Mortes enigmáticas

Publicado em Deixe um comentárioGeral

    Três velhinhos viviam juntos. Um dia, um deles morreu. A polícia chegou para saber o que tinha acontecido. O mais falante explicou:   — Ele pegou aquele livro azul e começou a ler. Empalideceu. Suou. Ficou avermelhado, depois roxo e morreu.   Dois dias depois, outro do trio deu adeus à vida. A polícia voltou ao local. O sobrevivente contou:   — Aconteceu […]

Dengue sem dengos

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  Ops! A dengue faz estragos. No Rio, é caso de calamidade pública. Em Goiás, as ocorrências explodem. Nada menos que 20.794 pessoas foram infectadas em 2008. Vale a pena, pois, conhecer o responsável pela transmissão da doença. É o mosquito Aedes aegypti.   Viu? Nome científico escreve-se assim — a primeira palavra tem inicial maiúscula; a segunda, minúscula. A dupla sempre ganha destaque. No caso, grafa-se em […]

Xô, intrusa

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  “Daí por que a decisão da agência de classificação de risco Standard & Poor´s, de elevar o Brasil à condição de grau de investimento, pegou todo mundo de surpresa”, escrevemos na capa do CB Viu? A vírgula separou o nome (decisão) do complemento (de elevar o Brasil à condição de grau de investimento). Matou a oração. Nós, frasecidas, temos um destino — o xilindró.

O suor do rosto

Publicado em Deixe um comentárioGeral

      Lá pelo século 18, a coisa era braba. Os operários trabalhavam até 20 horas por dia. Nem se falava em repouso aos domingos. Muito menos em semana inglesa. Com o tempo, houve melhoras aqui e ali. Mas a carga continuava pesada. A exploração não tinha fim.   A toda ação corresponde uma reação. A resposta tardou, mas chegou. Em 1º de maio […]

Ronaldinho, travestis e polícia

Publicado em Deixe um comentárioGeral

  E Ronaldinho, hein? Saiu das páginas esportivas para as policiais. Cabelo desgrenhado, olhar gozador, o craque apareceu diante das câmeras. Explicava por que se envolvera com três travestis. “Foi engano, disse ele. Pensei que fossem garotas de programa.” O trio dá outra versão. Alega que o atacante não quis pagar o valor combinado. Os quatro acabaram na delegacia.   Do vexame ficam muitas lições. […]