Falir: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Defectivo, falir só se conjuga nas formas em que não se confunde com falar. São aquelas em que aparece o i depois do l. No presente do indicativo, só o nós e o vós têm vez (falimos, falis). O presente do subjuntivo não existe. Os demais tempos conjugam-se normalmente: fali, faliu, falimos, faliram; falia, falia, falíamos, faliam; falirei, falirá, faliremos, falirão; faliria, faliria, faliríamos, faliriam; […]

Truques para ser coloquial

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O ouvido tem estreita conexão com o coração. Ouvinte é o amigo, o camarada. O contato pressupõe cumplicidade. Quem ouve cria vínculo e confiança. Participa. A descontração estimula o bom humor. Pequenos truques de linguagem contribuem para o clima. Além de palavras simples e concretas, frases curtas e fáceis, use: a gente, não nós achar, não localizar antes de, não anteriormente aprovação, não anuência depois, […]

Queísmo: falar que & cia.

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Certos verbos sofrem de alergia. Ficam vermelhos, empolados e com coceira quando seguidos do quê. Transitivos diretos, exigem objeto direto nominal, mas não aceitam a oração objetiva direta. Veja alguns: alertar (alerta-se alguém, mas não se alerta que); antecipar (antecipa-se alguma coisa, mas não se antecipa que), definir (define-se alguma coisa, mas não se define que), denunciar (denuncia-se alguma coisa ou alguém, mas não se denuncia que), descrever (descreve-se alguma coisa, mas não se descreve […]

Após e depois: quando usar

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Seja natural”, aconselham os manuais de estilo. Escreva do jeito que você fala. Frases curtas, perguntas diretas, palavras simples conquistam o leitor. Dão a impressão de um bate-papo entre amigos que se encontram para tomar um cafezinho ou comer um sanduíche. Mas nem todos estão atentos às manhas da língua. Um dos tropeços é o uso do após e depois. Por alguma razão que até […]