Voltar atrás

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Travestis de Ronaldo voltam atrás”, anunciou o Jornal do SBT  das 6h da matina. “Voltar atrás?”, estranharam os telespectadores. Imaginaram que a duplinha formasse pleonasmo. Forma? Não. O único jeito de voltar ter a acepção de recuar, retroceder, é na companhia da preposição trás. A dupla é bem-vinda.

Pérola legislativa

Publicado em Deixe um comentárioGeral

      ‘‘O que é bom’’, diz o povo sabido, ‘‘anda devagar. O que é ruim se espalha rapidinho.’’ Vale o exemplo de Brasília. A Lei Distrital 3.112, de 2003, obrigou os elevadores a ostentar uma placa. Nela, os dizeres impostos pelos deputados: ‘‘Aviso aos usuários: antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se neste andar’’.   O texto provoca arrepios. Tem […]

É muçarela sim, senhor

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Dilbert Siqueira é louco por pizza. Conhece, por isso, as especializades das melhores casas do ramo. Há alguns meses um fato lhe chama a atenção. Trata-se da grafia da delícia que derrete na boca. Nos cardápios, aparece com crescente freqüência a forma muçarela. Assim, com ç. Desconfiado, ele foi ao dicionário. Ops! O pai de todos nós diz que é isso mesmo. Mas, generoso, oferece saída […]

Gente de Roraima

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Roraima está em pé de guerra. Trata-se do velho problema da demarcação das terras indígenas. De um lado, estão os defensores do território contínuo. De outro, os advogados da divisão em “ilhas”. A questão parou no Supremo Tribunal Federal. Enquanto Suas Excelências estudam o assunto, nós esclaremos uma dúvida. Quem nasce em Roraima é…roraimense.

Olha o desperdício

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Preço do óleo diesel na maioria dos postos do DF está entre 6,9% e 12,3% mais caro”, escrevemos na pág. 13. Preço mais caro? Nada feito. É senhora aredundância. Caro significa de preço elevado. Sem desperdícios, podemos escrever: O preço do óleo diesel está entre 6,9% e 12,3% mais alto.

Fúria de água e vento

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  As enchentes no no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Minas Gerais fizeram estragos. Alagaram ruas. Destruíram casas. Desabrigaram gente. E trouxeram uma dúvida. Trata-se do emprego do x e do ch. A regra diz que, depois de en, o x pode passagem: enxame, enxuto, enxaguar, enxoval, enxovalhar, enxergar, enxerto.   Por que enchente foge à regra? A razão é simples como andar […]

Recado trocado

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  A Esplanada amanheceu coberta de faixas. Todas exibiam o mesmo recado: “Fica Marinho”. O ministro viu, leu e não gostou. Contrariado, convocou a equipe:   — Quem disse que eu vou ficar à frente do ministério? Sou candidatíssimo à Prefeitura de São Bernardo.    — Sabemos disso. É por essa razão que apelamos para que fique.   — Li o texto de frente pra trás […]

Show de gols

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    (Coluna que circula no Aqui, de MG, e Aqui DF de hoje)   Gol é apenas um detalhe? Para Carlos Alberto Parreira, técnico que levou o Brasil ao título mundial de 1994, a resposta é sim. Mas que detalhe! Parreira defende o futebol defensivo, arma esquemas para a defesa não sofrer gol. Com isso, despreza o futebol-arte, alegre, descontraído, no ataque, bem ao estilo […]

Verbo, o senhor da fala

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Por Dad Squarisi   * Coluna publicada nesta segunda-feira no caderno Gabarito do Correio Braziliense   52 — SOER Sofisticação abusada A nação está de governo novo e, como sói acontecer, as esperanças são muitas, disse o senador diante de 80 colegas. Suas Excelências se entreolharam. Soer? Cruz-credo! O verbo é pra lá de sofisticado. Tão chique que poucos têm acesso a ele. Usá-lo requer engenho […]

Crase e humilhação

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  A crase não foi feita pra humilhar ninguém? Ferreira Gullar jura que não. Mas o sinalzinho causa estragos. Vale o exemplo de hoje. “Os investigadores se referem à uma reportagem”, escrevemos na pág. 4 do Correio Braziliense. O artigo indefinido (uma) deixa uma certeza. Não aparece artigo definido no pedaço. Sem ele, o casamento dos dois aa não ocorre. Xô, penetra!