Cruzamentos sintáticos: à medida em que & cia. torta

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Imagine a cena. Paulo tem na mão meio copo de Coca-Cola. Luís tem meio copo de guaraná. Eles resolvem fazer uma combinação. Misturam a Coca com o guaraná. Dá uma bebida estranha. Ninguém sabe o que é. A única certeza é esta: a bebida não é Coca-Cola. Nem guaraná. Na língua também ocorrem misturas heterodoxas. São os cruzamentos. Distraídos, nós pegamos parte de uma estrutura. […]

Palalelismo: lé com lé

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O corpo fala. E dá lições. Uma delas: as partes que exercem função igual têm estrutura igual. No rosto, temos dois olhos, dois ouvidos, duas narinas. Um par exerce o mesmo papel que o outro. Os olhos veem. Os ouvidos ouvem. As narinas cheiram. Por exercerem a mesma função, o casalzinho tem a mesma forma. Um olho é do tamanho e da cor do outro. […]

De 7h às 17h? Das 7h às 17h?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“A busca será de 9h da manhã às 5h da tarde”, informou a tevê. Certo? Não. Faltou respeito às expressões casadinhas. Elas zelam pela harmonia do matrimônio. Adultério não é com elas. De mãos dadas, agem do mesmo jeitinho. O que acontece com um par acontece com o outro. Se um vem acompanhado de artigo, o outro também vem. Se não vem, o outro tampouco […]

Paralelismo 1: enumerações

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A língua aprende a lição do corpo. No corpo, tudo o que existe aos pares tem harmonia. Temos duas orelhas, dois olhos, duas narinas, dois braços e duas pernas. Uma orelha é igual à outra, um olho igual ao outro, uma perna igual à outra. Eles são iguais porque têm funções iguais. A dos olhos é enxergar; a dos ouvidos, ouvir; a das narinas, cheirar, […]

Paralelismo 2: termos da oração

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Paralelismo não se observa só em enumerações. Ele pede passagem também em termos da oração. Se, por exemplo, um verbo pede dois objetos diretos, eles devem ter a mesma construção sintática. Misturar estruturas é pisar o paralelismo. Assim: Ele negou interesse no projeto e que o telefonema do deputado tivesse relação com as propostas nele apresentadas. Ele negou dois fatos: a) interesse no projeto e b) […]

E que: quando usar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Cuidado com o e que. Só se pode empregar a duplinha quando houver o primeiro quê, claro ou subentendido: Ele negou que tivesse interesse no projeto e que o telefonema do deputado tivesse relação com as propostas nele apresentadas. Na falta o primeiro quê, se aparecer e que, o paralelismo chora de dor: As pesquisas revelam grande número de indecisos e que pode haver segundo turno […]

Paralelismo: como observar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A língua aprende a lição do corpo. No corpo, tudo o que existe aos pares tem harmonia. Temos duas orelhas, dois olhos, duas narinas, dois braços e duas pernas. Uma orelha é igual à outra, um olho igual ao outro, uma perna igual à outra. Eles são iguais porque têm funções iguais. A dos olhos é enxergar; a dos ouvidos, ouvir; a das narinas, cheirar, […]