Crase: comprar à prestação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

É um pega pra capar. De um lado, países europeus. Eles dizem que o Brasil desmata a floresta amazônica sem compaixão. De outro, o governo brasileiro, que nega a acusação. Afirma que ninguém preserva tanto o meio ambiente quanto o Brasil. No bate-boca, a Alemanha decidiu cortar ajuda que faz para preservar aquele paraíso verde. Bolsonaro esnobou: “A Alemanha vai parar de comprar a Amazônia […]

Clareza: seu e sua

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

As histórias estão em alta. Jornalistas, advogados, professores, empresários recorrem a narrativas para sobressair, argumentar e vender o peixe com desenvoltura. Daí por que fazem e oferecem cursos de storytelling, nome emprestado do inglês que significa contação de histórias. Ali aprendem as manhas e artimanhas da técnica tão antiga quanto o suceder dos dias e das noites, a mudança das fases da Lua ou a […]

Ambiguidade: corto cabelo e pinto

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A língua trai. Num piscar de olhos, trocamos letras, confundimos significados, ignoramos flexões, pisamos concordâncias, esnobamos regências. Pior: organizamos as palavras de tal forma que nossas frases transmitem recados diferentes dos que pretendemos. Dá-se, então, o que Mário Quintana explicou: “A gente pensa uma coisa, escreve outra, o leitor entende outra, e a coisa propriamente dita desconfia que não foi dita”. É o caso da […]

Erramos: colocação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Os simpáticos ao PT fazem hoje um ato pela democracia no Hotel Nacional, em Brasília”, escrevemos na pág. 5. Viu? A colocação dos termos deu ambiguidade ao período. Parece que o ato é pela democracia no Hotel Nacional. Não é isso. O jeito é apelar para a vírgula ou mudar a ordem do adjunto adverbial: Os simpáticos ao PT fazem hoje um ato pela democracia, […]

Seu, sua: livre-se da praga

Publicado em 2 Comentáriosportuguês

Os possessivos seu e sua são aparentemente inofensivos. Mas causam senhores estragos à frase. Sabe por quê? Às vezes, dão duplo sentido à declaração. Você diz uma coisa. A pessoa entende outra. Ou fica confusa. É o caso do diretor que tinha o secretário que os chefes pedem a Deus. Ele chegava entes da hora. Saía depois. Almoçava ali mesmo, ao lado do computador. De […]

Vírgula e ambiguidade

Publicado em 1 Comentáriovírgula

O e pode ser precedido por vírgula? Em geral, a conjunção e dispensa a vírgula. Ela só é obrigatória quando permite, numa leitura rápida, dupla interpretação: Os Estados Unidos invadiram o Iraque, e a Rússia reagiu. Deu pra perceber? Sem a vírgula, temos a impressão de que os Estados Unidos invadiram o Iraque e a Rússia. O sinalzinho evita a ambiguidade.