Demais e de mais: emprego

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Demais e de mais têm uma semelhança. São formadas pelas mesmas palavras (de + mais). Mas exprimem ideias diferentes. Demais significa demasiadamente: Comeu demais. Trabalha demais. Estava nervoso demais. De mais, assim, separadinho, quer dizer a mais, o contrário de de menos: Na confusão, recebi troco de mais (de menos). Ele escreveu palavras de mais (de menos). No pacote, veio um livro de mais (de […]

Feiura perdeu o acento. Piauí não. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Sai não tem acento. Saí tem. Saudade não tem. Saúde tem. De tão repetida, a regra tornou-se mais conhecida que a tentação de Adão e Eva. O professor a ensina. Os alunos a memorizam. Os manuais a ilustram. Os concursos a cobram. Em suma: ignorá-la é como desconhecer que a noite vem depois do dia. Grandes e pequenos trazem na ponta da língua os quatro […]

Pé de moleque perdeu o hífen. Cana-de-açúcar não. Por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A reforma ortográfica cassou o tracinho dos compostos por justaposição com um termo de ligação. São em geral três palavras que, soltas, nada têm a ver uma com as outras. Mas, juntas, formam um terceiro vocábulo. É o caso de pé de moleque. Pé designa parte do corpo. Moleque, menino sapeca. A preposição de os junta. O trio dá nome ao doce que não pode […]

Hífen: à toa ou à-toa, tão só ou tão-só?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Tão só, tão somente e à toa se grafavam coladinhas, com hífen. A reforma ortográfica deixou-as livres e soltas. Sem lenço nem documento, frequentam os textos sem dar nó nos miolos dos falantes. É bom. A mudança, afinal, não se inspirou no Chacrinha. O velho guerreiro dizia que não estava no palco pra explicar, mas pra complicar. No caso, a mudança descomplicou. Viva!

Mas e mais: emprego

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Marcelo Augusto escreve: “Tranquilo, dirigia meu carro. Um fusquinha ia na minha frente. O vidro de trás estampava a mensagem: “É velho, mais tá pago”. Como diria minha avó, vixe Maria!” É isso. Mas e mais têm alguma semelhança. Mas não se conhecem nem de elevador: Mais é o contrário de menos: Trabalho mais (menos) que ele. Gostaria de ir mais (menos) ao cinema. Quem […]

Presentear & cia.: conjugação

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

O verbo mais conjugado em maio? É presentear. Depois do Natal, o Dia das Mães é a data que mais vende. Cuidado com ele. Como passear, frear e presentear, o bem-amado arma ciladas no presente do indicativo e no presente do subjuntivo. O nós e o vós, orgulhosamente, esnobam o i. As outras pessoas, coitadinhas, carregam a vogal com resignação cristã: eu passeio (presenteio, freio), […]