Xiitas em cartaz

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Que triste! A bela Beirute está outra vez sob fogo cruzado. De um lado, os simpatizantes do governo. De outro, os opositores. Milícias xiitas enfrentam o exército. A população está assustada. Teme a volta da guerra civil que castigou a capital do país de 1975 a 1990.   Os brasileiros estão assustados. Aqui vivem três Líbanos. São quase 9 milhões de libaneses e descendentes.Enquanto assistem ao […]

Recorde

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Safra de grãos bate recorde”, anunciam rádios, tevês e jornais. Os agricultores comemoram. O governo também. Com a escassez de comida no mundo, não há notícia mais alvissareira. Mas, pra festa ser completa, uma condição se impõe. Pronunciar a palavra como manda o figurino.   Recorde joga no time de concorde e acorde. A sílaba tônica é cor. Mudar o lugar da fortona dá […]

Dois papéis

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Valha-nos, Deus! O monstro austríaco estuprou e seqüestrou a filha. Trancou-a no porão durante 24 anos. Nesse ínterim, a moça deu à luz sete filhos. Um morreu. Três escaparam do cativeiro. Os outros sobreviveram na masmorra. Uma ficou doente. “Sem nunca ter visto a luz do dia, a jovem saiu inconsciente do porão e foi levada pelo avô e pelo pai para a emergência […]

Xô, intruso

Publicado em Deixe um comentárioGeral

“É hora de se rever a lei”, escreveu O Globo na pág. 3. Leia a frase sem o se. Melhor, não? A razão é simples. Com o infinitivo, o monossílabo não tem vez. Sobra. Merecem nota 10 construções como estas: Bairro bom para morar (não: se morar). Para obter sucesso, dê duro (nunca: para se obter). A melhor forma de aprender os verbos é decorar a […]

Sem trocar as bolas

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Passaram-se 46 dias. O vaivém do caso Isabella Nardoni comoveu o país. Ontem, o juz mandou prender o pai e a madrasta da garota. Repórteres se apressaram a informar o público. Não deu outra. No corre-corre, misturaram alhos com bugalhos. Falaram em “parecer” do juiz.   Nada feito. O juiz não dá parecer. Sua Excelência profere sentença — condena, absolve, ordena, determina, impõe, autoriza, desautoriza. Em […]

O calendário enlouqueceu

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    É provocação? Parece. A Presidência da República desafia o calendário. Duvida? Leia a nota abaixo, divulgada pelo Palácio do Planalto:      Brasília, 07 de maio de 2008.   Governo investe R$ 341,7 milhões na construção de 484 creches  Até o final do ano, o governo federal vai investir R$ 341,7 milhões na construção de 484 creches em 484 municípios, nas cinco regiões do […]

Xô, modismo

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Deputado federal do DEM, licenciado para exercer o cargo no Executivo local, Taniguchi é acusado pelo MP, junto com outros dois assessores, de desrespeitar a lei”, escrevemos na pág. 10 do Correio. Pergunta-se: qual o papel do “outros”? Sobrecarregar a frase. O modismo sobra. Xô!

Qual é a da Dilma?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Produzida, segura e falante, Dilma Rousseff fala na Comissão de Infra-Estrutura do Senado. Ela se preparou. A cada pergunta, entope Suas Excelências de números. Eles ficam tontos. Os comentaristas dizem que a estratégia foi montada pelo Planalto. Assim, não dá tempo de entrar no espinho chamado dossiê.   Mas dá oportunidade de falar em regência verbal. A dona da Casa Civil depõe à comissão ou depõe […]

Pérola legislativa (comentários)

Publicado em Deixe um comentárioGeral

      Taí, Dad: sua aula de hoje mostra que a Câmara Legislativa  necessita de MAIS assessores de vernáculo, incluisive pra corrigir a Lei do Elevador. Mais: na placa há um ponto de exclamação antes do enunciado. Pode? Ou essa turma se espanholou? Só falta pôr ponto de interrogação de ponta cabeça como os ibéricos.Com meu abraçoAldo Paviani   Comentário 2 Caríssima Dad, sou seu leitor […]

Voltar atrás

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Travestis de Ronaldo voltam atrás”, anunciou o Jornal do SBT  das 6h da matina. “Voltar atrás?”, estranharam os telespectadores. Imaginaram que a duplinha formasse pleonasmo. Forma? Não. O único jeito de voltar ter a acepção de recuar, retroceder, é na companhia da preposição trás. A dupla é bem-vinda.