A, o, lhe: emprego

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Lhe tem duas funções: 1. objeto indireto — complementa verbo transitivo indireto. É o caso de oferecer, agradecer, obedecer: Ofereci-lhe um cafezinho (a gente oferece alguma coisa a alguém). Agradeço-lhe o favor (a gente agradece alguma coisa a alguém). Obedecemos-lhe sem discussão (a gente obedece a alguém). 2. adjunto adnominal. Substitui o possessivo seu, sua, dele, dela: Acariciou-lhe os cabelos (acariciou seus cabelos). Invejou-lhe o […]

Amar, abraçar e beijar: regência

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

No Dia dos Namorados, ganham destaque três verbos do vocabulário amoroso. Tratá-los com flores e perfumes alonga o caminho das duas pontas lembradas por Vinicius: “Que seja infinito enquanto dure”. Amar, abraçar e beijar andam juntos. Até a língua conspira a favor da união. O trio é pele na pele. Transitivos diretos, os verbos dispensam a preposição: Paulo ama Maria, Maria ama Paulo. Paulo abraça […]

Comprimento e cumprimento: diferença

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Brasília completou 59 anos ontem. O aniversário da capital é sempre uma grande festa. Cumprimentos se multiplicam. E é aí que pinta o troca-troca. O o toma o lugar do u. Resultado: o estrago pede passagem. Atenção ao comprimento da saia, da estrada, do corredor. Não se esqueça do cumprimento na entrada e na saída. Tampouco do cumprimento à aniversariante. Por falar em cumprimentos Cumprimentar […]

Vírgula 11: vocativo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O vocativo não faz parte dos termos essenciais, integrantes ou acessórios. Por isso vem sempre – sempre mesmo – separado por vírgula: Deus, ó Deus, onde estás que não me escutas? Alô, Sílvio, tudo bem? Entre, Maria, que vai chover. O que é A palavra vocativo vem do latim vocare (chamar). Pertence à família de vocação (chamamento da alma). Seguir a vocação é atender a […]

Artigo: nome de cidades

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Nome de cidade dispensa artigo. Dizemos Paris (não: a Paris), Brasília (não: a Brasília), Belém (não: a Belém). Mas, como toda regra tem exceção, essa também tem. Cidades terminadas por “o” pedem artigo. É o caso de o Rio, o Porto, o Cairo. Recife? O Recife? Trata-se de regionalismo. Os pernambucanos fazem questão do ozinho. Mas ele é facultativo. Use-o se quiser.    

Pronomes átonos: acerte sempre

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Na língua existem criaturas errantes. São os pronomes átonos. Me, te, se, lhe, o, a adoram bater perna. Ora aparecem antes do verbo. Ora, depois. Há também os que se metem no meio. Mas, apesar da flexibilidade, muitos abusam. Cometem pecados. Sete se destacam. 1. Iniciar a frase com o fracote O pronome se chama átono porque é fraco. Tão fraco que precisa de apoio. […]

A, o ou lhe? Depende

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A, o e lhe são pronomes pessoais do caso oblíquo. Quando empregar um e outro? Lhe tem duas funções: 1. objeto indireto — complementa verbo transitivo indireto. É o caso de oferecer, agradecer, obedecer: Ofereci-lhe um cafezinho (a gente oferece alguma coisa a alguém). Agradeço-lhe o favor (a gente  agradece alguma coisa a alguém). Obedecemos-lhe sem discussão (a gente obedece a alguém). 2. adjunto adnominal. […]

Reforma ortográfica: adeus às dúvidas

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

As novas regras ortográficas da língua portuguesa entraram em vigor em 1º de janeiro de 2009. Foram poucas mudanças. Antes de chegar a elas, valem duas observações: A reforma é ortográfica. Refere-se só à grafia das palavras. Pronúncia, concordância, regência, crase continuam do mesmo jeitinho, sem alteração. 2. A mudança nos acentos atingiu apenas as paroxítonas. Proparoxítonas, oxítonas e monossílabos tônicos não foram nem arranhados. […]