Filme de terror? Não. É fato

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    As imagens parecem cenas de filme de terror. Mas não são. São da guerra em Gaza. Homens, mulheres e crianças vivem como sardinhas. Um milhão e meio de pessoas não podem ir nem vir. Estão encurraladas numa faixa de 362km². De um lado, o mar. De outro, um muro alto que os separa de Israel. Ali só se conjuga o verbo faltar. Falta […]

Tragédia em Gaza (resposta)

Publicado em Deixe um comentárioGeral

As imagens parecem cenas de filme de horror. Mas não são. São da guerra em Gaza. Homens, mulheres e crianças estão encurralados. Um milhão e meio de pessoas vivem como sardinhas. Não podem ir nem vir. Estão presas pelo mar e por um muro alto que os separa de Israel. Ali não entra nada. Falta comida, falta água, faltam remédios. O apagão é total. O […]

Erramos

Publicado em Deixe um comentárioErramos, Geral

“Na agência que Helena foi atendida, muitos outros trabalhadores aguardavam a vez”, escrevemos na pág. 13. Viu? Um periodo, dois tropeços. O primeiro conjuga o verbo faltar. Falta a preposição antes do pronome relativo (agência em que Helena foi atendida). O segundo flexiona o verbo sobrar. Pra que o “outros”? Xô!

Mardonio Sarmento sugere

Publicado em Deixe um comentárioGeral

A propósito da reforma ortográfica, lembrei de uma demanda que tinha quando criança: que o alfabeto fosse especializado e a ortografia atendesse a critérios lógicos e não léxicos ou histórico-culturais. Sempre tive dificuldade em memorizar informações subjetivas e marcadas poir excessões, como é o caso de nossa ortografia, agora isso acentuado pela última reforma. Que comentário você poderia fazer sobre essa reminiscência infantil, mas que […]

Voz ativa

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Por Mônica Manir, de O Estado de S. Paulo   Não consta, face a face, que o professor Cegalla seja um senhor caturra – a não ser que eu escrevesse tête-à-tête agorinha mesmo, como, enfim, acabo de fazer. Para esse catarinense de 88 anos e voz pausada, gramático que atravessou quase cinco gerações de estudantes brasileiros, não devemos nos deixar contaminar por termos peregrinos. […]

O ovo e a galinha

Publicado em Deixe um comentárioGeral

“Ele começou primeiro”, diz Israel. “Nós começamos porque Israel não cumpriu o trato de acabar com bloqueio que nos deixa sem comida, bebida, remédios”, diz o Hamas. No diz-que-diz-que,  uma palavra ganhou destaque no discurso israelense. É autodefesa. Ao escrevê-la, pintou a dúvida. Com hífen? Sem hífen? O tracinho, vale repetir, é castigo de Deus. Empregá-lo dá nó até nos miolos do Senhor. A reforma […]

Pra lá de especial

Publicado em Deixe um comentárioGeral

Quem nasce na Palestina é palestino. Quem nasce em Israel, israelense. E quem nasce em Jerusalém? A cidade é sagrada para três religiões monoteístas. O catolicismo tem ali o Santo Sepulcro. O judaísmo, o Muro das Lamentações. O islamismo, a Mesquita Al-Aqsa. Ops! E o adjetivo gentílico de quem veio ao mundo em lugar tão especial? Há três. Um deles: hierosolimita. Outro: hierosolimitano. O último: […]