Bolsonaro foi à Ásia? Foi para a Ásia?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O presidente vai passar 15 dias na Ásia. Depois, voltará para esta alegre Pindorama. Daí a importância da regência. Em tempos bicudos, o erro na preposição pode ter consequências indesejáveis. Por isso, olho vivo: ir a = ir por pouco tempo. A volta é rapidinha: Foi ao cinema. Vamos ao clube. Iremos ao shopping amanhã. Vai a São Paulo consultar o médico. Vamos a Nova […]

Amor à primeira vista? Amor a primeira vista?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Bolsonaro dava posse ao procurador-geral da República. De gravata verde-amarela, Augusto Aras olhava encantado para o morador do Planalto. O presidente retribuiu. Olhou o deslumbrado nos olhos e soltou esta: — Com todo o respeito, foi amor à primeira vista. Falar é uma coisa. Escrever, outra. Na hora de redigir a matéria para o jornal, pintou a dúvida: com crase ou sem crase? Os repórteres […]

Oportunidade de o Brasil mostrar? Oportunidade do Brasil mostrar?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Olhos se arregalaram. Ouvidos se afinaram. Bocas se calaram. Ninguém acreditava. Mas é fato. A prova está lá, nos anais da Assembleia Geral da ONU. A razão do espanto: construção pra lá de sofisticada exibida pelo presidente. “Esta é a oportunidade de o Brasil se apresentar ao mundo”, disse Bolsonaro diante do plenário lotado. Por que de o Brasil?, perguntavam presentes e ausentes. Há explicação […]

Bolsonaro agradeceu-lhe? Agradeceu-o?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Bolsonaro chamou Moro de patrimônio Nacional, citou o nome dele cinco vezes e o agradeceu por ter aceitado fazer parte da gestão”, escreveu o site da Folha. O gradeceu? Nãooooo! O verbo pede objeto direto de coisa e indireto de pessoa. Assim: Agradeceu o presente. Agradeceu ao ministro. Agradeceu o presente ao ministro. Na substituição do alguém pelo pronome, é a vez do lhe: Agradeço-lhe […]

Bolsonaro e a esquerdalha

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Se a esquerdalha vencer na Argentina, o Rio Grande do Sul será uma nova Roraima”, disse Jair Bolsonaro ao saber da derrota de Mauricio Macri nas prévias argentinas. Os ouvintes estranharam. Entreolharam-se. Um criou coragem e perguntou o significado do palavrão novato na língua. Foi fácil achar a resposta. O presidente juntou parte de duas palavras. Uma: esquerda. A outra: metralha. Referia-se aos Irmãos Metralhas. […]

Celulares do presidente são alvo de hackers? Alvos?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

São alvo. Por que o singular? Deixa-se no singular o substantivo abstrato que, depois de verbo de ligação (ser, estar, tornar-se, virar, parecer) caracterize genericamente o sujeito plural: As autoridades são o alvo dos hackers. Filmes controversos são o destaque da maior festa do cinema. Os voluntários de Roraima tornaram-se exemplo de solidariedade. O sujeito e o predicado são parte da oração. Animais em extinção […]

Politicamente incorreto: paraíba & cia.

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O presidente Bolsonaro chamou os governadores nordestinos de paraíbas. Eles não gostaram. Escreveram carta de protesto. O Planalto não respondeu. Mas uma questão ficou no ar: paraíba, no sentido de nordestino, é politicamente incorreto? É. Paraíba, como cabeça-chata, exprime preconceito. Xô! Identifique o estado de origem com precisão — maranhense, paraibano, pernambucano, cearense. Há palavras e palavras. Algumas informam. Outras emocionam. Há as que mobilizam […]

Qual o ordinal de 200? E de 500, 600, 700?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Hoje o governo Bolsonaro completa 200 dias. O Planalto quis dar visibilidade à data. Anunciou medidas para comemorar o feito. Entre elas, a liberação de parte do FGTS e o acordo Mercosul-União Europeia. Os festejos obrigaram a turma a recorrer à gramática. A razão: qual o ordinal de 200? É ducentésimo: O governo não deixou passar em branco o ducentésimo dia de mandato de Jair […]

Terrivelmente evangélico: advérbios terminados em -mente

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O presidente se encontrou com a comunidade evangélica. Entre os seus, sentia-se feliz, descontraído. Sorriu muito. Posou para selfies. Deu abraços e beijos. No discurso, disse que nomearia para o Supremo Tribunal Federal um ministro “terrivelmente evangélico”. Aplausos ecoaram. Vivas se ouviram nos quatro cantos do recinto. A imprensa divulgou a fala. Foi um auê. Ops! Não foi o critério religioso para escolher o juiz […]