Leitor pergunta

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

  Nunca sei quando usar espiar e expiar. Pode me dar uma luz? (Jonas Biatles) Guarde isto, Jonas. O garoto curioso espia pela fechadura da porta o banho da irmã. A mãe vê. Contrariada, castiga-o. Recolhe o celular por três dias. “Por quê?”, pergunta ele choroso. “Porque você deve expiar o erro.” É isso. Espiar é observar secretamente. Daí espião, espionar, espionagem. Expiar, pagar erros […]

Sua Excelência o palavrão

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

O personagem da semana? Ele mesmo, Lula. Primeiro, pintou a suspeita. O ex-presidente seria nomeado ministro? Depois, a certeza. Foi nomeado. Por fim, a divulgação de diálogos gravados com autorização da Justiça. Foi aí que a porca torceu o rabo. Na transcrição das conversas, emissoras de rádio e tevê censuraram os palavrões. Ouvintes e telespectadores protestaram. Queriam ouvir as frases na totalidade — tim-tim por […]

Cuide do alfabeto

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Que patota, hein? As 26 letras do abecedário são pra lá de solidárias. Elas se combinam e formam nossas mensagens. Vale, pois, tratá-las com galhardia . O á é a primeirona. Escreve-se assim — com acento. O plural tem duas formas: ás e aa. As companheiras também usufruem da dose dupla: bês, bb; cê, cc; dês, dd; ês, ee; is, ii. E por aí vai. […]

Eta confusão!

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

“O Corpo de Bombeiros atendeu 27 ocorrências de mau súbito”, escreveu o jornal pós-manifestações. Ops! Pisamos a grafia. O contrário de mau é bom; de mal, bem. Melhor: O Corpo de Bombeiros atendeu 27 ocorrências de mal súbito. Mais confusão Vamos combinar? O u e o l causam estragos. Em fim de sílaba, eles soam do mesmo jeitinho. Resultado: o troca-troca faz a festa. Cauda […]

Ser gentil é…

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

Valha-nos, Deus! Cadê o dinheiro? A inflação comeu. O mês ficou compriiiiiiiiiiiido e o salário, curtinho. Sem juízo, o estômago mantém o hábito. Quer as três refeições. O jeito? É dar um jeito. Um deles: trocar produtos mais caros por outros mais baratos. É o caso da carne. “A vermelhinha está pela hora da morte”, reclamou a freguesa do supermercado. Atento, o vendedor lhe apresentou […]

Adeus, mistério

Publicado em Deixe um comentárioGrafia

  Eu fiz. Eu quis. Ops! O som é o mesmo. Mas a grafia não. Por quê? A resposta está no nome do verbo. No infinito aparece z? Então, não duvide. Sempre que o fonema z soar, dê a vez à lanterninha do alfabeto. Sem o z, o s pede passagem. Compare: Fazer — faz, fazemos, fazem, fiz, fez, fizemos, fizeram, fizer, fizermos, fizerem, fizesse, […]