Mim não faz nem acontece

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    A conversa rolava solta. Grupinho de estudantes comentava questões do simulado aplicado no fim de semana. Uma delas referia-se ao emprego dos pronomes eu e mim. Apesar de simples, o assunto ainda pega a moçada pelo pé. A prova apresentou duas frases quase iguais. Qual delas merece nota mil?     a. Depois da reunião, fiquei na sala. O professor deixou um texto […]

Quem fala?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

      “Obrigado por permitirem que eu assuma a presidência da universidade”, disse Branca, a louríssima e peruíssima personagem da novela Duas Caras. Os membros do conselho se entreolharam, esboçaram um sorriso irônico e se retiraram. Fora da sala, fizeram a pergunta que não queria calar:   — Dona Branca mudou de time?   A desconfiança procede. “Obrigado” é coisa de homem. Mulher diz […]

Que desperdício!

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    “Professores com doutorado e mestrado e, além de tudo isso, você ainda pode concorrer a uma das 500 bolsas”, diz o anúncio da Faculdade JK veiculado pelas tevês. João Marcelo ouviu. Não acreditou nos ouvidos. Esperou o repeteco. Convenceu-se: o texto tem uma baita redundância. O além de indica adição. O ainda também. Que deperdício! Melhor ficar com um ou outro. Um: Professores com doutorado e mestrado e, […]

Perda de identidade

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Sabia? Alguns aumentativos e diminutivos perderam a identidade. Em vez de indicar grau, passaram a designar outro ser. É o caso de portão, cartão, caixão (ataúde), florão (ornato de arquitetura). E por aí vai.   Galinho é diminutivo de galo. Dele nasceu o feminino galinha. Quer tratar a senhora do galinheiro com carinho? Chame-a de galinhazinha. Ela adora. Cacareja que só.

Pra lá de chiques

Publicado em Deixe um comentárioGeral

     A língua é cheia de manhas. Às vezes, adere ao popular. Outras, ao erudito. Vai, então, ao latim em busca de sufixos chiques que só. O -ulo e -culo entram em cartaz. Às vezes aparecem com cara de -áculo, -ículo, -úsculo e -únculo. Mas não enganam. São a mesma criatura. Quer exemplos? Ei-los: Corpo (corpúsculo), febre (febrícula), globo (glóbulo), gota (gotícula), grão (grânulo), […]

O xis da letra

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  O diminutivo de casa é casinha. O aumentativo, casona, casarão. O diminutivo de pai é paizinho. A aumentativo, paizão. Viu? Uns derivados se escrevem com s. Outros, com z. Por quê? Trata-se da velha história de fidelidade à família. Lembre-se: os sufixos são inho, ona, ão. Quando um se junta ao radical da palavra, mantém o s. É o caso de casinha, casebre, casona, […]

Gozadores

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Aumentativo e diminutivo jogam no time dos zombadores. Eles fingem que indicam tamanho. No fundo, porém, exprimem sentimentos. A mãe chama o filho de 1,90m de filhinho. A avó se dirige ao neto de dois anos de garotão. O apaixonado considera a namoradinha um mulherão. O grau, no caso, exprime afeto.     O advogado se refere ao colega como advogadinho de porta […]

Puro prazer

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Em grego, é hedone. Em português, hedonismo. Numa e noutra língua, o significado se mantém. É prazer. A sensação gostosa fez escola. Virou doutrina da filosofia. Segundo ela, o prazer deve ser considerado o objetivo principal dos atos humanos. Alguns concordam. Outros não. Mas uma coisa é certa. Ninguém gosta de sofrer.   A regra vale para a leitura. Texto difícil não tem […]

A primeirona

Publicado em Deixe um comentárioGeral

A primeironaPuxa! Parece que foi ontem. Mas hoje se completam 50 nos que o Brasil ganhou a Copa de Mundo. Na Suécia, com Garrincha, Pelé, Zagallo, Vavá, Zito, Gilmar, Orlando, Nilton Santos & cia. de ouro, a Seleção levantou a Taça Jules Rimet pela primeira vez. Foi a glória. Além das comemorações, a data chama a atenção para um pormenor lingüístico. Até a entrada em […]