Crase pouco conhecida

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Aparece crase antes do pronome que? A gente está careca de saber. Crase é o encontro de dois aa. Os casaizinhos são sempre dois: a preposição a com o artigo a (vou à cidade) ou com o a dos pronomes demonstrativos aquela, aquele, aquilo (referiu-se àquilo que todos temiam). Ora, Como não se usa a antes de que, a crase tem que procurar outra freguesia. […]

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioErramos, Geral

“Investigada pela Polícia Civil e Ministério Público, a Federação Paulista de Hipismo foi autorizada pelo Ministério do Esporte a captar doações entre empresas”, escrevemos na pág. 3. “Briga entre vizinhos termina em morte”, escrevemos na pág. 16. Viu? O entre virou praga. Com crescente ousadia, a dissílaba rouba o lugar da pequenina de. Não vale. Melhor cada macaco ficar no próprio galho: Investigada pela Polícia […]

Vale por dois

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Há verbos que adoram pregar peças. Um deles é assistir. O danadinho tem uma cara e dois significados. Quem não sabe disso passa apertos. Diz uma coisa. Mas quer dizer outra. Acontece com ele mais ou menos o que aconteceu com o patrão e o empregado. Conhece a história? O patrão pede ao empregado: — ­ Me dá um cigarro? Dali a pouco: — […]

Xerox ou cópia?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Ricardo Ramos escreve: “Vou tirar xerox do documento? Vou tirar cópia do documento? Gostaria de saber qual a forma certa”. Ricardo, xerox entrou no time de gilete, bombril & cia. Gilete significa lâmina de barbear. Bombril, esponja de aço. Xerox, cópia.

Apagão em Brasília

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Ops! Brasília ficou meia hora às escuras. Foi na quarta-feira. Veio à tona, então, a palavra apagão. Com ela, o nome do escurão. No começo, recorria-se à inglesa blecaute. Aí, Buenos Aires ficou hooooooooooooras no breu. Os jornais falaram no apagón da capital portenha. Então, aconteceu. Nós passamos a usar apagão.    .

O alce e o lobo — o valor

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Era uma vez… Um lago muito azul se derramava na floresta. A bicharada adorava se olhar nas águas limpinhas. Quando se debruçava, cada animal se refletia ali. Parecia que se mirava no espelho. O alce ia lá todos os dias. Achava a cabeça dele linda. Quanto mais se mirava, mais encantado ficava. Um dia, olhou pros pés. Ops! Levou um baita susto. Pensou: “Que feios! […]