinhas, com hífen. A reforma ortográfica deixou-as livres e soltas. Sem lenço nem documento, frequentam os textos sem dar nó nos miolos dos falantes. É bom. A mudança, afinal, não se inspirou no Chacrinha. O velho guerreiro dizia que não estava no palco pra explicar, mas pra complicar. No caso, a mudança descomplicou. Viva!

Acentos diferenciais: só dois

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A reforma cassou acentos diferenciais. Foram-se os das paroxítonas. Pêlo, pélo, pára, pólo, pêra ficaram mais leves. Assim: pelo, para, polo, pera. Exceção? Só duas. Mantém-se o chapéu de pôde, passado do verbo poder (eu pude, ele pôde). E o verbo pôr fica com o circunflexo. A razão? Ele é monossílabo tônico. Escapou da facada.