O Manual da Abril alerta

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    “Não imite escrivães. Faça como Shakespeare, que com seis palavras — necessárias, precisas, específicas, concisas, simples e tão curtas que a maior tem três letras — escreveu isto: `To be or not to be´. (Não vale alegar que a língua inglesa é mais enxuta. Na tradução para o português há apenas quatro palavras: `Ser ou não ser´).

É plural

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Quando alguém se vai deste mundo, traz três palavras ao cartaz. São pêsames, condolências e exéquias. Elas têm uma mania — só se usam no plural. Artigos, adjetivos, pronomes e verbos relacionados ao trio vão atrás. Concordam com as indesejadas da gente: Fernando Henrique recebeu pêsames de amigos e autoridades nacionais e internacionais. O rei da Espanha apresentou condolências à família Cardoso. As exéquias fazem parte […]

Ruth Cardoso

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  DAD SQUARISI // dad.squarisi@correioweb.com.br   Morar em Brasília tem vantagens. Uma delas: conviver com o poder. Ministros, senadores, deputados, governador circulam como os demais mortais. Empurram carrinhos em supermercado, fazem compras em shopping, freqüentam restaurantes. Em suma: tiram o crachá de autoridade.   Dona Ruth não fugiu à regra. De vez em quando a gente a encontrava. Era difícil acreditar que a mulher discreta, […]

O xis da questão

Publicado em Deixe um comentárioGeral

             Jairo Ribeiro, de Palmas, pergunta: “Há diferença entre diretor de secretaria e diretor da secretaria?”         O xis da questão está no artigo (da = de + a). O artigo definido dá precisão ao objeto. Se digo “traga os livros”, não me refiro a quaisquer livros. Mas a livros específicos. Se, ao contrário, digo “traga livros”, pode ser qualquer obra.         Diretor de secretaria […]

Sem confusão

Publicado em Deixe um comentárioGeral

        Você quer um bombom? Então me diga como não confundir ver/vê, ler/lê, dar/dá.         É fácil como tirar doce de criança. Ver, ler e dar são formas do infinitivo. Vê, lê e dá, do presente do indicativo.         O infinitivo, em geral, detesta a solidão. Vem acompanhado de auxiliar: Ele pode dar. Maria vai ver. João começa a ler.         O presente é dono e […]

Que olho!

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Um garotão, caminhando despreocupado na calçada, ouviu o ruído característico no céu. Olhou pra cima e exclamou:   — Olhe! Uma helicóptera.   Uma professora de português ia passando. Ouviu a heresia. Arrepiou-se como gato assustado. Não se conteve:   — Não é helicóptera. É helicóptero.   O helicóptero voava bem alto. O garotão olhou de novo para cima e comentou:   — Puxa! A […]

Saravá, meu Pai

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  O Machado anda com otite e conjuntivite. Ouve e vê expressões que lhe maltratam os ouvidos e massacram os olhos. Para escapar da surdez e da cegueira, pede socorro. Espera que as almas piedosas se compadeçam de tão desnecessário sofrimento. Eis o texto:   “Correr atrás do prejuízo? Cruz-credo! A gente corre atrás do lucro. Foge do prejuízo. Correr risco de vida? Meus Deus! […]

haver x a ver

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  A ver? Haver? Como não confundir as duas formas que soam do mesmo jeitinho? Faça o jogo do troca-troca. Se o a for substituível por que, dê vez ao a ver. Caso contrário, o haver pede passagem: Este caso não tem nada a ver com aquele (não tem nada que ver). Minha história tem tudo a ver com a de Paulo (tem tudo que ver). Vai haver […]