Hífen: autocuidado

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

“O autocuidado se impõe”, disse o ministro da Saúde em entrevista coletiva. É isso mesmo. Autocuidado se escreve desse jeitinho — tudo junto. A razão: O prefixo auto– só aceita hífen quando seguido de h ou o. No mais, é tudo colado como unha e carne: auto-higiene, auto-observação, autoescola, autossabotagem, autorreferência.

Simples de fazer? Simples de se fazer?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Ao falar sobre a possibilidade de produzir máscaras domésticas, o ministro disse que “é a coisa mais simples de se fazer”. Viu? Desperdiçou um pronome. Em época de vacas magras, poupar é preciso. O pequenino se não tem vez com o infinitivo: É a coisa mais simples de fazer (não: de se fazer). Para obter sucesso (não: para se obter). A forma mais exitosa de […]

Sergipe ou o Sergipe? Goiás ou o Goiás? Pernambuco ou o Pernambuco?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Guarde isto: Goiás, Sergipe e Pernambuco são estados solteirinhos convictos. Não aceitam, nem a pedido dos deuses do Olimpo, aliança no anular esquerdo. Por isso dispensam o artigo. Livres e soltos, circulam sem companhias indesejadas: Goiás fica no Centro-Oeste. Nasci em Goiás. Ele chegou de Goiás. Você conhece Goiás? Quem nasce em Sergipe é sergipano ou sergipense? Sergipe fica no Nordeste. Nasci em Sergipe, mas […]

Hitler e coronavírus: eugenia

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

Dizem as más línguas que o coronavírus aprendeu a lição de Adolf Hitler. O ditador alemão acreditava na raça pura, a ariana. Como limpar o mundo? Eureca! Mandou pra campos de concentração os “impuros”. Entre eles, judeus, ciganos, homossexuais, pessoas fragilizadas por enfermidades. O vírus que se manifestou em 2019 também faz sua seleção. Ataca idosos e pessoas com morbidade como diabetes e tuberculose. Ambos […]

Dia da Mentira: por quê?

Publicado em Deixe um comentárioportuguês

A história veio ao mundo no século 16. Naqueles tempos idos e vividos, comemorava-se o ano novo durante uma semana — de 25 de março a 1º de abril. Mas, como quem fica parado é poste, em 1564 veio a mudança. O rei da França Carlos IX instituiu um novo calendário. Resultado: o ano novo passou a ser celebrado em 1º de janeiro. Sem internet, […]