Crase: Venezuela e Cuba

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Que confusão! O Itamaraty disse que não convidou Venezuela e Cuba para a posse de Jair Bolsonaro. Os embaixadores dos dois países afirmaram o contrário. Armou-se o barraco. Depois de bate-boca nada diplomático, a verdade veio à luz. Ambos os governos foram convidados. Depois, desconvidados. Na hora do noticiar o vexame, pintou a dúvida. Relacionava-se ao emprego da crase: convite feito a Cuba? À Cuba? […]

Foi Deus que fez o livro (Jaime Pinsky)

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Qual é a principal diferença entre os homens e os demais animais que habitam o nosso planeta? Vantagens apregoadas durante muito tempo, como a capacidade de amar, a memória, a organização social, os laços familiares duradouros, não podem mais ser considerados. Vídeos mostrando cenas “humanas” entre elefantes, golfinhos, leões, para não falar de cães e gatos estão à disposição de todos e a distância entre […]

A meu ver? Ao meu ver?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Não bobeie. Expressões construídas com pronome possessivo se usam sem artigo: a meu ver, a meu lado, a seu pedido, a nosso bel-prazer (não: ao meu ver, ao meu lado, ao meu pedido). Olho vivíssimo, moçada. A ponto de, no sentido de prestes a, segue o mesmo princípio: Esteve a ponto de disputar a eleição. Chegou a ponto de morrer. Mas escapou. Mas… Você quer […]

28% é suficiente? São suficientes?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Na segunda, saiu mais uma pesquisa do Ibope.  Jair Bolsonaro continua na frente com 28% das intenções de voto dos eleitores. Comentaristas partiram para a análise dos números. Um deles concluiu: “28% não é suficiente para ganhar no primeiro turno”. Outro confirmou: “Realmente, os 28% não é suficiente”. Bobeou. Regras e exceções Há uma regra que diz: o verbo concorda com o sujeito em pessoa […]

Erramos: maiúsculas e minúsculas

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Parlamento Europeu recomenda a ativação do Artigo 7º do Tratado de Lisboa”, escrevemos na pág. 13. Viu? Demos pedigree a vira-lata. Artigo, tanto por extenso quanto abreviado, se escreve com inicial minúscula: Parlamento Europeu recomenda a ativação do artigo 7º do Tratado de Lisboa. Parlamento Europeu recomenda a ativação do art. 7º do Tratado de Lisboa.

Crase: pronome possessivo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

— Crase antes de pronome possessivo? Os precipitados têm a resposta na ponta da língua: — É facultativa. Os atentos pensam duas vezes: — Depende da frase. E daí? O pronome possessivo goza de privilégios. Ora vem acompanhado de artigo. Ora não. Por isso, a gente pode dizer: Minha cidade tem duas faculdades. A minha cidade tem duas faculdades. A crase é a fusão da […]

Crase: palavras repetidas

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A crase não foi feita pra humilhar. Mas pra tentar. Certas construções dão coceira na mão. Diante delas, o desejo parece irresistível. Ao menor descuido, lá está o acentinho comprometedor. Seguuuuuuuuuuuuuuuuuura! Tentação satânica são as palavras repetidas. Ao vê-las, dobre os cuidados. Pare, pense e controle-se. Lembre-se de que as duplinhas têm alergia à crase. Não aceitam o sinalzinho nem a pedido dos deuses do […]

Fim ou final? Depende

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Na sexta-feira, deseja-se bom final de semana. Contado o último voto, o locutor anuncia que chegou o final da apuração. O juiz apita depois de 90 minutos de jogo. É o final da partida. E por aí vai. Por que não dizer fim? A palavra é mais curta. Mais econômica. No duro, no duro, final é adjetivo. Tem obrigação de acompanhar o substantivo: partida final, placar […]