O hífen faz a diferença

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    À-toa? À toa? O hífen faz a diferença. Muda o sentido e a classe gramatical da duplinha. Olho vivo!   À-toa, adjetivo invariável, acompanha o substantivo. Quer dizer fácil, insignificante, desprezível, irrefletido: Há montões de homens e mulheres à-toa na cidade. Causa preocupação criança à-toa solta nas ruas. Não se preocupe. É um trabalho à-toa.   À toa é advérbio. Tem a acepção […]

O dia não é elástico

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Atenção, moçada. O dia só tem 24 horas. Por isso não vale dizer 24 horas e 2 minutos, 24 horas e 20 minutos, 24 horas e 50 minutos e por aí vai. Acerte na lógica com zero hora e 2 minutos, zero hora e 20 minutos, zero hora e 50 minutos.   A abreviatura? É assim: 0h02, 0h20, 0h50. Ops! Lembre-se que, neste país […]

Percentagem, pra que te quero?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

            Percentagem ou porcentagem? Tanto faz. A primeira forma se inspirou no inglês. Na língua de Shakespeare, dizem percentage, filhote de per cent. A segunda vem da terrinha. Em Pindorama, dizemos por cento. Daí porcentagem.         E a escrita? Há duas formas. Uma: com todas as letras. É o caso de sessenta por cento. A outra: com algarismos – 60%. Qual a melhor? […]

O camundongo e o mágico

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Era uma vez…   Um mágico viu um camundongo muiiiiiiiiiiiiiiiiito medroso. O bichinho tinha medo de tudo. Se a campainha tocava, ele tremia. Se o telefone tilintava, ele disparava pra baixo da cama. Se alguém abria a gaveta, ele se encolhia.   O mágico sentiu pena do coitado. Transformou-o em gato. Ele, então, passou a ter medo de cachorro. Transformou-o em pantera. Ele […]