Intervir: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O governo federal decretou intervenção em Roraima. O assunto, claro, mereceu destaque no noticiário. Aí, não deu outra. Gregos, romanos, baianos e sergipanos tropeçaram no verbo intervir. Muitos anunciaram que o Planalto “Interviu” no estado. Valha-nos, Deus. É a receita do cruz-credo.  Intervir é filhote de vir. Ambos se conjugam do mesmo jeitinho: venho (intervenho), vem (intervém), vimos (intervimos), vêm (intervêm); vim (intervim), veio (interveio), viemos […]

Ruir: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

As chuvas de verão são certas como o suceder dos dias e das noites ou da mudança das fases da Lua. Regulares, transmitem a impressão de que figuram no calendário como o Natal, a Páscoa e o carnaval. Mas, apesar de previsíveis, pegam os governantes de calças curtas. Ruas viram lagos, rios transbordam, morros deslizam, carros se afogam, casas desmoronam, famílias se desalojam, pessoas perdem […]

Caber: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Cuidado com a conjugação do verbo caber: caibo, cabe, cabemos, cabem; coube, coube, coubemos, couberam; cabia, cabia, cabíamos, cabiam; caiba, caiba, caibamos, caibais; coubesse, coubesse, coubéssemos, coubessem; couber, couber, coubermos, couberem; cabendo; cabido. Não caibo em mim de contente. E você? Espero que caiba.    

Caber: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Caber é verbinho irregular. No presente do indicativo, o insubordinado é o eu (eu caibo). As outras pessoas frequentam a vala comum (cabes, cabe, cabemos, cabeis, cabem). O presente do subjuntivo é derivado da primeira pessoa do presente do indicativo. Rebelde, é todo irregular (que eu caiba, tu caibas, ele caiba, nós caibamos, eles caibam). O pretérito perfeito mantém-se indisciplinado do começo ao fim (eu coube, ele […]

Fazer: contagem de tempo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Na contagem de tempo, fazer é impessoal. Conjuga-se só na terceira pessoa do singular: Faz cinco anos que trabalho no banco. Faz duas horas que ele chegou. Fazia muitos anos que não ia ao Rio. 2. É também impessoal quando indica fenômeno da natureza: Faz frio. Faz calor. 3. A impessoalidade do verbo contagia o auxiliar: Deve fazer cinco anos que cheguei a Brasília. Vai […]

Viger: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Olho vivo! “Vigir” não existe. A forma é viger. Intolerante, ele odeia o a e o o. Por isso só se conjuga nas formas em que essas vogais não aparecem depois do g. A 1ª pessoa do presente do indicativo (eu vigo) não tem vez. Nem o presente do subjuntivo. Que eu viga? Uhhhhhhhh! Nas demais, é regular. Conjuga-se como viver: vives (viges), vive (vige), vivemos (vigemos), vivem (vigem), […]