Virou notícia

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  João Jr. leu. Duvidou dos próprios olhos. Leu de novo. Era verdade. Estava lá, na capa do Diário do Sul: ‘‘Cadáver encontrado morto em Sangão’’. Depois do susto, ele deu gargalhadas. E concluiu: se alguém encontrar um cadáver vivo, dê asas aos pés. É assombração.

Pra lá e pra cá

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Pra é forma preguiçosa da preposição para. Uma e outra se usam do mesmo jeitinho: Vou para São Paulo.Vou pra São Paulo.Vai para lá e para cá.Vai pra lá e pra cá. Pra frente, Brasil.Vou me embora pra Pasárgada.Vou me embora para Pasárgada.   Viu? As duas são átonas. Não aceitam grampinho nem com reza braba. Xô! Xô! Xô!

Como é?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

 Lúcia Faria leu “semi-analfabeto”. Achou esquisito. “No meu entender”, disse ela, “ou se é analfabeto ou alfabetizado. Talvez semi-alfabetizado. Certo?”   Certíssimo. Semi-analfabeto joga no time do “mais ou menos grávida”. A pessoa pode ter sido mal-alfabetizada. Daí o semi-alfabetizada.                        

É começar

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Rafael adora ler ler faixas e cartazes. Mas eles não se entendem. A grande vítima é a locução a partir. Ora as duas palavras aparecem escritas juntas. Ora separadas. Qual é a delas?  Guarde isto, Rafael: a partir quer dizer a começar. Ninguém escreve a começar junto. A partir vai atrás. O a pra cá, o partir pra lá: Compre e pague a partir de […]

Qual é a dela?

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Volta e meia pinta a expressão não obstante. Ela impressiona, mas confunde. Quer usar a duplinha? Então vale a pena ganhar intimidade com ela.   Não obstante tem idéia adversativa. Joga no time do mas, porém, todavia, contudo, apesar de, no entanto: Não obstante a proibição, motoristas continuam a dirigir embriagados. Não obstante o atraso, o público aplaudiu o cantor. Não obstante o cansaço, […]

Do Cairo

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Rubem Braga escreveu muitas crônicas. Uma ficou famosa. É “Nascer no Cairo, ser fêmea de cupim”. Ao longo do texto, ele faz várias perguntas. Uma delas: como se chama quem nasce no Cairo? A resposta quebrou a cabeça de muita gente. Ei-la: é cairota.

Em casa

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Diana faz salgadinhos. Pra vender mais, pensou entregar o produto na casa do cliente. Resolveu, então, escrever uma faixa com a novidade. Mas pintou a dúvida. O texto seria ‘‘entrego a domicílio’’ ou ‘‘entrego em domicílio’’?   A gente entrega em escola, em hospital, em supermercado. Por que domicílio fugiria à regra? Não foge. Ele é temente à lei. Na Constituição brasileira, discriminação é […]

A pé

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  A pé tem crase? Olho vivo! O sinalzinho indica o casamento da preposição a com outro a. Em geral, é o artigo a. Ora, pé é ilustre senhor machinho da silva. Só se faz acompanhar do artigo o (o pé). Sem o a, nem Deus consegue pôr o acento no solitário.

Lixo na lixeira

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Um texto limpo não cai do céu, nem salta do inferno. Nasce de trabalho, humildade, desapego e muita, muita faxina. Como diz o outro, 10% de inspiração e 90% de transpiração.   A escrita enxuta tem segredos. Um deles: livrar-se do artigo indefinido. Um, uma, uns, umas fazem senhores estragos. Tornam o substantivo impreciso e molengão — mais ou menos como Sansão sem cabelo. […]