Hífen: mini-

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O jornalista Clóvis Rossi, da Folha, nos deixou nesta madrugada. Tânatos, o deus da morte, o surpreendeu. Tanto é assim que o respeitado profissional deu satisfação aos leitores que estranharam a ausência da coluna que ele assinava. “Sofri um mini-infarto”, escreveu em nota. Como sempre, caprichou no português. Mini- obedece à regra do emprego do hífen. Pede o tracinho quando seguido de h ou quando […]

Por que micro-ondas se escreve com hífen?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Rolou fake news na internet. O governo japonês teria proibido o uso de micro-ondas. Horas depois, veio o desmentido. Alívio. Mas a notícia falsa deixou uma questão: por que micro-ondas se grafa com hífen? Micro-entra na regra dos prefixos. Pede o tracinho quando seguido de h ou quando duas letras iguais se encontram. No mais, é tudo junto: micro-história, micro-ônibus, microbiologia, microssistema, microrrevista. Eis exemplos […]

João-de-barro com hífen. Pé de moleque sem. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O que não pode faltar na festa junina? Muitas coisas. A mais importante: pé de moleque. Olho vivo! A reforma ortográfica cassou o hífen do docinho gostoso. Ele nem ligou. Livre e solto, continua reinando Brasil afora.   Companhia A reforma ortográfica eliminou o tracinho dos compostos por justaposição com um termo de ligação. São em geral três palavras que, soltas, nada têm a ver […]

Feiura perdeu o acento. Piauí não. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Sai não tem acento. Saí tem. Saudade não tem. Saúde tem. De tão repetida, a regra tornou-se mais conhecida que a tentação de Adão e Eva. O professor a ensina. Os alunos a memorizam. Os manuais a ilustram. Os concursos a cobram. Em suma: ignorá-la é como desconhecer que a noite vem depois do dia. Grandes e pequenos trazem na ponta da língua os quatro […]

Pé de moleque perdeu o hífen. Cana-de-açúcar não. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A reforma ortográfica cassou o tracinho dos compostos por justaposição com um termo de ligação. São em geral três palavras que, soltas, nada têm a ver uma com as outras. Mas, juntas, formam um terceiro vocábulo. É o caso de pé de moleque. Pé designa parte do corpo. Moleque, menino sapeca. A preposição de os junta. O trio dá nome ao doce que não pode […]

Hífen: à toa ou à-toa, tão só ou tão-só?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Tão só, tão somente e à toa se grafavam coladinhas, com hífen. A reforma ortográfica deixou-as livres e soltas. Sem lenço nem documento, frequentam os textos sem dar nó nos miolos dos falantes. É bom. A mudança, afinal, não se inspirou no Chacrinha. O velho guerreiro dizia que não estava no palco pra explicar, mas pra complicar. No caso, a mudança descomplicou. Viva!

Hífen: infra-

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A chuva alagou Brasília. Alagou também o Rio, São Paulo e outras unidades da Federação. Não só. Morros deslizaram, desalojaram populações, mataram gente. Caíram pontes, viadutos, prédios. A razão: a infraestrutura pede socorro. Ao escrever a palavra, muitos tropeçam na grafia. Não vale a pena. Melhor aprender as manhas do prefixo intra-. Ele pede hífen quando seguido de h ou a. No mais, é tudo […]

Hífen: não, sem, expressão latina

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

NÃO dispensa o elo: não ingerência, não interferência, não fumante, não ativista. SEM exige o hífen: sem-terra, sem-teto, sem-emprego, sem-banco, sem-carro, sem-celular, sem-vergonha. GERAL joga no time do sem. Pede o tracinho: secretário-geral, diretor-geral, coordenador-geral, orientador-geral, procurador-geral. Não bobeie. Se o cargo tiver certidão de nascimento escrito sem hífen, permanece sem tracinho. Como no jogo do bicho, vale o que está escrito. EXPRESSÕES LATINAS. Latim […]