Super-rodízio tem hífen. Contraprova não. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Super-rodízio falhou em elevar isolamento em São Paulo”, escreveu o jornal. Em seguida, outra informação: “Teste de Mourão para o novo coronavírus tem resultado negativo. Falta a contraprova”. Pintou, então, a pergunta: por que super-rodízio se escreve com hífen, e contraprova o dispensa? A resposta está nas regras de ouro do tracinho. São três e se referem aos prefixos: 1. O H é majestoso. Não […]

Pessoas perdem suas vidas? Xô, desperdício

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Más notícias fazem a festa. A frase aparece num dia e noutro também: “Cresce o número de pessoas que perdem suas vidas”. Reparou? Sobram desperdícios. Um: o s do plural. Cada criatura só tem uma vida. O outro: o pronome possessivo. Em tempos de vacas magras, quando somem empregos e se reduzem salários, economizar é preciso. Melhor poupar: Cresce o número de pessoas que perdem […]

Cadê a vírgula, Mandetta?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Força SUS”, tuitou o ex-ministro Mandetta. Acertou na mensagem, mas tropeçou na língua. Esqueceu a manha do vocativo. O vocativo é o marginal da oração. Não faz parte dos termos essenciais, integrantes ou acessórios. Por isso vem sempre – sempre mesmo – separado por vírgula: Força, SUS. Olá! Sempre que você se dirigir a alguém, não duvide. Estará usando o vocativo. “Paulo, tome banho”, manda […]

Das 5 milhões de pessoas? Não, ministro

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“Das 5 milhões de pessoas que fazem o Enem, a maioria tem internet”, disse o ministro da Educação em entrevista à CNN. Ops! Abraham Weintraub tropeçou no gênero. Milhão, bilhão, trilhão & cia. são machinhos da silva. Não mudam de gênero nem a pedido dos deuses do Olimpo. Melhor respeitá-los: Dos 5 milhões de pessoas que fazem o Enem, a maioria tem internet. Um milhão […]

Rodrigo Maia senta-se na mesa? Nãoooo

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O presidente da Câmara hasteou a bandeira branca. Depois de agulhadas dos dois lados, foi ao Palácio do Planalto fazer as pazes com o presidente da República. Na saída, deu entrevista à BandNews. Em determinado momento, disse que se sentou na mesa para conversar. Ops! Bobeou. Pisou a regência: Sentar-se em = sentar-se em cima de: O gato sentou-se na mesa.O cachorro se acomodou no […]