Como é?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

 Lúcia Faria leu “semi-analfabeto”. Achou esquisito. “No meu entender”, disse ela, “ou se é analfabeto ou alfabetizado. Talvez semi-alfabetizado. Certo?”   Certíssimo. Semi-analfabeto joga no time do “mais ou menos grávida”. A pessoa pode ter sido mal-alfabetizada. Daí o semi-alfabetizada.                        

É começar

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Rafael adora ler ler faixas e cartazes. Mas eles não se entendem. A grande vítima é a locução a partir. Ora as duas palavras aparecem escritas juntas. Ora separadas. Qual é a delas?  Guarde isto, Rafael: a partir quer dizer a começar. Ninguém escreve a começar junto. A partir vai atrás. O a pra cá, o partir pra lá: Compre e pague a partir de […]

Qual é a dela?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Volta e meia pinta a expressão não obstante. Ela impressiona, mas confunde. Quer usar a duplinha? Então vale a pena ganhar intimidade com ela.   Não obstante tem idéia adversativa. Joga no time do mas, porém, todavia, contudo, apesar de, no entanto: Não obstante a proibição, motoristas continuam a dirigir embriagados. Não obstante o atraso, o público aplaudiu o cantor. Não obstante o cansaço, […]

Do Cairo

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Rubem Braga escreveu muitas crônicas. Uma ficou famosa. É “Nascer no Cairo, ser fêmea de cupim”. Ao longo do texto, ele faz várias perguntas. Uma delas: como se chama quem nasce no Cairo? A resposta quebrou a cabeça de muita gente. Ei-la: é cairota.

Em casa

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Diana faz salgadinhos. Pra vender mais, pensou entregar o produto na casa do cliente. Resolveu, então, escrever uma faixa com a novidade. Mas pintou a dúvida. O texto seria ‘‘entrego a domicílio’’ ou ‘‘entrego em domicílio’’?   A gente entrega em escola, em hospital, em supermercado. Por que domicílio fugiria à regra? Não foge. Ele é temente à lei. Na Constituição brasileira, discriminação é […]

A pé

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  A pé tem crase? Olho vivo! O sinalzinho indica o casamento da preposição a com outro a. Em geral, é o artigo a. Ora, pé é ilustre senhor machinho da silva. Só se faz acompanhar do artigo o (o pé). Sem o a, nem Deus consegue pôr o acento no solitário.

Lixo na lixeira

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Um texto limpo não cai do céu, nem salta do inferno. Nasce de trabalho, humildade, desapego e muita, muita faxina. Como diz o outro, 10% de inspiração e 90% de transpiração.   A escrita enxuta tem segredos. Um deles: livrar-se do artigo indefinido. Um, uma, uns, umas fazem senhores estragos. Tornam o substantivo impreciso e molengão — mais ou menos como Sansão sem cabelo. […]

Traição

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “O horário de funcionamento é das 9h às 22h, de segunda à sexta”, escrevemos na pág. 41. Que traição, hein? Misturamos casais até hoje pra lá de fiéis. Um deles é formado de preposição mais artigo (da…à). O outro, de preposição pura (de…a). Que tal apaziguar as distintas famílias? Escrevamos: O horário de funcionamento é das 9h às 22h, de segunda a sexta.